A casa apaga a luz e te rouba

Sempre acabamos o ano com algumas vontades para o ano que vem. Sabe, aqueles momentos de fazer promessas para 2019 que você vai provavelmente abandonar […]

A casa apaga a luz e te rouba

Sempre acabamos o ano com algumas vontades para o ano que vem. Sabe, aqueles momentos de fazer promessas para 2019 que você vai provavelmente abandonar antes de o Carnaval chegar.

Tem de tudo um pouco nessas resoluções de fim de ano: tem o projeto verão, o projeto aluno nota 10, tem o “este ano vou aproveitar mais”, e por aí vai.

Todos desejos, apenas, que não ajudam em nada a alcançar aquilo que nem você mesmo sabe o que é.
Afinal, o projeto verão é 5 ou 10 quilos a menos? O aluno nota 10 é nota máxima em tudo? Boa sorte.

Claro que desejar e sonhar com algo novo para o ano que começa é muito bom. Eu também vou pedir para Papai Noel um ano mais fácil para escolher criptoativos.

Porque neste 2018, bastava escolher que o ativo caía vertiginosamente. Parecia que o dedo de todo mundo aqui dentro estava podre.

Bem diferente de 2017, quando você só precisava escolher o ativo pelo nome mais impactante e pronto, 300 por cento na sua cabeça.

Existiam aqueles que entraram em ICOs apenas pelo nome, verdade.

Pasmem, tive um amigo que comprou uma cripto porque levava o sobrenome da família dele.

Todo mundo era gênio e conseguia obter lucros formidáveis.

A febre era tanta que youtubers que vendiam fórmulas de “aumente seu p…” passaram a vender uma versão mais lucrativa, algo mais para “aumente seu bitcoin”.

Mas vamos deixar de saudosismo e olhar para a frente. Como Felipe Miranda sempre diz, você é tão bom quanto seu último trade.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

E para ser bem sincero com você, tivemos a oportunidade de fazer bons trades operando com o bitcoin em queda e eu fui radicalmente contra.

Não pela operação short em si – pelo ganho que teríamos, acho que o risco poderia valer a pena –, mas pelas plataformas que permitem isso.

Excluindo operar futuros em uma Bolsa de commodities regulada como a CBOE e a CME, que são caras, a outra opção mais usada é a Bitmex.

E quando ouço o nome “Bitmex”, já olho para o bolso onde guardo a carteira para ver se não fui roubado.

Ali, meu amigo, a casa sempre vence e, se não estiver vencendo, ela apaga a luz e rouba todo mundo no cassino – sim, é esdrúxulo nesse nível.

Peço desculpas pelo ceticismo, mas eu não me sentiria confortável correndo esse risco diariamente e, por isso, não me disponho a jogar você nesse cenário obscuro.

E apesar de estar triste por não ter tirado proveito dessas oportunidades algumas vezes no ano, fico feliz que nossos assinantes não estavam lá no episódio em que a Bitmex apagou a luz e roubou todas as fichas da mesa.

Parece que o bitcoin está sustentando o preço acima dos 4 mil dólares e agora já se fala em batalhas para superar os 4.200 e até os 5 mil dólares.

Muito otimismo para este momento, mas acho que pode ser possível até janeiro. O primeiro trimestre de 2019 será repleto de acontecimentos e, se as equipes seguirem seus calendários, de entregas de projetos.

Depois de março, não há previsibilidade do que possa acontecer – o futuro é opaco como sempre. Existe pelo menos uma dezena de combinações possíveis, que podem resultar em centenas de caminhos.

Temos que esperar e olhar atentamente cada desdobramento.

Aquele abraço

André Franco