O melhor tipo de investidor

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
O melhor tipo de investidor

Cheguei à Empiricus em janeiro de 2016. Não estava acostumada a conversar com meus clientes de fundos.

As captações dos multimercados geralmente são feitas por meio de um distribuidor com uma área comercial da casa. O distribuidor é geralmente qualificado, e já conhece o funcionamento dos instrumentos existentes no mercado financeiro. Isso faz com que as discussões foquem apenas no cenário macroeconômico e no posicionamento da casa.

Aqui na Empiricus percebi que isso não existia. Nossos clientes geralmente tinham pouco ou às vezes quase nenhum conhecimento sobre os títulos que operávamos. Antes de fazer as recomendações, que era especificamente o meu trabalho, foi preciso gastar muito tempo elaborando materiais didáticos para ensinar e educar financeiramente nossos assinantes.

 

Depois de um ano e meio de casa, meus relatórios contam com mais de 10 videoaulas sobre o mercado de renda fixa, como fazer a gestão da sua carteira e sobre como conferir os preços e a rentabilidade dos seus investimentos.

Esse trabalho me dá muito orgulho, pois não é um conteúdo pago, é grátis para todos os assinantes que procuram as minhas recomendações. Percebi na época que eu não podia fazer uma recomendação sem que o meu interlocutor tivesse uma boa base empírica e, assim, entender o racional por trás da aposta.

Sempre digo que correr riscos no mercado é bom e necessário se você quiser ter uma rentabilidade acima da “taxa livre de risco do governo”. Porém, o mais importante de tudo é o investidor estar 100 por cento ciente dos riscos que corre.

Não dá para investir em um CDB de banco quebrado, por exemplo, achando que está fazendo um investimento conservador.

Também não dá para entrar em uma aposta olhando somente o ganho potencial, e desconsiderando que pode haver uma perda.


Link recomendado

O Conto do FGC


Provavelmente você acredita que seus investimentos em títulos de renda fixa estão 100% seguros, independentemente do banco emissor. Afinal, mesmo em caso de falência dos bancos, o FGC arcaria com o prejuízo de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira.

É aí que mora o perigo.

 
Durante meus dez anos de experiência no mercado financeiro fui treinada sob muita pressão para entender que não se ganha sempre, e que sempre que se faz uma aposta, estamos sujeitos a perdas. Hoje em dia aceito que não vou ganhar sempre, e procuro um racional que me permita ganhar mais que perder.

Mas sem a aceitação da perda, não se aposta. E sem a aposta, não se ganha mais que o “benchmark”.

Ou você coloca todo o seu dinheiro em LFT, e ganha taxa Selic pro resto da vida, ou aceita colocar um percentual do seu patrimônio em risco para talvez ganhar mais que a Selic lá na frente.

Mas para ganhar mais do que perder, é preciso de um método. E, antes disso, para escolher o seu método é preciso conhecimento sobre os diversos produtos existente e como eles funcionam.

Fico impressionada com o número de pessoas que me perguntam se eu recomendo o COE da ação XPTO. Esses investidores ouvem que COE é renda fixa, mas infelizmente não têm a menor informação de que se trata na verdade de uma aposta na ação XPTO, que nada tem a ver com renda fixa.

Investir em produtos aleatórios e riscos aleatórios pode eventualmente, por sorte, dar certo. Mas somente um método consistente fará o seu investimento bater a Selic no médio prazo.

O melhor tipo de investidor é aquele que entende exatamente onde está pisando, e escolhe as apostas vantajosas para fazer. Aquelas com um risco-retorno atraente. Aquelas com maior probabilidade de ganho dado o cenário, ou com ganho agressivo e muito baratas (como as opções).

São inúmeros os testemunhos que recebemos de investidores que revolucionaram suas carteiras apenas com um pouco mais de clareza sobre como funciona cada produto, apenas fugindo das falácias de sempre.

Por acreditar tanto no poder transformador da informação, quanto na importância do investidor saber exatamente onde pisa, e muito estimulada pela visão do Felipe em promover o conhecimento, decidi escrever um livro sobre renda fixa.

O livro, no meu entender, precisava ser honesto e ter como objetivo desvendar os mistérios da renda fixa, começando pela maior falácia do mercado, e já deixando claro desde o início: a renda fixa NÃO é fixa!

Comecei assim logo no título…

Pensei muito em como iria ser a linguagem do livro. Inicialmente, meu ego (vaidoso) considerou escrever um “livro-bíblia”, que poderia ser utilizado inclusive pelos investidores institucionais iniciantes. Me imaginei dez anos atrás, na mesa de derivativos no Itaú Asset, onde comecei minha carreira, tendo um livro como esse recomendado pelo meu chefe. Imagina que legal…

Mas não! Embora a bíblia completa fosse ouro nas mãos dos investidores profissionais, meus assinantes se cansariam no primeiro capítulo.

“Capítulo 1 – A relação inversamente proporcional entre preço unitário e taxa interna de retorno”

Meu Deus, me tire daqui!!!

De jeito algum! A linguagem precisava ser extremamente simples e didática. Tem que ser divertido. Renda fixa já é um assunto que parece ser chato e complicado, discutido apenas por senhores com gel no cabelo, fumadores de cachimbo e apreciadores de “Moby Dick. Se eu engravatar os capítulos, não alcançarei nem uma fração do vasto público que almejo.


Link recomendado

Você precisa conhecer isso.


O Palavra do Estrategista já gerou um potencial de ganho de R$ 343 milhões para seus leitores.

Conheça agora o best seller da Empiricus

 
Quero que todos, sim, TODOS os pequenos investidores pessoa física saibam os riscos e os benefícios dos produtos bancários na hora de sentar na mesa com o gerente do banco.

Quero que todos os pequenos investidores pessoa física saibam os riscos e os benefícios dos títulos privados quando se depararem com eles nas plataformas de suas corretoras.

Quero que todos os pequenos investidores pessoa física saibam qual título comprar quando se cadastrarem no Tesouro Direto.

Mais que isso, quero que todos entendam renda fixa em alto nível, para que discutam comigo minhas recomendações! Isso seria meu grande sonho. Chegar em uma monitoria do Tesouro Empiricus e discutir de igual para igual sobre queda de juros, Copom, inflação implícita, prêmios da curva de juros…

Certamente vamos chegar lá! Estipulei o limite de um ano para que todos os meus assinantes se tornem potenciais conselheiros de investimento. Quero impactar você, para você impactar toda a sua família e amigos. Me preparo cada dia mais, todo mês faço um material novo e melhor.

E esse livro, modéstia à parte, é o melhor material que já produzi.

O livro explica, em linguagem fácil e para iniciantes, os principais produtos de renda fixa, incluindo títulos públicos, CDBs, poupança, LCI, LCA, debêntures, CRIs e CRAs.

Além disso, explica no que você deve se atentar em cada um desses produtos. O que os diferencia. O que os une.

Explico quando devemos usar cada um deles, dadas suas características únicas.

Explico também como ganhar 50% com títulos do governo em apenas 1 ano. Sim! É totalmente possível, e está lá.

Incluí também três casos de estudo em que descrevo para o leitor a aplicação, o contexto, o seu desenrolar ao longo do tempo e qual foi o erro (ou acerto) do investidor na época. Isso serve para que você compreenda melhor as falácias do mercado.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Se você quer saber como funciona a renda fixa, não domina o assunto completamente, ou acha que é complicado demais, então esse livro foi feito especialmente para você.

Quero torná-lo o melhor tipo de investidor: o que sabe! O que entende!

Então esqueça todos os preconceitos que você tinha até agora, pois a renda fixa NÃO é fixa!

Em breve no seu e-mail!

Conteúdo recomendado