Como investir com o capital protegido

Aprenda a identificar se vale a pena investir em um Certificado de Operações Estruturadas (COE)

Como investir com o capital protegido

Caro Leitor,

Hoje vou falar sobre um produto financeiro que tem como principal característica viabilizar o investimento em ações (e outros ativos), sem o risco de perder o dinheiro aplicado.

Mas já digo que não vou falar de mágica. Não existe mágica no mercado financeiro e não adianta pensar em ganhar dinheiro fácil e rápido.

Quem defende isso certamente está escondendo algo. Por isso sempre sugerimos aos leitores da Empiricus e do Criando Riqueza estratégias de ganhos consistentes e conscientes para a construção de um patrimônio sólido. É por isso também que repudiamos quem fala de operações de curtíssimo prazo como se fossem mais simples e seguras do que realmente são.

Nesta manhã mesmo comentamos aqui no escritório sobre uma reportagem de hoje que falava de day trade (compra e venda no mesmo dia). O texto citava essas operações em tom elogioso, sem apontar os riscos. Essa é a forma mais rápida de quebrar o investidor, diz o Felipe Miranda, nosso estrategista-chefe, sempre que os leitores perguntam sobre day trade.

E precisamos acrescentar que tais operações são mais interessantes para as corretoras de valores, que ganham corretagem, do que para o investidor. Se nem Warren Buffett consegue fazer market timing, não vamos nos iludir.

Vamos agora ao tema do dia:

O Certificado de Operações Estruturadas (COE) é um ativo relativamente novo, mas já virou moda entre os produtos ofertados por bancos e corretoras. Recebi diversos e-mails solicitando que eu escrevesse sobre este tema, o que demonstra a ascensão do produto no mercado.

Mesmo que o seu gerente tenha dito que é uma boa opção, é de extrema importância entender o funcionamento desta modalidade de investimento. Assim, dedicarei esta newsletter para explicar o funcionamento de um COE, visando ajudá-lo em sua tomada de decisão. Para que você saiba se vale ou não vale a pena aplicar seu dinheiro.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

No serviço de consultoria personalizada que realizo pela Empiricus, recebi vários investidores que estão no segmento de alta renda do seus bancos e têm COE em sua carteira. No entanto, a maioria não conseguia entender exatamente qual seria a sua remuneração e o que aconteceria se precisasse do dinheiro antes do investimento.

Parafraseando o megainvestidor Warren Buffett, “nunca invista em algo que você não entende”.

Minha dica para quem deseja começar a cuidar já do seu patrimônio (e da melhor forma possível) é participar do maior e mais completo curso do mercado financeiro. Nas próximas horas serão preenchidas as últimas vagas para o curso Investidor Essencial, capitaneado pelo Felipe Miranda.

O Legado Empiricus

Disponibilizamos 150 vagas adicionais para que você participe do programa de Formação de Investidores da Empiricus.

Conheça os detalhes

 

O que é o COE?

É um instrumento financeiro inovador e flexível, que mescla elementos de Renda Fixa e Renda Variável.

Traz ainda o diferencial de ser estruturado com base em cenários de ganhos e perdas construídos de acordo com o perfil de cada investidor.

Em uma só aplicação, o COE proporciona diversificação e acesso a novos mercados. Para o investidor, fica mais fácil acompanhar o desempenho, pois o COE já vem montado como um único instrumento, o que significa também uma única tributação. Os custos possivelmente seriam maiores caso você direcionasse seus recursos a vários ativos separadamente.

Quem emite os COEs são bancos, mas eles são registrados na Cetip, que está autorizada e preparada para fazer também o depósito e a liquidação do COE.

Tem vencimento, valor mínimo de aporte, indexador e cenário de ganhos.

Suitability:

Ao emitir um COE, o banco deve observar as regras de suitability, ou seja, fazer uma análise do “apetite” ao risco de cada cliente e checar se é adequado ao seu perfil e ao seu entendimento.

Modalidades de COEs:

• Valor Nominal Protegido: com garantia do valor principal investido

Indicada para investidores mais conservadores, pois tem a possibilidade de acessar mercados com maior risco e alcançar uma remuneração diferenciada, com garantia do valor principal investido.

• Valor Nominal em Risco: quando há possibilidade de perda até o limite do capital investido

Nesta modalidade, investidores mais arrojados têm a oportunidade de investir em operações com algum grau de risco, porém com estratégias e cenários mais nítidos, que teriam dificuldade de construir sozinhos.

Composição dos COEs:

O COE pode ser atrelado às seguintes classes de ativo subjacente: Ações Nacionais, Ações Internacionais, Índices, Índices Internacionais, Commodities e Taxas de Câmbio.

Tributação:

Imposto de renda (IR) sobre o lucro conforme o prazo da aplicação, semelhante à aplicada nos títulos de renda fixa.

crprivate-030216-02

Desvantagens:

Por ter vencimento fixo, o COE não oferece liquidez para quem precisa do recurso em uma emergência.

O emissor pode oferecer regaste antecipado sujeito à marcação a mercado e, portanto, sem garantia do principal investido.

Não possui a garantia do FGC – Risco de crédito do banco emissor.

Exemplo de estrutura:

Existem diversos tipos de estruturas, mas a mais comum e mais simples que tenho visto no mercado é o investimento em bolsa com capital protegido.

O comprador da estrutura ganha proporcionalmente com a alta do preço do ativo, sem limites. Em uma eventual queda do preço do ativo o investidor não é prejudicado, recebendo o percentual do capital protegido contratado.

Por exemplo, compra de ações da Vale com capital protegido.

Do valor aplicado, a maior parte é alocada em ativos de renda fixa (ex: tesouro selic) e uma menor parte direcionada à operações com derivativos (ex: opções de VALE5).

Cenários no vencimento:

  • caso VALE5 tenha se valorizado, o investidor receberá um valor proporcional à rentabilidade, combinado no momento da contratação do COE
  • caso VALE5 tenha se desvalorizado, o banco usa os rendimentos da renda fixa para devolver o capital aplicado ao investidor

crprivate-030216-03
Gráfico ilustrativo da operação – Fonte: Cetip

O diferencial do COE frente aos fundos de capital protegido é ter flexibilidade para negociar regras (ativo subjacente e cenários de ganho).

Podem haver diferentes tipos de cenários, como ganho na queda do preço de um ativo, ganho em intervalo de preços, ganho atrelado a dois indexadores diferentes (ex: prefixado ou IPCA), entre outros…

A vantagem para o banco na emissão do COE é o ganho de um “spread” (diferença entre taxas de captação e retorno) geralmente mais alto que de uma captação tradicional (ex: CDB).

Por isso, o gerente do banco pode tentar te convencer em aplicar em um COE, em vez de investir diretamente no Tesouro, com o argumento de que não há custos de taxas de administração e custódia no certificado. Mas sabemos que ninguém trabalha de graça, principalmente os bancos.

Não estou dizendo que isso é ruim ou é bom. Estou dizendo apenas que o investidor deve compreender exatamente seu leque de possíveis resultados com a operação.

Lembre que a garantia de ter o capital protegido pode parecer o negócio perfeito em um primeiro momento, mas na nossa atual situação econômica, se o resultado da operação não sair como esperado, você estará deixando de ganhar juros de 14,25% ao ano e terá o poder de compra do seu dinheiro corroído pela inflação (prevista em cerca de 10% para 2016 por nossos analistas).

Portanto, caso opte pelo investimento em um COE faça com uma parcela da carteira, utilize como um instrumento de diversificação e não coloque um valor que poderá precisar no curto prazo.

Aproveito esta newsletter para informar que o nosso relatório mensal Você Investidor, que será disponibilizado na sexta-feira, está imperdível.

Nele, escrevo sobre as formas de investir em Ouro e o Gabriel Casonato, analista da Empiricus, ensina uma forma diferente de ganhar com a alta do dólar, investindo em ações nos Estados Unidos. O André Zara traz indicações para empreendedores que querem saber sobre boas franquias no Brasil.

Se você ainda não é assinante, aproveite a oportunidade de ter acesso à este relatório por um preço especial clicando aqui.

E aproveite para assistir às aulas do curso Investimentos para Leigos, que estão disponíveis no plano.

Um abraço e bons investimentos!

Walter

Conteúdo relacionado