Como montar uma operação de Long & Short

Aprenda a alugar uma ação e os outros passos necessários para montar uma estratégia de Long & Short em sua corretora

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Como montar uma operação de Long & Short

Caro leitor,

Embora o investimento em ações não seja exatamente o foco do Criando Riqueza, você deve ter observado que eu escrevi sobre esse assunto com mais frequência nos últimos meses.

A razão da minha escolha é simples: estou em contato diário com esse mercado e não quis deixar de explicar a vocês sobre as oportunidades que temos visto com alguns tipos de operações.

É importante que nossos leitores comecem a se familiarizar com o mercado e, aos poucos, a aprender sobre as diferentes formas de investir. Essa é a minha proposta de hoje.

Passado o fim de semana de votação do impeachment na Câmara, temos dois cenários possíveis à frente.

Em um desses cenários, a oposição sairia vencedora no processo de impedimento da presidente. Como isso é visto como uma condição necessária para a adoção de uma política econômica mais amigável ao mercado, o ambiente seria favorável para Bolsa, câmbio e juros.

No cenário contrário, em que a situação sairia vencedora, é de se esperar a continuidade da atual política econômica e a desvalorização dos chamados “ativos de risco”.

Sabemos que essa enorme incerteza faz com que nossos leitores se sintam em em uma encruzilhada.

O objetivo desta newsletter é mostrar uma alternativa de investimento em ações voltada para este cenário de volatilidade e incerteza, não dependendo para que lado a bolsa vai.

No relatório mensal de abril eu ensino como mexer no home broker, plataforma de investimentos em ações nas corretoras de valores. Clique aqui para assinar e ter acesso aos nossos relatórios e cursos.

 

Long & Short

Recebemos perguntas sobre como realizar uma operação de Long & Short, então hoje vou explicar o passo a passo para montagem.

Para quem ainda não conhece essa estratégia, vou explicar:

– O investidor busca retornos pela diferença de performances entre duas ações. Ele espera que a ponta comprada (chamada de “long”) tenha oscilações em seus preços mais favoráveis do que a ponta vendida (chamada de “short”). O interessante nesse investimento é que ele independe da direção da bolsa

Possíveis cenários de resultados com lucro:

a) As duas ações se valorizaram, mas a posição long se valorizou mais;

b) As duas ações se desvalorizaram, mas a posição long se desvalorizou menos; ou

c) A posição long se valorizou enquanto a short se desvalorizou.

Montando a operação

Você deverá comprar uma ação e vender outra.

Você deve estar se perguntando: “Como eu posso vender uma ação sem possuí-la?”.

Resposta: alugando as ações de outro investidor.

Para isso é necessário que haja uma contraparte (pessoa física, fundo, clubes de investimento) que tenha essas ações em custódia e não pretenda vender no curto prazo. Assim, ela as dispõe para aluguel e recebe uma taxa de retorno pelo empréstimo. Essa taxa é anual, pro rata ao período do contrato e acertada no início. Esse investidor é chamado de DOADOR do aluguel.

Já o investidor que pretende pegar emprestado as ações para vendê-las é chamado de TOMADOR. Ele deverá entrar em contato com sua corretora para verificar a disponibilidade dos papéis para aluguel. Algumas corretoras até já oferecem essa ferramenta no home broker.

Esse sistema de Empréstimo de Ativos, chamado BTC, é seguro e controlado pela BM&FBovespa.

O tomador irá escolher a oferta doadora que melhor atenda às suas necessidades (quantidade de papéis, taxa, prazo e modalidade). E precisará deixar um valor em dinheiro ou em ativos que ficará bloqueado na corretora, como garantia do contrato de aluguel, até que liquide a operação.

Margem de garantia do aluguel

Quando você toma um aluguel, a Bolsa (BM&FBovespa) exige que você deposite uma margem de garantia na corretora, para garantir que você tenha condições de recomprar o papel e devolvê-lo ao doador.

A margem solicitada será do valor da posição alugada (preço médio papel x quantidade) + um valor adicional que depende do risco (volatilidade) da empresa, chamado de “intervalo de margem”.

Quanto maior o risco do ativo, maior será o valor adicional a ser colocado em garantia que ficará bloqueado até a devolução do aluguel.

Por exemplo, para as ações do Itaú (ITUB4), que possuem volatilidade baixa, é exigido apenas o valor adicional de 20% do valor total. E para a Gol (GOLL4), 70%.

Você pode checar esses intervalos no site da CBLC (veja aqui) ou em sua corretora:

Portanto, caso você queira alugar 100 ITUB4, precisará deixar em garantia aproximadamente R$ 32,40 (preço atual da ação) x 100 (quantidade) x 1,20 (intervalo de margem) = R$ 3.888,00.

Você pode utilizar como garantia dinheiro, títulos públicos (tesouro direto), CDBs ou Fundos DI de liquidez diária (se autorizados pela corretora) ou ações.

Se você já possuir esses ativos na corretora, que cubram o valor da operação, perfeito. Você poderá montá-la sem precisar colocar novo dinheiro, pois utilizará o valor que recebeu da venda da posição short, para compra da posição long.

É comum o investidor colocar a posição long como garantia da posição short.

No caso de utilizar ações como garantia, deve-se verificar se o papel é autorizado pela bolsa para isso e há também um deságio (depreciação) aplicado ao valor do ativo.

Ações autorizadas: veja aqui.

O deságio no papel colocado em garantia funciona de forma contrária à margem solicitada para aluguel do ativo.

Por exemplo, caso você queira colocar 100 ITUB4 que possui em garantia, o valor correspondente será R$ 32,92 (preço atual da ação) x 100 (quantidade) x 0,80 (100%-20%) = R$ 2.592,00.

Modalidades de contratos de aluguel de ações

Reversível ao Tomador: é o mais comum. Permite que o tomador encerre o contrato a qualquer momento. Basta ter o ativo liquidado em custódia para devolvê-lo ao doador e assim encerrar o contrato.

Reversível ao Doador: o doador pode encerrar o contrato a qualquer momento. Se o doador solicitar as ações de volta, a corretora informa ao tomador que terá 4 dias úteis para devolver as ações. O tomador pode procurar outro doador e trocar o contrato ou recomprar as ações para devolvê-las.

Vencimento Fixo: não é reversível ao tomador nem ao doador. As duas partes permanecem com o contrato vigente até o vencimento preestabelecido.

Custos do aluguel

Além da taxa oferecida pelo doador, a corretora poderá cobrar uma taxa pela intermediação da operação, tanto do doador como do tomador. Essa taxa pode variar entre as corretoras. Algumas acrescentam sua comissão à taxa do doador e do tomador.

Exemplo: o doador coloca seu papel para alugar a uma taxa de 2% ao ano; a corretora coloca no mercado a 3% ao ano (comissão de 1%). O tomador (se for da mesma corretora) pagará 4% ao ano, pois terá o acréscimo de 1% ao ano da comissão da corretora.

A taxa anual é cobrada pro rata (proporcional) à duração do aluguel.

Alugando ações pelo Home Broker

Algumas corretoras já oferecem em seu Home Broker a opção de você alugar ações como tomador ou doador, além de checar em tempo real as ofertas e taxas disponíveis no momento.

Como pode ser visto na imagem abaixo, em que procuro ofertas doadoras de 100 ITUB4.

Se sua intenção é vender a posição short também pelo HB, é importante verificar antes com o atendimento da corretora se existe uma boleta especial a ser utilizada para essa operação.

Caso sua corretora não ofereça essa ferramenta no Home Broker, você deverá realizar a operação pela Mesa de Operações, por meio de ligação telefônica.

Dica: solicite ao operador da mesa que a corretagem seja a mesma cobrada em operações feitas pelo HB, uma vez que não é possível realizá-la pela plataformaon-line.

Você pode checar também as taxas médias dos últimos aluguéis registrados de cada ativo no sistema BTC, por meio deste link.

Resumindo o passo a passo para realizar o seu Long & Short

1 – Definição da estratégia: qual ativo comprar e qual vender.

Recomendo o relatório Empiricus Long & Short, no qual o analista Max Bohm faz as recomendações, informando (por e-mail e SMS) quando entrar e sair da operação. O histórico de desempenho (track record) das operações sugeridas nessa série é espetacular. De 13 trades encerrados, 12 foram com lucro!

Na área exclusiva para assinantes Você Investidor, localizada ao fim destanewsletter, indicarei duas operações de L&S escolhidas pelo Max.

2 – Defina o tamanho da operação (valor que pretende negociar e as respectivas quantidades de ações), tendo em mente prováveis ganhos e perdas.

3 – Verificar a oferta e taxa do aluguel em sua corretora, por meio da mesa de operações ou pelo Home Broker (se existir essa ferramenta na plataforma).

4 – Verificar qual ativo você colocará em garantia.

5 – Vender a posição short e comprar a posição long.

6 – Para encerrar a operação, você deve vender a posição long e comprar a short.

7 – Após a liquidação da compra da posição short, em D+3 (3 dias úteis após a compra), você deve solicitar a devolução do aluguel na corretora.

Importante:

Lembre-se de que esse tipo de operação envolve ativos de renda variável e por isso possui riscos. Caso opte por montar um Long & Short, dedique apenas uma parcela de seu portfólio para esse investimento. Mantenha hoje a maior parte de sua carteira em renda fixa. Com o juro alto que temos no Brasil (Selic a 14,25% ao ano), é possível obter bons retornos em ativos conservadores, sem correr tantos riscos.

 

CLIQUE PARA TER ACESSO AO CONTEÚDO

 

Exclusivo Assinantes PRO

 

1 – Operação de L&S recomendada 1

2 – Operação de L&S recomendada 2

3 – Pergunta: Adquiri o mesmo título do tesouro mais de uma vez e com taxas diferentes. Há diferença em vender o título com taxa mais baixa?

 

Ficou com dúvidas sobre o assunto de hoje? Envie para meu e-mail walter.poladian@criandoriqueza.com.br que irei selecionar algumas para responder em futuras newsletters.

Um abraço e bons investimentos!

Walter

Conteúdo recomendado