O Cortex Pré Frontal e a Renda Fixa

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
O Cortex Pré Frontal e a Renda Fixa

No fenomenal “O Valor do Amanhã”, de Eduardo Giannetti, há um ensaio sobre o valor das trocas intertemporais, ou seja, o quanto você aceita de custo hoje, em nome de um benefício futuro.

Você, leitor, prefere viver depois, e pagar agora? Ou viver agora, e pagar depois?

Se você for igual a grande maioria dos brasileiros, certamente preferirá viver agora, e pagar depois, com muito … muito juro.

O autor chama os juros de “preço da impaciência”.

O que é genial é entender que cada pessoa se comporta de uma forma diferente.

Há pessoas mais impacientes que outras e, da mesma forma, há sociedades mais impacientes que outras.

Tive o prazer imenso de ser sua aluna, e assistir à uma palestra sobre o valor do amanhã. Giannetti menciona, por exemplo, que na infância nos comportamos diferentemente do que na juventude e na velhice.

Em um experimento com crianças de 4 anos, foi oferecido seu chocolate preferido imediatamente, ou dois chocolates se ela esperasse 20 minutos. A qualquer momento ela poderia tocar o sino e receber apenas um chocolate. O resultado foi que 100 por cento das crianças optaram por comer um antes dos 20 minutos.

Já aos 12 anos, 60 por cento das crianças esperaram os 20 minutos.

Seguindo o estudo ao longo do tempo, perceberam que as crianças de 4 anos que aguentaram por mais tempo antes de tocarem o sino obtiveram melhores notas no ensino fundamental, entraram em maior número na faculdade e se envolveram menos em conflitos familiares ou legais.

Descobriram também que, estatisticamente, crianças que contavam com a presença do pai no seu dia a dia apresentavam índices de paciência melhores.

O pai representa, possivelmente, a entidade responsável por te dizer “não”. Gerando capacidade de lidar com adversidades e restrições. Nas palavras de Giannetti, responsável por criar “musculatura”.

Não sei quanto a vocês, mas eu tive a sorte de ter um pai casca grossa. Respeito era crucial, assim como obediência e disciplina, além claro, de amor. Como ele lidava com as minhas manhas? Eu te pergunto: que manhas? Eu não era nem louca de fazer uma manha. Não havia essa opção. Não tinha espaço para esse MiMiMi da sociedade atual.

Enquanto minha mãe tentava me botar embaixo de suas asas, meu pai me jogava da árvore rapidamente. Estava ele a criar minha musculatura.

A infância é crucial na formação do nosso caráter. Então pais que dão muita molezinha para os filhos, fica o recado: vai faltar musculatura lá na frente!

Na juventude, as coisas mudam. As alterações hormonais aumentam a impulsividade, e isso ocorre principalmente nos homens (sabemos bem disso, não é?).

A impulsividade fazia sentido na época dos primatas. Homens caçavam e tinham que aproveitar a energia para conquistar os desafios da sobrevivência.

 

Na sociedade atual, isso é um problema, e somos chamados a fazer as escolhas mais importantes da vida (profissão, casamento) exatamente nesta fase de alta impulsividade.

Giannetti comenta que não é à toa que mais da metade da população carcerária é composta de homens jovens. Há uma falha na ponderação da paciência.

Além da impulsividade, somos muito otimistas na juventude, e confiamos demasiadamente no futuro.

Isso explica, por exemplo, o uso indiscriminado de drogas, inclusive aquelas com sequelas permanentes. Se houvesse uma racionalização do custo x benefício das drogas, haveriam tantos jovens nessa onda? Certamente não! Ainda mais nos tempos de hoje.

No passado, isso não fazia tanta diferença. Vivíamos menos. Hoje, temos que conviver por muito mais tempo com as consequências dos nossos atos.

Com expectativa de vida de 40 ou 50 anos, o tabagismo não chegava a ter “juros”. Não vivíamos para ver as dificuldades geradas por seu uso indiscriminado. Agora, o cigarro foi banido da convivência social.

O envelhecimento da população e aumento da expectativa de vida está fazendo com que todos nós tenhamos que poupar mais! Poupar mais saúde, mais dinheiro, mais prazeres momentâneos.

Sairá melhor posicionado dessa realidade o ser menos impaciente e impulsivo. E para isso, pais e mães, é preciso musculatura!

Se você é daqueles que não pratica nenhum esporte, também deve ter dificuldade para juntar dinheiro. O valor do amanhã pra você parece pequeno, não é?

Você é daqueles que terá que esperar a chegada dos 75 ou 80 anos, cheios de doenças e dores, com falta de disposição e de dinheiro pra curtir a família de baixo, pra perceber que devia ter se cuidado?

Mas vamos em frente com Giannetti…

Ele diz que na maturidade há um serenamento da impulsividade juvenil, de modo que já somos capazes de ponderar de forma mais neutra. Conseguimos perceber melhor o valor do amanhã.

É, por exemplo, o momento em que prestamos mais atenção no dinheiro e na construção de patrimônio.

Não por outro motivo, 62,5 por cento dos nossos assinantes estão entre 30 e 55 anos.

Sendo que 17 por cento se concentram apenas entre 35 e 39.

Mas, mesmo assim, temos uma grande armadilha que ele chama de “desconto hiperbólico”.

Funciona mais ou menos assim: quando a situação está no futuro distante, você consegue ponderar os prós e contras brilhantemente (utilizando seu cortex pré frontal) e planejar as melhores escolhas. Mas, quando você se aproxima da decisão, seu sistema límbico entra em ação e você sucumbe aos prazeres do agora.

Por exemplo, quantos de vocês já planejaram poupar um dinheiro que iriam receber no futuro? Somos ótimos em poupar um dinheiro que ainda não recebemos…

Mas quando o dinheiro cai na conta, quantos de vocês resistem à tentação de gastar com uma ou outra coisinha?

Difícil, não é?

Faltou musculatura…

Mas, Marilia, o que isso tem a ver com a Renda Fixa?

Oras, tem tudo a ver com o poder da renda fixa na sua vida! A Renda Fixa lida com juros. Lida exatamente com o valor do amanhã. A renda fixa premia quem é mais paciente.

Os juros compostos funcionam como uma pirâmide invertida, onde uma pequena poupança hoje representa um milhão amanhã.

Todo mês que você poupa, adiciona um triângulo crescente no seu patrimônio futuro. Significa uma pequena bola de gelo, que se juntará em uma grande bola de neve patrimonial.

Você, leitor, que controlar a sua cigarra límbica, desfrutará dos prazeres da riqueza.

Se, por exemplo, na sua juventude impulsiva, você optasse por acumular 900 reais por mês, depois de 30 anos (com um juro real de 6,5 por cento) você seria um milionário! Isso já considerando o efeito da inflação.

Como você gostaria de ter pensado nisso antes, não é mesmo? Eu também…

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

O caminho para a independência financeira é o mesmo caminho da saúde. É o das trocas intertemporais, da valoração do amanhã, dos juros, da disciplina e do controle da impulsividade.

Investir em renda fixa é investir em um ativo que seguirá subindo, e rendendo juros sobre juros. E pacientemente te tornará muito rico.

Mas, além disso, como eu disse na coluna anterior, a renda fixa pode pagar também juros muito agressivos.

Se você fizer a mesma simulação dos 900 reais mensais de cima, só que com um juro real dobrado de 13 por cento, você acumula o mesmo milhão em apenas 20 anos!

Conteúdo recomendado