Eztec é um ótimo negócio em um péssimo setor?

Pouca gente gosta das incorporadoras. As críticas são muitas e variadas e, é claro, que a Eztec também possui seus “haters” que alegam que as […]

Compartilhe:

Pouca gente gosta das incorporadoras. As críticas são muitas e variadas e, é claro, que a Eztec também possui seus “haters” que alegam que as margens da companhia não seriam sustentáveis, as ações são caras e os controladores seriam demasiadamente sovinas. Não faltam censuras. Mas, saímos animados de uma conversa com a empresa. Em poucas palavras, o ciclo virou – a companhia está vendendo mais, os distratos estão caindo e eles já planejam lançar no topo de seu guidance de R$ 1 bilhão em 2018.

Este ano a empresa deverá vender algo ao redor de R$ 500 milhões de estoque e mais R$ 100 milhões de lançamentos – apenas a parte reconhecida contabilmente. Foram R$ 613 milhões vendidos em 2017, excluindo o EZ Towers. Pensando em uma margem líquida de 30% (foi 36% nos últimos 12 meses), a companhia apresentará um ROE de mais ou menos 10% em 2018. Com isso, Eztec, em um setor altamente cíclico, terá passado pela maior crise da história do país com ROE abaixo do CDI apenas em 2016 (9% contra 13%).

Conteúdo recomendado