Conselho da IMC rejeita proposta de fusão com Sapore

A IMC (International Meat Company) divulgou, na noite desta quarta-feira (21/02), que seu Conselho de Administração decidiu não dar seguimento à análise da proposta da […]

Compartilhe:

A IMC (International Meat Company) divulgou, na noite desta quarta-feira (21/02), que seu Conselho de Administração decidiu não dar seguimento à análise da proposta da Sapore, que visava a combinação de negócios via troca de ações, equacionada a um mesmo múltiplo: 9,0x EV/Ebitda – ou seja, sem nenhum prêmio (nem de controle, nem de liquidez).

Em termos de negócios, a transação faria sentido porque, de fato, a integração da dona das redes Viena e Frango Assado com um modelo de negócio complementar como o da Sapore acarretaria sinergias importantes: operacional, de headcount e de estratégias de compras e estocagem de insumos, por exemplo.

No entanto, nossa percepção é de que a decisão do conselho é positiva, principalmente por entendermos que a IMC mereceria um prêmio na transação entre 20% e 30% sobre o preço de tela, o que seria adequado dadas as condições das duas companhias.

No ano passado, o EV (sigla em inglês para Valor da Firma) da IMC estava avaliado em R$ 1,5 bilhão – considerando o endividamento e o preço da ação ajustados pela distribuição exigida de proventos – chegando ao múltiplo de 10,8x EV/Ebitda.

Paralelamente, o EV da Sapore estava em R$ 1,2 bilhão – assumindo como premissa a capitalização de mercado e o endividamento sugeridos na proposta – levando ao múltiplo de 11,8x EV/Ebitda. Assim, claramente há um desconto de múltiplo que justificaria o pagamento de um prêmio na transação.

Conteúdo recomendado