Receita líquida da Suzano cresce 25,8% em 2017

A Suzano encerrou o quarto trimestre de 2017 com o melhor desempenho operacional na comparação anual. A combinação entre maior preço médio de papel e […]

Compartilhe:

A Suzano encerrou o quarto trimestre de 2017 com o melhor desempenho operacional na comparação anual. A combinação entre maior preço médio de papel e celulose, volume mais forte de papel e disciplina de custos ajudaram a impulsionar os números. Adicionalmente, vale o destaque positivo para as operações de fluff e tissue e a desalavancagem financeira.

A receita líquida da empresa subiu 25,8% ano contra ano para R$ 3,1 bilhões, enquanto o Ebitda expandiu 58,1% no mesmo período, fechando o trimestre com R$ 1,4 bilhões. O lucro líquido de R$ 358 milhões reverteu o prejuízo do ano anterior, suportado principalmente pela melhora operacional enquanto o câmbio jogou contra o resultado financeiro.

O custo caixa de produção de celulose (sem parada) subiu quase 8% versus o quarto trimestre de 2016 para R$ 614 por tonelada devido ao aumento do custo com madeira. Com isso, o status de produtora com estrutura de custo de celulose mais eficiente dentre nosso universo de cobertura setorial permaneceu com a concorrente Fibria.

Do lado financeiro, a dívida líquida caiu 7,3% em relação ao final de junho para R$ 9,3 bilhões, que combinada à melhora do Ebitda, reduziu o nível de alavancagem de 2,7x para 2,3x. Enquanto isso, a companhia manteve esforços para reduzir custos e alongar prazos da dívida, que saiu de 62 meses em junho para 80 meses em setembro.

Conteúdo recomendado