As ferramentas da reconstrução da economia II

Lembrar de não usar abatimentos no fiscal.

As ferramentas da reconstrução da economia II

Ontem ao fazer o post pensei em incluir “abatimentos da meta fiscal de qualquer espécie”. Porém, desisti, pois considerei que isso já era carta fora do baralho.

Muito bem, hoje o ministro do Planejamento, Romero Jucá, sugeriu no Estadão que “vai preparar uma emenda ao projeto permitindo o abatimento do impacto fiscal que for decorrente da negociação da dívida dos Estados.”.

Em um momento tão delicado para o fiscal, em que precisamos que os resultados sejam cristalinos, isso não pode acontecer. Se não sabe qual é o valor, diga que revisará e em um próximo momento dará um intervalo, mas não use a palavra abatimento.

Sendo assim, acrescento mais um item à lista de “medidas que não devem ser adotadas”:

 

– ABATIMENTO DE QUALQUER ESPÉCIE NA META FISCAL;

– Estímulo ao crédito;

– Qualquer coisa que envolva o BNDES;

– Definição de teto de gasto sem CORTE de despesa obrigatória;

– Qualquer coisa que mexa nas reservas;

– Queda da Selic neste ano.

 

Precisamos de fatos, ministro!

Conteúdo relacionado