O dia em que superamos a Kéfera

Os bastidores do livro que levou 15 gestores de ações a 10 mil investidores em dois dias

O dia em que superamos a Kéfera

A cena era a biblioteca da Dynamo no Rio. O Cristo Redentor, ao longe no horizonte, testemunhava a cena. Eu perguntava, e o trio de gestores de ações mais admirados do país – Lula, Pedro e Bruno – respondia. Sentia o peso da responsabilidade: tentar captar um pouco que fosse da fórmula de fazer dinheiro na Bolsa e, depois, traduzir à pessoa física.

Enquanto meus neurônios se esforçavam para cumprir aquela tarefa, um filme rodava no pano de fundo: a cena era minha casa, em Diamantina, meados da década de 80. Minha mãe colava enormes tiras de cartolinas em todos os objetos: sofá, geladeira, fogão, porta, televisão… E assim ignorava as lições da Casa Cláudia recém-chegada.

Minha mãe tinha uma meta, e ninguém lhe impediria de atingi-la: me ensinar a ler. Hoje ela se gaba de que eu lia jornal com quatro anos e meio (o que é, obviamente, uma mentira). Como ela vai se sentir quando souber que esses grandes investidores confiaram a mim suas histórias e que, com elas, escrevi um livro? Opa, melhor prestar atenção na entrevista.

O livro mais importante que você lerá neste ano

Felipe Miranda, fundador da Empiricus, se encarregou do prefácio e foi enfático: “A Luciana Seabra escreveu simplesmente o livro do ano”.

Você terá acesso gratuito às técnicas dos maiores gestores de ações brasileiros para multiplicar seus lucros na Bolsa.

RESERVE SEU EXEMPLAR GRATUITO

As cartolinas voltaram à minha mente quando, semanas depois da Dynamo, o superdiscreto Zeca, da Tarpon, atendia prontamente a um pedido do Felipe para me receber e colaborar no plano de contribuir para o mercado de capitais brasileiro.

De forma apaixonada e brilhante, Zeca explicava a importância de escolher empresas que tenham um propósito, além de como isso se aplica à maior posição do fundo, a BRF. Enfeitiçada por aquela história, fiquei muda depois de uma resposta dele, como raramente me acontece e disse somente: ‘Que bonito, Zeca…’.

Propósito certamente era o que tinha minha mãe com suas cartolinas. E também o que ela tinha anos depois quando, temerosa de que eu me tornasse uma esquisita, passou a racionar a hora da leitura: uma hora brincando na rua dava direito a 15 páginas.

Sim, ela escondia os livros. Polêmico? Me lembro dos propósitos firmes da minha mãe e penso que daí veio minha teimosia. Nós também temos um propósito, Zeca: fazer a pessoa física, hoje em produtos péssimos e extorsivos, investir bem. E assim realizar todos os seus sonhos.

Quais são as nossas armas? Um livro, um relatório, uma campanha forte, cartolinas? O Beto (Altenhofen) diria que uma opção é distribuir panfletos pelado no Itaim.

Como é difícil chamar atenção para o que realmente é importante e necessário no mundo dos youtubers frenéticos e desbocados, com seus milhões de seguidores. Kéfera, desculpa, a semana é dos investimentos. Uma matéria do Uol me diz que você vendeu 10 mil livros em uma semana. Nós recebemos 7 mil encomendas só na segunda e batemos 11 mil na terça (nossa meta agora é desbancar o Harry Potter).

“7.015 livros”, me escreveu o Felipe às 21h26 da segunda-feira. Faltou melatonina ao nosso estrategista-chefe, feliz com a realização do que me disse ser um sonho, logo que pisei na Empiricus: levar à pessoa física os conhecimentos dos gestores com os quais ele tanto aprendeu. Já tinha até nome: Conversas com gestores de ações brasileiros.

Quando vim trabalhar em um lugar onde o estrategista-chefe vai de Clarice a Taleb no mesmo parágrafo e chama projetos de sonhos, achei que tinha encontrado meu lugar no mundo. Quando ele disse que queria o livro até o fim do ano, achei que ele era doido. Talvez seja um pouco mesmo…

Lembrei do Felipe quando o Leo, o reconhecido gestor da SPX, frente à mais bela paisagem carioca me disse que aprendeu uma coisa na vida: cerque-se de pessoas boas, que gostem do que estão fazendo, que acreditem nas mesmas coisas que você. “Isso é essencial, Luciana”. Sei muito bem, Leo.

Ouvi três vezes um pedaço da entrevista gravada em que o Leo elogiava nosso trabalho de orientar a pessoa física. Não foi para o livro, mas não resisti em mostrar para o Felipe. “Vocês têm uma chamada muito agressiva, eu entendo, você quer chamar minha atenção, fico toda vez com vontade de clicar… Cara, é um poder aquilo que vocês têm… Mas o que eu achei bacana é que tem conhecimento, tem aprendizado, as pessoas saem com mais conhecimento financeiro e não com os conhecimentos errados”.

Deu vontade de abraçar. Sim, Leo, esse é o propósito.

Para Enriquecer com Renda Fixa Agora

Você deve ter visto: enquanto o Senado concluiu a votação de 1º turno da PEC do teto de gastos, o Copom reduziu a taxa Selic para 13,75 por cento.

Cada um fazendo a sua parte para trazer de volta o crescimento econômico.

Só falta você fazer a sua, aproveitando A Oportunidade da Década na Renda Fixa.

Esta chance única não vai durar muito tempo, por isso pedimos que leia este conteúdo .

Ele será de fundamental importância para o seu futuro financeiro.

QUERO ENRIQUECER COM RENDA FIXA


Não vou resistir a entregar o Cota Cheia ao incrível time de gestores de fundos de ações que topou participar do nosso livro em prol de um mercado de capitais melhor. A pessoa física precisa de informação.

André, Brasil Capital; Bruno, Luiz e Pedro,Dynamo; Dório, Opportunity; Fabio, Fama; Flavio, Bogari; Guilherme, Teorema; Florian, Constellation; Zitelmann, BTG; Zeca,Tarpon; Leivi e Sérgio, Vinci; Leo, SPX.

Já começamos a distribuir os 10 mil livros encomendados. Em breve, como em um passe de mágicas, vocês vão estar na mesa de cabeceira do investidor. Não vou me cansar de dizer: muito obrigada pela generosidade e pela confiança no nosso trabalho.

 


Quando um gestor erra? Quando promete uma coisa e faz outra. Em meio a suas pesquisas para a consultoria financeira, o Waltinho se deparou com um exemplar legítimo dessa falha: um fundo do Itaú chamado Super Premium.

O que diz o site do banco? O Super Premium investe no mínimo 80 por cento da carteira em títulos públicos federais e/ou ativos com baixo risco de crédito de mercado, preponderantemente prefixados. E o que faz o fundo? Claramente evita ficar prefixado.

Se você nos acompanha há um tempo, sabe que títulos prefixados são bem diferentes dos pós-fixados. Eles não são comportados, mas oscilam bastante, ao sabor das perspectivas para os juros.

Os títulos que deveriam rechear esses fundos, as LTNs, ganham em momentos de queda dos juros e perdem nos ciclos de alta. No longo prazo, batem o CDI.Levantei no sistema Quantum Axis uma comparação entre o fundo do Itaú e o IRF-M, um índice da Anbima que reflete as variações de uma cesta de títulos prefixados.

Veja abaixo. A cesta de LTNs é a linha vermelha. A linha verde é o CDI. Com quem o fundo do Itaú, a linha azul, mais se parece,? Com o CDI, não?

Desde que foi criado, em 2005, o fundo do Itaú rende 210 por cento, abaixo dos 226 por cento do CDI. E, por não fazer o que promete ao investidor, o produto está muito atrás da cesta de títulos prefixados, com valorização de 268 por cento no período.

E, para piorar, foi bem difícil acessar a carteira do fundo do Itaú, que parece uma cebola. O Super Premium investe no Itaú Francês (de onde vem esse nome?), que aplica, entre outros, no Itaú Fidelidade…

 

O que nos move

Quero muito que você leia este livro (e quero tentar de tudo antes de aderir à sugestão do Beto). Faz parte da nossa missão fazê-lo chegar até você. Vou compartilhar alguns dos comentários que já tenho recebido dos leitores para que você se anime.

Ontem terminei o primeiro capítulo da Brasil Capital com os ensinamentos do André Ribeiro. Tive que me conter para não continuar a leitura indo para o segundo capítulo. O texto está espetacular. Leitura leve, mas em todas as linhas apresenta uma perspicácia impar. Suas perguntas muito bem elaboradas de acordo com o desenrolar da conversa e com explicações de jargões de finanças nos pontos chaves, muito bom! O André deu uma aula de estratégia, fiquei muito surpreso com sua generosidade em explicar a forma de atuar, com certeza será matéria obrigatória nos bancos escolares. (…) Te confesso que estou surpreso com o material, esperava ser bom, mas superou muito minhas expectativas. Estou louco para continuar a leitura! Romulo C.

 

Passando apenas para te parabenizar pelo excelente trabalho com o livro Conversas com Gestores ! Confesso que cheguei a me emocionar lendo o prefácio do Felipe Miranda, de verdade. Me identifico muito com a opinião dele, inclusive a seu respeito. A diferença é que, no meu caso, ele próprio se tornou uma dessas grandes referências, que fazem com que eu aprimore meus conhecimentos sobre finanças e cresça intelectualmente. Apesar de não ter um contato físico/pessoal com vocês e da assimetria informacional existente nesse tipo de “relação”, sinto uma grande empatia por vocês e sou grato à Empiricus por nos proporcionar isso. Um dos motivos de eu te passar esse feedback, é para reforçar que de fato você está tendo êxito no seu objetivo, de popularizar informação de qualidade a respeito de economia/finanças”. Jorge L.

 

E, já que estamos em um momento depoimento, mais dois feedbacks bonitos que recebemos:

Muito obrigado, realmente tenho mudado muito meu relacionamento com meu dinheiro após começar a estudar e conhecer esse mundo que há algumas semanas não conhecia. Sei o quanto ralo no meu trabalho e aqui sei que vou conseguir fazer meu capital render e me trazer bons frutos lá na frente. Sem dúvidas, assinar a Empiricus foi um dos meus melhores investimentos que fiz nesse ano! Everton H.

 

Parabenizo vocês pelos excelentes serviços prestados para a sociedade brasileira. Digo isso, não pelas recomendações financeiras, que são ótimas, mas por proporcionar uma reflexão sobre investimentos no Brasil. Essas informações fazem com que todos parem para refletir, sobre a sua atual situação financeira e como estão perdendo dinheiro e qualidade de vida no futuro com investimentos mal remunerados. Parabéns a todos da Empiricus. Michel S.

 

Obrigada, Romulo, Jorge, Everton, Michel, trabalhamos todos os dias para vocês.

O primeiro contato

Cada um tem suas formas de atingir seus propósitos. Meu irmão pagava para minha sobrinha por página de livro lida. Eu achava um absurdo, dizia que ler tem que ser por prazer. Hoje ela é a leitora mais inveterada que eu conheço. E não ganha nada por isso.

Acho que investimentos é meio assim. Você pode até começar meio obrigado, só porque precisa cuidar do dinheiro, porque foi atraído pela expectativa de grandes retornos. De repente, está apaixonado.

Certo, esta newsletter ficou meio piegas. Você me perdoa, não é todo dia que se escreve um livro, né? De volta aos trabalhos. Não exagere, hein? Uma hora de mesa de bar ou Netflix dá direito a 15 páginas do livro.

Links Recomendados

:. Desvendando o economês

:. S01E05 – Cegos, Surdos e Loucos

:. S01E02 – Você imagina quanto dinheiro está perdendo?

 

Analistas responsáveis: Felipe Miranda, CNPI, e Walter Poladian, CFP®.

Conteúdo relacionado