Retomada do mercado imobiliário será mais lenta do que esperado

Compartilhe:

Sabemos que comprar imóvel é uma decisão lenta, mas a retomada do mercado imobiliário tem demorado mais do que o imaginado. E por que isso? Resumidamente, temos cinco players: Caixa, Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander. Sendo que a Caixa sozinha detém mais de 60% dos empréstimos imobiliários.

Com a taxa de juros caindo, a poupança voltando, os preços em queda, o estoque cada vez menor, as entregas chegando ao fim do ciclo, e a renda das pessoas maior, temos um cenário perfeito para a recuperação do setor. É claro que ainda precisamos de mais poupança, maior confiança das pessoas e um empurrão dos bancos. Os juros do crédito imobiliário não estão cedendo na mesma velocidade da taxa Selic – poupança restrita e o maior conservadorismo dos bancos explica boa parte disso.

Ainda dependemos muito da Caixa, que tem reduzido pouco as suas taxas de empréstimos imobiliários e mantido o LTV baixo. E isso deve ter um motivo: a Basileia. A Caixa anda com o índice de Basileia muito baixo e isso precisa ser adequado. A Basileia é um acordo firmado entre vários bancos mundiais, que serve de parâmetro para não se alavancarem excessivamente; quanto maior o índice, mais recursos o banco dispõe para crédito, e vice-versa.

O banco está ajustando as suas contas no limite para fazer frente à Basileia, mas mesmo assim a conta não está fechando. Por ora, ficamos mais dependentes dos demais bancos concederem crédito para oxigenar o setor imobiliário. As perspectivas são otimistas, mas a retomada pode ser um pouco mais lenta do que esperávamos.

Conteúdo recomendado