Comece a investir com a fórmula do 80/20

A única desculpa que eu entendo para não investir é dívida, saldo no vermelho. Se a pessoa está endividada, acho mais racional resolver essa questão […]

Compartilhe:
Comece a investir com a fórmula do 80/20

A única desculpa que eu entendo para não investir é dívida, saldo no vermelho.

Se a pessoa está endividada, acho mais racional resolver essa questão primeiro e só depois pensar em investir.

Antes de continuarmos, aliás, cabe uma breve digressão:

Aqui na Empiricus, usamos sempre a expressão “mais racional” no sentido de aquilo que aumenta suas chances de sobrevivência em longo prazo.

Sob essa ótica, certa dose de paranoia financeira (comprar ouro, ou ter um largo colchão de liquidez em DI mesmo quando a Selic está baixa) pode ser perfeitamente racional se isso erradicar suas chances de falência.

Nossas referências cotidianas à racionalidade não devem ser em nada confundidas com o cânone teórico do homo economicus que está sempre otimizando escolhas de custo-benefício e risco-retorno.

Pois bem, se você (i) não está nocivamente endividado e (ii) se interessa por estratégias financeiras “mais racionais”, apresento-lhe agora um mapa simples para começar, evitando o comodismo das desculpas inventadas.

Primeiro, tente organizar sua renda mensal de forma a gastar no máximo 80% com produtos e serviços, guardando os outros 20% para investir.

Talvez você esteja ainda longe dessa alocação 80/20, gastando rigorosamente 100% do que ganha.

Se for esse o caso, combine consigo mesmo um período de três meses de adaptação para chegar no 90/10, e outros três meses subsequentes para cravar o 80/20.

Não custa lembrar que essa proporção de 80/20 é uma referência mínima na escala de salubridade financeira.

À medida que aperfeiçoamos nossos controles e expandimos nossas fontes de renda, devemos mirar proporções mais construtivas de 70/30 e 60/40.
Passo a passo, indo nessa direção de menos gastos versus mais renda disponível para investir, eventualmente alcançaremos a fronteira de 50/50, a partir da qual entramos num looping poderoso de retroalimentação da riqueza.

Ok, agora você já sabe QUANTO investir ao longo do tempo. Resta apenas descobrir também ONDE colocar seu dinheiro.

Há formas bem detalhadas de responder a essa pergunta. Oferecemos várias séries de assinaturas que abordam estratégias com múltiplas classes de ativos.

Em especial, a Carteira Empiricus e o Programa de Riqueza Permanente® detalham cada pedacinho ótimo da alocação para o momento e para o longo prazo, respectivamente.

Nesta terça-feira, inclusive, abre-se uma janela de oportunidade por meio da qual você pode acessar tanto a Carteira quanto o PRP® pagando apenas a assinatura de um deles.

São duas séries com alocações detalhadas, para o curto e longo prazos, pelo preço de uma só.

Ou também, se preferir, você pode começar de modo muito mais simples, mesmo antes de acessar qualquer uma de nossas assinaturas.

Basta colocar ⅓ em tesouro direto, ⅓ em ações e ⅓ em fundos imobiliários.

Esses são os três pilares de aplicação para um investidor típico; seus três pontos de partida.

A partir desses três pilares básicos, você aprenderá mais sobre o mercado e terá totais condições de afunilar melhor suas próprias preferências.

As minhas preferências pessoais valorizam estratégias para Viver de Renda.

Fique sempre à vontade para decidir se isso faz sentido para você também.

Quero pegar a Carteira e o PRP® pelo preço de um só