A conta não fecha

A presidente afastada Dilma Rousseff terá que se desdobrar mais uma vez para evitar uma nova rejeição de suas contas pelo TCU.

A conta não fecha

A presidente afastada Dilma Rousseff terá que se desdobrar mais uma vez para evitar uma nova rejeição de suas contas pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

A área técnica do órgão apontou ontem uma série de irregularidades que fundamentariam a reprovação das demonstrações referentes ao exercício de 2015.

Dentre elas, estão (i) o uso de medida provisória (a MP 704) para efetuar mudanças na destinação de receitas vinculadas, o que é proibido por lei, (ii) calote em pagamentos de dívida com os bancos públicos e (iii) a polêmica quitação das pedaladas.

Após o acolhimento das recomendações pelo relator, o processo será encaminhado para a defesa de Dilma. As respostas também levarão cerca de 30 dias para serem avaliadas pelo TCU, o que joga o desfecho do julgamento para meados de setembro.

Se confirmada, será o segundo ano consecutivo de rejeição às contas de seu governo, lembrando que no ano passado a decisão foi tomada de forma unânime pelos membros do Tribunal.

Mais do que isso, além de 2014 e 2015, já está claro para o TCU que a Lei de Responsabilidade Fiscal foi infringida também em 2016.

Dilma arrombou o orçamento para ganhar a eleição.

E arrombou para perdê-la.

Mesmo assim, ainda há quem diga que o impeachment foi golpe.

Conteúdo relacionado