Dos ricos para os pobres

O surgimento do Bitcoin capitaneou um movimento de descentralização, já que não existe mais uma única autoridade capaz de tomar decisões ou controlar o valor distribuído.

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Dos ricos para os pobres

Ele habitava a floresta de Sherwood, onde aproveitava a liberdade e vivia seu espírito aventureiro.

A história mais famosa a seu respeito é, no mínimo, curiosa.

Tendo sido acusado e preso por traição, passou a viajar com o Rei Ricardo Coração de Leão, buscando catequizar os hereges.

Após dias de missão, ele consegue fugir e retornar para casa. Porém, ao chegar, encontra seu feudo devastado pela tirania do príncipe John, que assumira o trono na ausência do rei.

Leis abusivas, proibições e tragédias resumiam a vida naquele condado.

Indignado, o ex-prisioneiro reuniu um grupo de foras da lei para combater a nobreza e a injustiça, ajudando os pobres ao tirar dos ricos.

O nome dele ficou gravado nos livros como Robin Hood.

Você certamente conhece os contos desse herói mítico da cultura inglesa. Desde pequenos, ouvimos a história do justiceiro que tira dos ricos para dar aos pobres.

Há uma certa especulação sobre sua real existência. O que se sabe, porém, é que seus contos se passam no século 13, época muito distante dos dias de hoje.

E QUEM SERIA O ROBIN HOOD DOS TEMPOS MODERNOS?

Bem, ele não tem porte de herói, a bem da verdade possui vários detratores. Também não vai à luta com arco e flecha. Seu forte é transferir o poder dos grandes para os pequenos. Dos ricos para os pobres.

Estamos falando do Bitcoin e, claro, dos seus mais de 1.000 “primos”.

Pensar no movimento de geração de valor causado pelo mercado de criptomoedas inevitavelmente me remete ao personagem de Robin Hood.

Estamos diante de uma das maiores transferências de poder e valor da história do mercado.

Tradicionalmente, usamos o dinheiro fiduciário (aquelas cédulas de papel que você carrega amassadas na carteira, sabe?) sob o domínio dos bancos centrais e governos.

Taxas abusivas, centralização do poder e completa polarização das decisões, isso resume nosso sistema financeiro tradicional.

O surgimento do Bitcoin, porém, capitaneou um movimento de descentralização, já que não existe mais uma única autoridade capaz de tomar decisões ou controlar o valor distribuído.

A proposta original traz uma rede distribuída, sem órgão central, independente de bancos e governos.

Mas não parou por aí.

Quem iniciou nesse mercado alguns anos atrás e fundamentou as bases para o desenvolvimento desse ecossistema não foram os “bancões” nem as autoridades internacionais, mas sim pessoas comuns — algumas por hobby, outras por ideais.

O movimento de comunidade ao redor das criptomoedas é o que sustenta seu efeito de rede (que ajuda a definir seu valor).

Pela primeira vez, tivemos o poder monetário distribuído entre os cidadãos, e não centralizado na mão de uma instituição.

O BITCOIN É O ROBIN HOOD DA ERA MODERNA

Agora, porém, esse mercado começa chamar atenção das grandes instituições financeiras e governos. Só que, em vez de tomarem para si o controle, sua entrada nesse mercado servirá como gatilho para a geração de valor aos usuários comuns, como você e eu.

Por isso que nos interessa tanto estar no mercado cripto. Não é apenas pelo hype, pelo oba-oba ou pela moda. É porque, pela primeira vez, deixaremos de ter uma forma de dinheiro concentrada nas mãos de um gigante e passaremos a dar poder às pessoas.

As criptomoedas são, no fim das contas, uma economia alimentada pela sociedade e beneficiada pela entrada dos grandes players — e isso temos visto na prática.

A criação de instrumentos financeiros para o mercado tradicional, como é o caso dos contratos futuros negociados na CME (a Bolsa de Chicago), marca uma nova etapa para as criptomoedas.

Esses instrumentos, a regulação e o estabelecimento de diretrizes para a negociação desses ativos digitais são gatilhos para trazer dinheiro institucional para esse mercado.

Leia mais: Vamos falar sobre criptomoedas?

Não à toa o bitcoin tem renovado suas máximas históricas, agora já acima dos 8 mil dólares, e se prepara para uma nova pernada de adição de valor, puxando com ele as outras principais criptomoedas.

Se, para alguns, o movimento dá sinais de que se esgotou, a nós parece mais um indicativo que reforça sua continuidade.

Conteúdo recomendado