Receita líquida da Klabin cresce 17% em 2017 e atinge R$ 2,3 bilhões

Maiores preços de celulose e kraftliner e melhor execução no segmento de conversão foram contrabalanceados pelo desempenho estável do segmento de papéis –especialmente cartões revestidos, […]

Compartilhe:

Maiores preços de celulose e kraftliner e melhor execução no segmento de conversão foram contrabalanceados pelo desempenho estável do segmento de papéis –especialmente cartões revestidos, que diferentemente das demais unidades, não teve crescimento de volume. Com isso, os números operacionais da Klabin relativos ao quarto trimestre de 2017, vieram positivos, mas abaixo do que o mercado esperava.

A fábrica Puma e o segmento de conversão – destaque para papelão ondulado mais uma vez – foram os principais responsáveis pelo incremento de 8% ano contra ano no volume vendido pela Klabin, atingindo 842 mil toneladas. A receita líquida subiu 17% entre 2016 e 2017, para R$ 2,3 bilhões, enquanto o Ebitda cresceu 31% no mesmo período, fechando o trimestre com R$ 855 milhões.

O custo caixa de produção de celulose permaneceu estável versus o trimestre anterior em R$ 681 por tonelada. Estimamos que os custos desta linha voltem a cair nos próximos trimestres, lembrando que Puma já roda à plena capacidade.

Do lado financeiro, a dívida líquida da empresa recuou 5% em relação ao final de setembro e fechou o trimestre em R$ 11,1 bilhões, enquanto a alavancagem caiu de 4,9x para 4,4x. Apesar da melhora operacional, o prejuízo líquido de R$ 83 milhões refletiu o impacto desfavorável da variação cambial no resultado financeiro.

Conteúdo recomendado