“Money Monster” e a instabilidade do investimento em ações

O filme dirigido por Jodie Foster traz à tona as variações do mercado acionário. Já assistiu?

“Money Monster” e a instabilidade do investimento em ações

Olá,

Hoje venho falar sobre o filme “Money Monster”, traduzido por aqui como “O Jogo do Dinheiro”. O longa dirigido por Jodie Foster tem atores estrelados no elenco, como George Clooney e Julia Roberts, e trata de um assunto empolgante (ainda que trágico): o crash de Wall Street em 2008, que escancarou uma crise que levou milhares de pessoas a perderem suas economias.

A história tem como ponto central o programa de televisão “Money Monster” e seu apresentador Lee Gates (Cloney). Um tanto voltado ao espetáculo, o programa discute o mercado acionário americano, com recomendações feitas por Gates de boas ações de empresas para se investir.

O grande dilema do filme surge quando o jovem Kyle Budwell (interpretado por Jack O’Connell) invade o estúdio e ameaça Gates por ter perdido o dinheiro da sua herança ao investir em uma ação indicada pelo apresentador.

A tensão invade completamente o longa e o apresentador se vê envolvido em um colete repleto de bombas. A produtora Patty Fenn, interpretada por Julia Roberts, se encarrega de manter a calma no local, falar com a polícia e dirigir o programa mesmo naquela situação.

O jovem não quer o dinheiro de volta, mas exige que a empresa reconheça ao vivo o erro e admita que deixou os acionistas a ver navios. Afinal, do dia para a noite, as ações da empresa caíram inexplicavelmente (fruto de um golpe manipulado pelo dono da companhia, que alegou que se tratava de um bug do sistema).

Calma, não vou contar a história toda para vocês. O que quero discutir aqui é o autocontrole necessário para investir em bolsa. Quando pensamos em ações, é fundamental entender que se trata de um investimento de risco e, por isso, tudo deve ser muito bem planejado. Inclusive os riscos de perdas.

É claro que o filme mostra um caso à parte de fraude no mercado financeiro, já que a empresa burlou o sistema e manipulou a situação política e econômica para se favorecer, mas o dia a dia de quem aplica em ações também está sujeito a perdas por razões técnicas ou por fundamentos macroeconômicos. E é essa perspectiva que precisa ser trabalhada.

Ninguém quer perder dinheiro, é claro, por isso não economize tempo planejando e estudando cada passo.

O longa de Jodie Foster é envolvente e deve ser considerado como uma boa ficção. Lembre-se apenas de que imprevistos acontecem e é sempre bom ter uma carteira diversificada para não sofrer abalos estruturais.

Até a próxima,

Conteúdo relacionado