Compre isto agora e venda após a Copa do Catar

Num período de cinco anos, o SMAL11 – proxy de small caps brazucas – subiu cerca de +20%. É uma alta simbólica, que combina com […]

Compartilhe:
Compre isto agora e venda após a Copa do Catar

Num período de cinco anos, o SMAL11 – proxy de small caps brazucas – subiu cerca de +20%.

É uma alta simbólica, que combina com uma fase majoritariamente anticíclica.

Já se escolhermos um subintervalo mais cíclico, desde o piso em janeiro de 2016 até o teto recente em abril, apuramos uma disparada de +310%.

Como sempre no mercado, por se tratar de uma valorização absolutamente extraordinária, posso lhe garantir que poucas pessoas embolsaram essa grana preta.

Não foram poucas porque era impossível ou dependia de um milagre. Nada disso! Aconteceu, e o gráfico isento da Bloomberg está aí para provar.

Você poderia ter pegado essa porrada, e talvez pegou. Se foi o caso, parabéns. Várias recomendações da Empiricus desde janeiro de 2016 subiram até mais do que +310%.

No Palavra do Estrategista, o Felipe sugeriu compra de SMAL11 para uma base de mais de 50 mil assinantes. Alguns seguiram a dica e a carregam até hoje, outros não.

Olhando para o mercado como um todo, poucos investidores decolaram junto com SMAL11, pois quase ninguém aguenta a frequência e a magnitude dos drawdowns produzidos pelas small caps.

Rodolfo, mas o que é um “drawdown”?

Ativos de risco nunca sobem de forma linear, tampouco monotônica. Eles sobem, sobem, caem, sobem, caem, sobem, sobem, sobem, caem, caem… bom, você pegou a ideia.

Visualmente, o drawdown é a área do gráfico hachurada até que o ativo recupere seu último pico.

Ou seja, é uma típica zona de lamentação, em que os detentores do ativo estão apenas esperando para retomar um prazer do qual já beberam.

No exemplo abaixo, um drawdown hachurado em vermelho:

Compradores de small caps passam aproximadamente três quartos de todo o tempo investido em situações de drawdown (e o outro quarto ganhando rios de dinheiro).

Para essas almas estoicas, recuos de -15%, como o de abril para cá, são absolutamente triviais. Nem fazem cócegas.

Se uma ação da sua carteira cai -15%, você vende, chora ou compra mais?

Caso a hipótese de venda esteja descartada (“boys do cry”), peço que considere seriamente a seguinte ideia de investimento.

Comprar SMAL11 hoje, na estreia da Copa da Rússia, para vender na segunda-feira logo após a final da Copa do Catar.

Topa?

É uma ideia que me entusiasma bastante, perfeitamente alinhada aos elevados critérios do meu Programa de Riqueza Permanente®.