A mãe cripto voltou a se pronunciar

Não faz muito tempo que falei em uma edição da Crypto Talks sobre as duas pressões que o regulador americano enfrentaria na hora de tomar […]

Compartilhe:
A mãe cripto voltou a se pronunciar

Não faz muito tempo que falei em uma edição da Crypto Talks sobre as duas pressões que o regulador americano enfrentaria na hora de tomar a decisão sobre um fundo de investimento passivo em bitcoin, o ETF.

De um lado, a SEC teria todo o incentivo para negar um instrumento assim, já que, por ser um órgão regulador, apenas tem a perder com uma aprovação precoce.

Isso porque, qualquer problema que possa acontecer depois da aprovação do ETF, o que geraria perdas ao investidor, a SEC será colocada contra a parede e considerada como culpada.

Do outro lado, estaria todo aquele espírito do sonho americano, que voltou mais forte com a eleição de Trump, desejando que o regulador tome uma posição mais favorável para o mercado florescer no país.

Particularmente, eu achei que a pressão para uma aprovação viria de cima para baixo…

Quem sabe o Trump usaria seu Twitter para dar umas “dicas” a Jay Clayton, atual presidente do órgão americano, de como proceder nas decisões sobre a criptoeconomia.

No entanto, a posição a favor de uma aprovação veio de dentro, da Hester M. Peirce, a “mãe cripto”, como ficou conhecida ao se declarar pró-ETF de bitcoin.

Na semana passada, ela se pronunciou novamente sobre a decisão da SEC de negar vários pedidos desse instrumento de investimento e fez algumas críticas ao órgão regulador.

Segundo Hester, a decisão de negar os ETFs condiz com o comportamento de uma “helicopter mom”, aquela que tenta sempre proteger o filho de tudo que acontece e não deixa ele viver experiências por conta própria.

Outro ponto levantado foi o fato de que o investidor americano que está acompanhando as últimas decisões sobre o fundo de investimento passivo em bitcoin pode refletir sobre o trabalho da SEC.

Para a Hester M. Peirce, o excesso de cuidado que o órgão está tendo ao tomar essa decisão pode aparentar que todos os outros vereditos a favor da criação de ETFs foram tomados com tamanha cautela.

Isso faz com que a não aprovação do pedido da CBOE gere uma percepção errada de que todos os outros fundos de investimento em índice aprovados são livres de risco ou de baixo risco.

Além disso, a mãe cripto tocou em um dos assuntos que considero o velho problema do ovo e da galinha nesse mercado.

Como que a SEC menciona a falta de regulação, sendo que a própria agência diz que bitcoin e ether não são valores mobiliários e ela mesma não pode regular?

Não dá para cravar que o ETF vai ser aprovado ainda neste mês, mas com uma advogada da causa dentro do órgão regulador americano, temos alguma esperança.

Além dessa pressão interna, fora dos EUA, outras nações já estão criando ecossistemas favoráveis ao florescimento de iniciativas.

A França deu um passo importante para atrair a criptoeconomia ao país e criou uma regulação própria para os ICOs que quiserem se estabelecer por lá.

Além dos franceses, o território suíço já é um solo muito fértil para iniciativas dessa nova economia e parece estar andando muito bem com o projeto do Crypto Valley.

Por isso, a minha visão é que o ETF está mais próximo do que antes, mas com a ressalva de que ainda não está garantido.