Presidente do Banco Central fala sobre riscos de baixar os juros ainda mais

Depois de aparecer na CBN e no Broadcast na semana passada, onde seus comentários sobre a surpresa da inflação elevaram as apostas em mais um […]

Compartilhe:

Depois de aparecer na CBN e no Broadcast na semana passada, onde seus comentários sobre a surpresa da inflação elevaram as apostas em mais um corte dos juros para março, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, balizou um pouco mais as expectativas do mercado nesta segunda-feira (12/03), em um evento em São Paulo.

Apesar de Goldfajn seguir com o discurso de inflação baixa e cenário externo benigno – o que se alinha com mais um corte de 0,25% na próxima reunião do Copom –, também fez questão de destacar alguns riscos. Entre eles estão a dificuldade de saber o tamanho do hiato do produto (a distância entre o crescimento atual e o PIB potencial) e o cenário externo, que ficará cada vez menos benigno à medida que a inflação ganhar força nos países desenvolvidos.

O hiato hoje é negativo, por isso estamos desinflacionando a economia. Se o hiato for bem menor do que esperamos e se crescermos 3% ao ano, o BC pode estar em maus lençóis mais à frente. Nessa mesma linha de balizar expectativas, o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, em reunião com economistas no Rio de Janeiro, teria também trazido uma visão menos “dovish” para os próximos passos da política de juros do BC.

Conteúdo recomendado