Ao vencedor, as batatas

Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.

Ao vencedor, as batatas

“Bruce, vá plantar batatas!”

Foi esse e-mail que nosso analista recebeu de um leitor após divulgar uma resenha sobre China.

Na ocasião, Bruce falou do pânico dos mercados globais com o país asiático. Lembrou ainda que os primeiros a sofrer com o estouro da bolha são os bancos estatais e disse que esses bancos (e empresas) ineficientes devem quebrar para que o investimento privado invada o sistema. Enquanto isso, as injeções de capital do Banco central chinês serviriam como muletas.

Pois é, desde então o governo chinês vem torrando suas reservas e as bolsas locais dançam conforme a música.

Claro, isso uma hora vai dar errado. O Rodolfo está mais preocupado que o Bruce, conforme tem deixado claro no Mercado em 5 Minutos.

Eu estou mais preocupada do que já estive. Isso por que as exportações brasileiras dependem da China e o único indicador que está positivo nesses últimos tempos é a balança comercial (por causa do dólar, não porque a economia brasileira está mais competitiva).

É consenso que a estratégia da China não é sustentável no longo prazo, mas acredito que o país mereça um voto de confiança depois de ter segurado sua economia por tantos anos.

Quem vai ficar com as batatas?

Conteúdo relacionado