Aquilo que todo investidor deve ter em carteira

Diga-me, ou prefira ficar calado se quiser, já que a passividade é sempre um direito. Você quer um ganho maior do que a poupança? Quer […]

Aquilo que todo investidor deve ter em carteira

Diga-me, ou prefira ficar calado se quiser, já que a passividade é sempre um direito.

Você quer um ganho maior do que a poupança?

Quer ter um rendimento acima do CDI?

Sua carteira de ações pretende bater o Ibovespa?

Todos nós, elementos de um conjunto, competimos diariamente contra os nossos benchmarks.

Poupança, CDI, Ibovespa – benchmarks são o taxímetro rodando, o superego refletido no espelho. São retornos dos quais abdicamos em nome da vaidade própria.

Preciso de um motivo para levantar da cama a cada manhã, para lavar a cara e botar o pé esquerdo na rua.

Esse motivo não é a poupança, não é o CDI ou o Ibovespa. Deve ser algo mais, algo melhor do que a média, que remeta ao destaque individual.

Então costumamos pensar que o inferno são os outros, que esta vida investidora é a batalha eterna entre nós e os benchmarks.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

E é mesmo.

Porém, como em toda batalha, às vezes precisamos lutar ao lado dos nossos inimigos para poder vencê-los lá na frente.

Eventualmente, devemos unir forças com os nossos antagonistas.

Aquele mesmo benchmark que é seu concorrente eterno em longo prazo pode ser também outra coisa em curto prazo, a saber:

Onde você coloca seu dinheiro quando não existem oportunidades óbvias?

Em um contexto de escassez de ideias, investidores bitolados com o maniqueísmo teimarão em buscar oportunidades não óbvias, que provavelmente implicarão prejuízos…

… quando o melhor a fazer era simplesmente casar – mesmo que temporariamente – com algum benchmark.

Em particular, tenho para mim que todo investidor deve possuir uma parcela de CDI e de BOVA11 na carteira, seja em tempos de guerra ou em tempos de paz.

Na guerra, eles nos lembram da ameaça dos nossos combatentes, do quanto temos que fazer para fazer a mais.

Na paz, nós dois – eu e o mercado – nos tornamos um só corpo, dobrando os nossos salários.

Silly games that you were playing, empty words we both were saying.

Let’s work it out boy, let’s work it out.