Fusão entre Suzano e Fibria criará empresa com R$ 60 bilhões de valor de mercado

As negociações entre Fibria e Suzano estão bastante avançadas – a família Feffer, controladora da Suzano, se prepara para fazer uma proposta pela fatia dos […]

Compartilhe:

As negociações entre Fibria e Suzano estão bastante avançadas – a família Feffer, controladora da Suzano, se prepara para fazer uma proposta pela fatia dos Ermírio de Moraes na Fibria, maior produtora de celulose de fibra curta do mundo.

A transação envolveria tomar uma dívida de US$ 10 bilhões e elevar a alavancagem da Suzano de forma significativa – desde a conclusão do projeto em Imperatriz, no Maranhão, a companhia vem passando por um processo longo de desalavancagem e melhora de governança.

A negociação pode resultar em uma companhia combinada com valor de mercado de mais de R$ 60 bilhões, enterprise value acima dos R$ 110 bilhões e, considerando os efeitos positivos do ramp-up de Três Lagoas II (nova unidade produtiva da Fibria), um Ebitda de R$ 11 bilhões. Por outro lado, se efetuar a compra com financiamento bancário, a Suzano pode ver sua alavancagem ultrapassar as 5x dívida líquida/Ebitda.

Ainda há bastante negociação pela frente e o BNDES, que é acionista das duas companhias, deve ter um papel decisivo no arranjo final. A família Feffer não quer abrir mão do controle, mas se tiver que comprar toda a participação dos Ermírio de Moraes, que não quer ficar minoritário no negócio, pode se ver obrigada a ter que estender a oferta a todos os acionistas da companhia – isso pode levar a um desembolso extra de caixa, com pagamento de prêmio de controle aos minoritários.

Já o banco estatal não quer que a Fibria, maior companhia do setor, com 12% do mercado de celulose mundial e 21% do mercado de fibra curta caia nas mãos de capital estrangeiro, ainda mais depois que Paper Excellence já levou a Eldorado e também está de olho no negócio.

Dividido entre monetizar seus ativos e garantir que a companhia continue nas mãos de controladores nacionais, o BNDES está tentando fechar um acordo que deixe todas as partes felizes. Veremos se os interesses dos minoritários serão, de fato, endereçados.

Conteúdo recomendado