Por um punhado de dólares

O dólar é um pistoleiro barra pesada que chega a uma cidade que está em guerra.

Por um punhado de dólares

Já pensou que legal seria se você pudesse justificar um eventual rombo nas suas contas devido a “queda de receita”? Pois é. Mas você não é o governo e não pode fazer isso. Você pode se proteger de uma eventual queda nos seus rendimentos, mas não pode chegar para o gerente do seu banco e dizer “desculpa aí, pago quando der”.

Para se proteger em tempos obscuros, hoje estamos recomendando comprar um punhado de dólares. “Mas por quê?”. Bom, a receita é simples: inflação + endividamento público subindo + instabilidade política = fuga de capitais. Simplificando: os investidores tiram seu dinheiro de onde não é confiável e colocam onde é, não precisa nem fazer muita conta.

Além do motivo fundamentalista, a queda recente da moeda americana é uma oportunidade de comprá-la. Esse movimento do dólar descolou do euro e da libra. De 29 de janeiro até agora o dólar registra queda de 1,7%, enquanto a Libra ficou quase no zero a zero e o Euro valoriza 2,0% ante o Real.

Hoje na atualização da Carteira Empiricus, o Felipe achou por bem aumentar nossa exposição ao dólar – pode estar caindo agora, mas todos os fundamentos nos levam a crer que vai subir. Então aproveite.

Para quem quer ter outros tipos de exposição na moeda vale pensar em comprar ações de companhias americanas. Neste sentido, temos uma carteira composta por empresas sólidas, de grande porte, elevada liquidez de negociação e que têm em comum histórico de crescimento robusto de resultados, ano após ano – o que por si só já reduz sobremaneira o risco de investimento em suas ações.

Obviamente, no Brasil também existem companhias que se beneficiam da alta do dólar – casos de Suzano, Weg e Embraer.

Que o Santo Dólar esteja conosco.

Conteúdo relacionado