Previdência x Tesouro

Aprenda a avaliar qual investimento é melhor para você, Previdência Privada ou Tesouro Direto, levando em conta a rentabilidade, tributação e vantagens de cada produto. E como melhorar uma previdência que já possua.

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Previdência x Tesouro

:. Pesagem

:. Round 1: Rentabilidade

:. Round 2: Tributação

:. Round 3: Jab e direto

:. Round 4: Suplemento

:. Dia de Copom: qual título comprar? (PRO)

:. Rumo ao lucro: uma ação que gostamos (PRO)

:. FIIs: duas indicações (PRO)

 

Pesagem

Assim como um lutador de boxe deve estudar seu oponente antes do combate, você deve analisar todos os aspectos que envolvem os investimentos antes de decidir aplicar seu dinheiro.

Uma das perguntas que mais recebemos de nossos leitores é se eles devem resgatar seu plano de previdência privada para investir no Tesouro Direto.

Mas não detalham se é um VGBL ou PGBL, em qual fundo de investimento de previdência os recursos estão aplicados, qual o regime tributário (progressivo ou regressivo), seu perfil de investidor e objetivo de investimento (prazo).

Portanto a pergunta é impossível de ser respondida.

Mas indo atrás dessas informações ficará mais fácil nocautear o CDI ou ao menos tentar um clinch.

Utilize o site do seu banco, procure na seção “Investimentos” e, caso não encontre os dados de seu plano de previdência, peça-os a seu gerente. Não tenha medo de incomodá-lo, lembre que o dinheiro é seu e “o cliente tem sempre razão”.

Você está prestes a perder seu bônus que permite
transformar 2 mil em 160 mil reais.

A boa notícia é que ainda dá tempo de obter os lucros gigantescos proporcionados por essa estratégia fora do radar. Mas você precisa ser rápido…

Seu BÔNUS Vira ÔNUS às 24 horas.

QUERO GARANTIR MEU BÔNUS
E MULTIPLICAR MEU DINHEIRO

(Últimas horas)

 

Round 1: Rentabilidade

Comparando apenas a rentabilidade bruta de fundo de previdência conservador de renda fixa e um título do Tesouro Direto, os títulos públicos dão porrada na maioria dos VGBLs e PGBLs disponíveis no mercado, pois dificilmente você encontrará taxas de administração nos fundos abaixo de 0,5% ao ano.

Pequenos investidores, com menos de R$ 100 para investir, podem ter acesso aos títulos do Tesouro Direto pagando apenas 0,3% ao ano referente à taxa de custódia da BM&FBovespa, pois há corretoras de valores que não cobram taxa de administração para esse produto.

Nos bancos, mesmo investidores com R$ 500 mil chegam a pagar 1% ao ano ou mais de taxa de administração em aplicações semelhantes, o que afeta diretamente sua rentabilidade.

Além de os bancos geralmente cobrarem taxas de carregamento sobre o valor TOTAL da contribuição nos planos de previdência privada.

Lembrando que os títulos do Tesouro Direto são ativos de renda fixa e podem ter a rentabilidade atrelada à Selic (juros), ao IPCA (inflação) ou prefixada.

Enquanto isso, os fundos de previdência privada podem ser multimercado e atuar nos mercados de juros, câmbio e bolsa. Nesses casos, a rentabilidade é mais variável, o que dificulta a comparação com o Tesouro.

Recomendo a análise da performance histórica do fundo e do momento do mercado, se está ou não favorável a ativos de risco.

O cenário atual é excelente para os ativos de risco no Brasil, mas em vez de investir via fundos, prefiro seguir esta carteira multimercado do Felipe.

Quem tem fundos ou pretende analisar as opções do mercado pode agora acompanhar nossa cobertura com a Luciana Seabra, nossa nova especialista em fundos de investimentos. Ela já me disse que vai analisar os fundos de previdência em seu relatório. Vamos avisar você quando abrirmos as inscrições, então, fique atento ao seu e-mail. Enquanto isso, recomendo fortemente que você acompanhe a newsletter dela, A Hora dos Fundos, todas as quintas-feiras.

Round 2: Tributação

A alíquota de IR nos títulos do Tesouro Direto é regressiva e incide apenas sobre os rendimentos. Começa em 22,5% até 180 dias, depois passa para 20%, entre 181 e 360 dias, 17,5%, de 361 a 720 dias, e 15% após 720 dias.

Como comentei no começo da news, os planos de previdência privada possuem duas opções de regime tributário.

1) Regressivo Definitivo: semelhante à tributação do Tesouro, porém com alíquotas diferentes para os prazos. Começa em 35% e reduz 5 pontos percentuais a cada dois anos, até chegar à alíquota mínima de 10% após dez anos.

2) Progressivo Compensável: a alíquota segue a tabela progressiva de Imposto de Renda, de acordo com a renda tributável do investidor. Alíquota mínima de 0% e máxima de 27,5%.

Atenção: no VGBL, o imposto incide apenas sobre os rendimentos. Já no PGBL, sobre o valor total (principal + rendimentos), mas é possível deduzir até 12% da renda tributável anual para quem contribui para o INSS e faz a declaração completa do IR.

Não há come-cotas nos fundos de previdência privada.

Round 3: Jab e direto da previdência

Jab: no caso de sucessão aos beneficiários, caso o segurado venha a faltar, o plano de previdência privada não entra em inventário. Já os títulos do Tesouro não possuem esse benefício.

Direto: em planos de previdência privada corporativos, algumas empresas contribuem junto com seu colaborador. Por exemplo, o funcionário aplica 3% do seu salário no plano de previdência oferecido pela empresa e a mesma aloca mais 3% (valores hipotéticos). Ou seja, o investidor sai ganhando 100% logo de cara. Esse é um benefício excelente. Verifique as condições oferecidas à sua empresa.

Está procurando uma maneira de visualizar o retorno de suas aplicações? Na edição de agosto do relatório Você Investidor, Olivia Alonso vai apresentar uma planilha simples de investimentos para você começar a acompanhar o rendimento das suas aplicações e a distribuição do seu patrimônio em diferentes classes de ativos. Assine e tenha acesso também ao curso Investimentos para Leigos.

CLIQUE AQUI PARA ASSINAR

 

Round 4: Um suplemento para sua previdência

Se você já possui um plano de previdência privada, recomendo avaliar uma possível portabilidade para um fundo melhor.

Atendi mais de 300 investidores na Consultoria Personalizada da Empiricus e posso dizer que grande parte possuía planos de previdência privada desenquadrados com seu perfil ou alocados em fundos ruins, mesmo pertencendo a segmentos de alto renda dos bancos.

Felizmente, há salvação. Nos planos de previdência privada é possível realizar portabilidade interna (na mesma seguradora) ou externa (para outra seguradora) para diferentes fundos sem ser tributado na migração e sem perder o prazo relativo ao IR.

Após as minhas sugestões aos clientes da consultoria, bastava um contato do investidor com seu banco para lhe oferecerem portabilidade para um fundo melhor.

Por que isso ocorre?

Muitas pessoas começam seus planos de previdência jovens, contribuindo com valores baixos e, assim, os bancos alocam em fundos com taxa de administração altas (Ex.: 2,5% ao ano).

Com o passar do tempo as contribuições aumentam e o montante acumulado pelo correntista no banco também, portanto esses valores já lhe dariam acesso a um fundo semelhante, porém, com taxa de administração mais baixa (Ex.: 1% ao ano). Geralmente o banco não informa sobre essa possibilidade, pois isso reduziria sua receita. Portanto, você deve ir atrás!

Um cliente muito satisfeito com essa recomendação comentou depois comigo: “Foi como achar aquela nota de R$ 100 esquecida a tempos no bolso da calça, só que, dessa vez, serão mais de R$ 10 mil a mais em rendimentos! Muito obrigado, Walter!”.

E não fique preso apenas ao seu banco. Entre em contato com seguradores independentes como a Icatu, SulAmérica, Mapfre, Porto Seguro… e solicite comparações dos produtos sem compromisso. Você poderá usá-las para barganhar com o seu banco, se preferir. Fica a dica!

É possível realizar portabilidade do regime tributário progressivo para o regressivo. Mas não o inverso.

Resumindo, a comparação entre previdência privada e Tesouro Direto deve ser analisada caso a caso e espero ter ajudado a sua tomada de decisão.

Para mim, hoje, eu prefiro o Tesouro e, especificamente, o Tesouro IPCA+ (NTNB).

 

Exclusivo Assinantes PRO

 

1. Dia de Copom: qual título comprar agora?

2. Rumo ao lucro: uma ação que gostamos

3. A hora dos FIIs: duas indicações.

 

 

Menu do Dia

:. MICROCAP ALERT:  Um dos principais objetivos no Microcap Alert é identificar empresas sólidas com valor de mercado abaixo de R$ 1 bilhão, acompanhar o seu amadurecimento até atingirem um outro patamar de tamanho. É como um filho que você cria , se desenvolve e na fase adulta sai de casa e ganha o mundo.

Foi exatamente isto que aconteceu com esta microcap que se despede hoje da carteira. Identificamos uma ótima oportunidade em setembro de 2015; o ativo se valorizou quase +70% em menos de 10 meses com méritos próprios: ganhos constantes de rentabilidade em um dos priores momentos da economia brasileira.

Hoje, este ativo deixa de ser uma microcap para alçar voos maiores no mercado.

 

Saiba mais

 

Ficou com dúvidas sobre o assunto de hoje? Envie-as para walter.poladian@criandoriqueza.com.br que irei selecionar algumas para responder em textos futuros.

Um abraço, e bons investimentos!

Walter

 

 

Links Recomendados

:. Bolsas chinesas caem com investidores à espera de pista sobre estímulos

:. Fique fora desse clube

:. SEU DINHEIRO PRECISA URGENTEMENTE DE UM MÉDICO

Conteúdo recomendado