Conheça o perfil da carteira de investimentos do brasileiro nas cinco regiões do país

Um estudo pioneiro realizado pela Empiricus traçou o Mapa do Investimento no Brasil e mostrou como os investidores das cinco regiões brasileiras se comportam.

Compartilhe:
Conheça o perfil da carteira de investimentos do brasileiro nas cinco regiões do país

Um estudo pioneiro realizado pela Empiricus em parceria com os pesquisadores professor doutor Joel Dutra, professor doutor Rodolfo Olivo e professor Rodrigo Silva, traçou o Mapa do Investimento no Brasil e mostrou como os investidores das cinco regiões brasileiras se comportam. A pesquisa também revelou diferenças nas escolhas de investimento de homens e mulheres e entre gerações. Confira os resultados.

Investimentos mais populares no Brasil

Dentre uma lista de 20 ativos financeiros, a pesquisa pediu aos participantes que selecionassem quais deles faziam parte da carteira de investimento no momento da pesquisa e em quais pretendiam investir em 2018.

Os cinco mais votados foram:

Investimentos hoje*Investimentos próximos 12 meses
Ações14% Moedas digitais10%
Tesouro Direto13% Dólar9%
Previdência privada8% Fundos imobiliários9%
Fundos imobiliários7% Ouro8%
CDB6% Opções8%

*Momento da pesquisa

Perfil da carteira de investimentos nacional e por região

O estudo mostrou que a atual carteira de investimentos nacional é conservadora. Do total, 45% dos recursos estão aplicados em ativos de baixo risco e baixa volatilidade, de acordo com os critérios da pesquisa.

Das cinco regiões do país, o Sudeste tem a carteira mais equilibrada entre os ativos, acompanhando a média nacional, assim como o Sul e o Centro-Oeste. A região mais conservadora é o Nordeste, com 47% alocados em ativos de baixo risco e baixa volatilidade. A região Norte é a mais arrojada, com 39% dos recursos em ativos de alto risco e alta volatilidade.

Carteira de investimentos brasileira por região

Perfil da carteira de investimentos – hoje
NacionalSudesteSulCentro-OesteNorteNordeste
Conservador

45%

44%

45%45%44%

47%

Moderado

19%

20%

18%18%17%

17%

Arrojado

36%

36%

37%37%39%

36%

 

Entre homens e mulheres, os primeiros possuem perfil de investimento mais arrojado. As mulheres afirmaram ter 52% dos recursos em aplicações conservadoras, superando em 7 pontos percentuais a média nacional.

Carteira de investimentos brasileira por sexo e faixa etária

Perfil da carteira de investimentos – hoje
HomemMulherAté 30 anosEntre 31 e 50 anosEntre 51 e 70 anosAcima de 71 anos
Conservador

44%

52%

28%47%55%

31%

Moderado

19%

18%

11%21%23%

11%

Arrojado

37%

30%

61%32%22%

58%

 

O que surpreendeu na pesquisa foi o comportamento dos investidores acima de 71 anos. “É esperado que o jovem que, via de regra, tem um horizonte de investimento mais longo, assuma mais risco em sua carteira. Entretanto, com o avanço da idade, a tendência é que o risco diminua e o foco seja a preservação do capital. Mas a pesquisa mostrou que os investidores brasileiros mais velhos estão na contramão e gostam de correr risco”, afirma Beatriz Cutait, CFP®, especialista em investimentos da Empiricus.

Onde investir nos próximos 12 meses?

Para os próximos 12 meses (o levantamento foi realizado em dezembro de 2017), a pesquisa sugere uma forte tendência de inversão de ativos. Os participantes mostraram-se propensos a adicionar muito mais risco ao portfólio – 51% pretendem ter uma carteira arrojada. A região Nordeste é a que registrou maior elevação de risco, 16 pontos percentuais.

Carteira de investimentos brasileira por região

Perfil da carteira de Investimentos – próximos 12 meses
NacionalSudesteSulCentro-OesteNorteNordeste
Conservador

25%

24%26%24%27%

25%

Moderado

24%

25%

23%24%22%

23%

Arrojado

51%

51%

51%52%51%

52%

 

A mudança no perfil de risco também foi observada nas variáveis sexo e faixa etária. A carteira da mulher tende a ficar muito mais próxima da do homem. Eles pretendem ter 52% do portfólio em ativos arrojados contra 37% atuais e elas, 50% contra 30% atuais – 66% a mais de risco do que possuem hoje.

Considerando a faixa etária, o único grupo que pretende diminuir o risco da carteira nos próximos 12 meses é o de investidores de até 30 anos. No momento da pesquisa, 61% do portfólio estavam alocados em ativos arrojados; daqui a 12 meses, a tendência é de que sejam apenas 54%.

Mais uma vez, surpreende o grupo mais velho. Hoje, a carteira já é bastante concentrada em risco, 58%. Daqui a 12 meses, os investidores acima de 71 anos pretendem adicionar ainda mais risco e ter 78% da carteira em ativos arrojados.

Carteira de investimentos brasileira por sexo e faixa etária

Perfil da carteira de investimentos – próximos 12 meses
HomemMulherAté 30 anosEntre 31 e 50 anosEntre 51 e 70 anosAcima de 71 anos
Conservador

24%

28%25%25%27%

10%

Moderado

24%

22%

21%25%26%

12%

Arrojado

52%

50%

54%50%47%

78%

 

A pesquisa ainda revelou que para 60% dos respondentes o principal objetivo de investimentos é a construção de riqueza. Em segundo lugar, 24%, está a criação da reserva de emergência. A maior dos participantes, 41%, ainda afirmou estar otimista quanto ao retorno de suas aplicações para 2018.

Para ter acesso ao conteúdo completo da pesquisa, clique aqui.