Quem não se planeja, planeja falhar

Aprenda como preparar suas ações corretamente para este ano

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Quem não se planeja, planeja falhar

Olá!

 

Feliz ano novo! Que 2016 seja excelente para você e seu negócio – seja ele existente ou ainda em planejamento.

 

E, independentemente de que estágio sua empresa esteja, o que vai fazer a diferença este ano é o planejamento. Para o empresário sério não existe essa história de “deixa a vida me levar, vida leva eu”. Ele pensa sobre o futuro, têm objetivos, metas e mede o que está acontecendo ao longo do caminho para poder corrigir, se necessário.

 

 

Quem ensina é Christian Barbosa, especialista em gerenciamento do tempo e produtividade pessoal, autor de diversos livros sobre os temas.

 

“Não existe sorte. Quem planeja tem mais sucesso, porque isso ajuda a ter foco. E esse é um dos maiores problemas das pessoas hoje em dia. Com tanto para fazer, se acaba não realizando o que realmente é preciso”, afirma.

 

Por causa disso, ele criou uma metodologia baseada em três pilares para planejamento: autoconhecimento, seleção e ação. (Eu estou simplificando e quem quiser aprofundar pode ir ao site, ver vídeos e baixar um e-book: (http://lead.omelhoranodetodos.com/vdm21116/)

 

Na primeira parte você precisa se auto-analisar para entender o que é importante. Quais são suas prioridades? Sonhos? Crenças? Aqui faço eu uma observação com nosso tema principal: empreender é realmente um desejo? Ser o dono parece legal de fora, mas é um caminho sem trilhos e rede de segurança. Sério: pergunte a um conhecido com empresa o que ele mais gosta e que menos gosta de ser empreendedor. Vai ser esclarecedor.

 

A seleção das prioridades é o segundo passo. Aqui você deve escolher e dar nota (de 1 a 5) para entender que desejos são mais importantes. Criar uma empresa pode não ser sua primeira escolha.

 

E, finalmente, o plano de ação. Um estudo da consultoria de Christian, realizado com 3.500 pessoas, em 2015, mostrou que 16,4% planejam abrir o próprio negócio em 2016.

 

Mas, no geral, 40% das pessoas só pensam, mas nunca se planejam por escrito. Entre os que planejam por escrito, 45% não acompanham o plano.

 

“É importante criar um roteiro descrevendo o passo a passo. Preciso listar ações e definir um cronograma”, ensina. Ou seja, pegue uma agenda e toda semana reserve um tempo para seguir com o planejamento.

 

Mas como se manter motivado e não abandonar a ideia do planejamento na próxima semana? Talvez isso seja o mais difícil, porque tudo no mundo vai agir contra.  Christian recomenda contar com ajuda de um amigo, de preferência daqueles bem chatos, para cobrar os avanços.

 

Mesmo assim, quero deixar claro que é preciso disciplina pessoal e a maior força sempre é a interna. Quem se dá bem nos negócios (assim como na vida) são pessoas resilientes, os que são fortes mentalmente para superar os obstáculos, independentemente do tamanho deles.

 

Christian, que é investidor-anjo em nove empresas, me contou que é essa característica que procura nos empreendedores quando aposta seu dinheiro em novos negócios. Dá para entender o motivo…

 

Odisseia de Karina

 

 

Karina Mosmann se define como uma pessoa “pé no chão”. Ela sempre teve como hobby fazer doces, como biscoitos e pães de mel, mas sua carreira esteva ligada ao jornalismo, produzindo conteúdo ou como assessora de imprensa.

 

Nos finais de ano, ela tirava um tempo para fazer os doces para ajudar uma ONG em que ela trabalhou no começo de carreira. As guloseimas sempre fizeram sucesso e contribuíam para caridade e satisfação pessoal.

 

No entanto, no final de 2012, Karina estava trabalhando como gerente de comunicação de uma grande assessoria de imprensa, em São Paulo. Muitos clientes importantes, porém, o estresse começou a pesar, afetando diretamente sua saúde.  Na época, ela começou a pensar que o hobby poderia se transformar em fonte de renda principal.

 

Ela pediu demissão, mas decidiu cumprir o aviso prévio, pois precisava do dinheiro e tempo para começar a planejar o futuro negócio. No período antes de sair da empresa, fez cursos a distância oferecidos pelo Sebrae sobre empreendedorismo e capacitação presencial para aprender mais sobre doces, além de organizar as finanças pessoais. Reservou um pouco de dinheiro para investir em produtos e embalagens. Assim nasceu a Biscoito e Afins.

 

No entanto, em 2013, ela sabia que não conseguiria pagar as contas somente vendendo os doces para amigos. Por sorte, a ex-chefe da ONG, onde ela havia trabalhado, a convidou para ajudar em um projeto especial, que poderia ser feito de casa. “Isso me deu segurança de uma renda mensal fixa para continuar investindo na minha empresa. Não dá para brincar de empreender e esquecer a vida real”, conta Karina.

 

Pelo resto do ano, e também em 2014, ela continuou fazendo o expediente duplo, como jornalista e cozinhando de casa. Nesse meio tempo, fez cursos e participou de diversas feiras do segmento. “Eu conseguia aumentar cada vez mais as vendas, no entanto, os freelas de comunicação ainda me sustentavam”, lembra.

 

No começo de 2015, a meta era dedicar 70% do tempo à Biscoito e Afins para fazer o negócio crescer, inclusive reservando tempo e dinheiro para cursos. Em agosto, os seus trabalhos como freelancers começaram a minguar, o que foi uma boa oportunidade para se dedicar 100% ao negócio. “Foi um momento de muita insegurança, mas bom. Com o tempo todo voltado somente à empresa, pude encontrar mais clientes. Desde então, estou com a agenda cheia de encomendas”, diz.

 

Para 2016, Karina está planejando se formalizar e, finalmente, se tornar Microempreendedora Individual (MEI), criar site próprio (cujo o domínio já está reservado desde 2014), melhorar marketing e mix de produtos para vender o ano inteiro, fugindo da sazonalidade.

 

Porém, a empreendedora sofre agora com o mal de todos que começam a crescer: não tem tempo para sentar, planejar e organizar como fará essas coisas. “Muitas vezes fico sem dormir para entregar os produtos, por isso, entre o planejamento ou um orçamento, sempre escolho o trabalho”, afirma. Essa é a realidade, mas ainda sim, ela precisa arranjar o tempo para planejar os próximos passos, ou pode ser dar mal. Fica esperta, Karina!

 

O planejador

 

Formado em publicidade, João Garrido trabalhava, em 2010, no setor de logística da Ambev. Ganhava bem, mas sua paixão, desde a faculdade, sempre foi o planejamento estratégico de comunicação. Em um curso de especialização sobre o tema, ele viu no interior do Estado de São Paulo, especificamente em Jundiaí, um bom mercado para empreender. No entanto, antes de agir, passou seis meses desenhando o negócio e se planejando financeiramente para isso.

 

 

Depois de se demitir, nasceu a agência Sótão (em homenagem à localização do escritório na sua casa). No entanto, como eu sempre digo, tudo são hipóteses. A sua ideia de levar o planejamento estratégico de comunicação para empresas não encontrou mercado na cidade, pelo desconhecimento dos clientes e também por não ter cases de sucesso na época. “O que chegava de orçamento eram coisas como desenvolvimento de sites e folders. Por isso, me adaptei para atender o que eles pediam”, diz João.

 

Porém, ele não desistiu. Para focar na área de planejamento, ele decidiu mudar a marca Sótão para Urso Propaganda.  Foram seis meses fazendo a comunicação com os clientes e preparando alteração do perfil. Em abril de 2014, a mudança aconteceu, já com os cases de sucesso e conseguindo mostrar o impacto do serviço para os clientes.

 

João comenta que os clientes da sua empresa (que hoje tem seis funcionários), sempre ficam perdidos em um ponto, que também faz sentido pensando para o planejamento dos empreendedores. “Quando me pedem um orçamento, eu preciso saber quanto eles têm para gastar. Eu posso fazer um planejamento de comunicação de milhões ou milhares de reais. O que determina a ação é sempre o valor disponível”, explica.

 

Eu gosto muito dessa perspectiva! Muitos leitores me perguntam exatamente “quero empreender, mas não tenho dinheiro. Como faço?”. Essa é a resposta: o seu orçamento determina seu planejamento.

 

Mão na massa!

 

A ideia é fazer um planejamento bem simples. Você está disposto? Se sim, reserve tempo e escolha um lugar tranquilo. Pegue papel, lápis e responda as perguntas abaixo:

 

  • O que quero realizar em 2016?
  • Qual a prioridade?
  • O que preciso fazer para isso acontecer?
  • Qual o passo a passo?
  • Quanto tempo vou levar para atingir os objetivos?
  • Quanto dinheiro vou gastar?

 

Para quem já tem empresa e quiser aprofundar, fica a dica do curso online gratuito “Planejamento Estratégico: o Guia Essencial para seu Negócio” da Endeavor.  Você baixa um e-book e tem vídeo-aulas que vão te ajudar:https://endeavor.org.br/guia-essencial-planejamento-estrategico/

 

E, só para lembrar, o planejamento não é estático. Ele deve sempre ser reavaliado conforme se avança! Por isso, coloque no próprio planejamento uma revisão periódica dele.

 

Abraço e sucesso,

Conteúdo recomendado