Em defesa dos ETFs

Os ETFs estão aí para facilitar enormemente sua caminhada, ao menos com uma parte de seu portfólio de ações.

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Em defesa dos ETFs

Daniel Malheiros tem uma teoria rigorosamente científica: empresa de três letras nasceu pra morrer. OGX, OSX – todas do Eike, pra facilitar -, PDG, ALL, por ai vai uma fila longa… Eternos shorts em Bolsa.

É ridículo, mas faz sentido.

Vi o Jim Rogers alertando recentemente para uma potencial crise com ETF. Logo lembrei que esse negócio tem três letras. Pode dar azar mesmo. Ele trabalhou no Quantum Fund com o Soros, que, na minha humilde opinião, é o maior investidor de todos os tempos, mais sofisticado intelectualmente do que a turma do value investing.

Desculpe, eu não quis ofendê-lo – a turma da Escola de Valor é mesmo fundamentalista; eles cortam a sua cabeça e colocam vídeo no Youtube, então eu já peço perdão a priori por gostar mais do Soros do que do Buffett. Gosto é igual….deixa pra lá…mas que cada um tem o seu, ah, isso é verdade.

Pro meu gosto, com todo respeito, não dá pra confiar em quem usa gravata borboleta. Taleb não confia em quem usa gravata, em geral. Sou apenas um caso particular do propósito geral. Se você precisa uniformizar-se para ir ao trabalho ou conversar com alguém é porque não dispõe de sustentação própria, precisando travestir-se, através da roupa, como um ser superior.

Precisamos das ideias por elas mesmas, discutindo com o leigo da mesma forma com que fazemos diante dos profissionais. As boas ideias de investimento devem servir a todos – RAIL3 se multiplicou por n vezes para o Luiz Alves e para minha tia Eunice, igualzinho, sem preconceitos.

É curioso como as coisas são. Recentemente, o próprio Buffett apostou nos ETFs contra uma carteira de fundos ativos e ganhou!

 

Eu sou um defensor dos ETFs. Se lá fora discute-se a possibilidade de termos uma bolha envolvendo os fundos passivos, aqui esse negócio ainda engatinha. Precisaríamos de muito mais liquidez nisso, concorrência, menores custos e vários outros ETFs. Seria ótimo poder comprar Ibov alavancado 3x, fundo de small caps alavancado 4x.

Forma democrática, barata e simples de buscar a diversificação, acessível a todos. Você paga menos corretagem do que se comprasse um bocado de ação, tem seu controle facilitado e pode dividir seu pequeno capital em várias posições. Assim, você se beneficia dos chamados ganhos de diversificação sem incorrer em muito custo.

Mas ainda mais relevante é o fato de que podemos capturar por meio dos ETFs a tal convexidade e cisnes negros positivos ligados às ações – esse é o ponto central que parece escapar a muita gente. Se você diversifica passivamente em small caps, mesmo sem saber direito o que você está fazendo, há boas chances de que algumas delas vão se multiplicar por várias vezes. Sim, sim, outras vão quebrar também. Mas ninguém cai mais de 100%. Por isso, o ETF é tão legal. Você se expõe sem muito custo ao “risco” de ter algumas ações se multiplicando sem precisar saber direito o que está fazendo.

Lembro do João Estrela: eu não faço nada, não, mas sou muito bom no que faço. Você não precisa entender de ação. Você só precisa entender a matriz de payoff. Esse é o jogo. Inverte-se a lógica da coisa. Em vez de querer entender, vamos nos expor aos benefícios do não entendimento. Reconhecemos as próprias dificuldades e a ignorância sobre a seleção de ações, focamos nos custos baixos e no perfil necessariamente assimétrico da matriz de retornos potenciais do investimento em renda variável.

Um dos principais erros do investidor pessoa física é o excesso de concentração. Você pode conferir isso em estudos da própria B3, mas é também um fenômeno global. Todos querem aquela dica esperta única, para concentrar seu portfólio e até mesmo alavancar-se, para multiplicar por 20x. Está ai sem dúvida um caminho rápido e eficiente para a falência.

Os ETFs endereçam exatamente este problema e estão disponíveis pra você. O mais curioso é que muitos pensam se tratar de algo feito para iniciantes. Não é verdade! O próprio Nassim Taleb – e eu ouvi diretamente da boca dele – investe em ações por meio de ETFs de small caps, os mais diversificados possíveis. Faz todo sentido, se você entende realmente a filosofia do cara. Taleb foi trader de derivativos no Credit Suisse, é professor de Ciência da Incerteza e PhD em matemática – definitivamente, não é um sujeito iniciante.

Mas se você não curte o Taleb, pode encontrar uma série de estudos ortodoxos apontando como a maior parte da outperformance de portfólios financeiros no longo prazo deriva justamente da alocação entre as variadas classes de ativos (a GPS pode lhe gerar muito mais valor do que um fundo de ações em particular, por mais competente que seja seu gestor do fundo; certamente, isso em muito deriva do brilhantismo do Jan, do Jojo e do Paulo Miguel, mas está também ligado à própria essência da atividade). Depois temos a alocação dentro das classes e só então vem o market timing como variável explicativa dos bons retornos.

Ou seja, combinar adequadamente Bolsa, renda fixa, imóveis e câmbio é muito mais relevante do que acertar exatamente quais ações comprar. Isso posto, os ETFs estão ai para facilitar enormemente sua caminhada, ao menos com uma parte de seu portfólio.

Logo, logo, nós mesmos lançaremos uma aposta neste sentido. Mas vai funcionar de forma diferente. Par você ganha, ímpar nós perdemos. É apenas uma brincadeira para que possamos avançar adicionalmente no nosso compromisso de oferecer ao investidor pessoa física as melhores estratégias de investimento possíveis.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Mercados iniciam a sexta-feira quebrando a sequência negativa dos últimos dias. Um pouco mais de tranquilidade no exterior permite a recuperação. Vitória de Temer na relatoria da denúncia da PGR, com a escolha de Bonifácio de Andrada, ajuda a controlar os ânimos.

Câmbio pode encontrar um pouco mais de volatilidade, com BC deixando expirar 3,98 bilhões em contratos de swap, sem vencimento nos próximos dois meses. Bolsa também sofre os efeitos da pressão pela marcação de uma cota mais gordinha ao final do trimestre – dá-lhe puxeta nas smalls caps, ao melhor estilo começo dos anos 2000.

Agenda é pesada nos EUA com renda e gastos dos consumidores, PCE e sentimento do consumidor. China solta PMI à noite. Por aqui, saem resultado fiscal consolidado e PNAD contínua (desemprego de 12,6% em agosto, em linha com esperado), enquanto Aneel pode anunciar bandeira vermelha 2.

Ibovespa Futuro abre em alta de 0,9%, depois de sete quedas consecutivas. Dólar cai 0,2% contra o real e juros futuros cedem.

PS.: Se você ainda não conferiu o brilhante material produzido pelo gênio Ivan Santanna na Inversa, está ai uma bela dica para seu final de semana. Está imperdível.

Conteúdo recomendado