Fábio N.

Compartilhe:

Divido meu momento em A.E (antes sem Empiricus) e D.E (depois com Empiricus).

A reserva que eu tinha estava em poupança (vacilei por vários anos!!) e, depois de muito tempo perdido, iniciei o movimento de buscar melhores aplicações.

Como todo leigo, procurei o gerente do banco e apliquei em fundos recomendados por ele. O gerente só fala sobre a rentabilidade do fundo: “tem um fundo bom aqui, está pagando 85% do CDI. No último ano deu x% do CDI”, como se esta fosse a única informação importante para o cliente decidir sobre investir ou não em um produto.

E pior é pensar que eu só olhava para isso antes!

Depois, graças a uma conversa informal com colegas de trabalho sobre onde investir um dinheiro que receberíamos da empresa, uma delas comentou que estava começando a estudar um pouco sobre investimentos e falou da Empiricus!

Na mesma semana, outro colega fez a indicação para a Empiricus e me tornei assinante.

Nestes primeiros meses como assinante, dediquei-me à leitura – relatórios dos melhores fundos de investimentos, relatórios extras, Super Previdência – assisti às videoaulas, ao vídeo do Você Investidor… “ralei” e valeu o investimento. Aprendi muito com a equipe da Empiricus!

Em resumo, no último mês abri conta em algumas corretoras, diversifiquei minhas aplicações, fiz minha planilha de investimentos com todas as informações relativas a cada aplicação.

Mensalmente cobro o gerente do banco para me enviar os relatórios dos fundos.

Valeu Empiricus!!

E o melhor foi hoje, quando recebi a ligação do gerente perguntando o que eu achei dos fundos que ele me indicou esta semana e eu fiz algumas perguntas como: qual a taxa de administração? Tem taxa de performance? Que tipo de fundo é: renda fixa, multimercado… Qual a composição do fundo?

Não caio mais na conversa dele!