Happy New Year, Fundos Imobiliários!

Em 2017, a carteira de fundos imobiliários da Empiricus teve ganhos de 22%, ficando acima do CDI. Veja o que esperar de 2018 do setor imobiliário.

Compartilhe:
Happy New Year, Fundos Imobiliários!

Começou mais um ano! Desejo a todos um excelente 2018. Se eu pudesse fazer um segundo pedido para o universo (o primeiro fiz na virada) seria a aprovação da reforma da Previdência (sem mais ajustes, claro) e um presidente com sanidade mental, honesto e com capacidade de gestão para tocar este país.

Me parece que eu comecei o ano com sorte. Mais uma vez, após essa data comemorativa tão importante, eu ganhei de presente do Felipe a oportunidade de escrever este Day One. E, por ser o primeiro do ano, tem gosto ainda mais especial.

A ressaca pós-réveillon foi intensa. A minha cabeça está doendo até agora.

Eu viajei para Marília, interior de São Paulo, minha terra natal, para passar a virada do ano com os meus pais. Afinal, datas como essas nós passamos ao lado de pessoas que realmente gostam da gente.

E antes de enfiar o pé na lama (leia-se whisky e champanhe), estava discutindo com os meus familiares a perspectiva para o setor imobiliário, assunto que sempre me causa extrema empolgação.

Meu pai adora falar sobre economia. Ele lê jornal todo dia e está bem antenado. Aproveitei a ocasião para discutir com ele sobre o tema.

Falei sobre a minha percepção positiva tanto para ações do setor (shopping centers, properties e incorporadoras), imóveis físicos (meu pai adora esse negócio, nunca vi igual) e terminei com chave de ouro, com um discurso interminável sobre fundos imobiliários (FIIs).

Não é por nada, mas a nossa carteira de renda de fundos imobiliários brilhou em 2017 – novamente! Registramos um belo ganho de 22%, acima tanto do Ifix quanto do CDI.

Vou deixar o espaço para falar sobre ações aos demais analistas, pois eles conhecem esse mercado muito melhor do que eu, e focarei no assunto FIIs, que eu conheço um pouco melhor, apesar de ter muito a evoluir.

Por mais que meu pai entenda de imóveis, ele parece ter uma dificuldade enorme em lidar com Bolsa de Valores, mesmo quando falamos de investimento de baixo risco, como os próprios fundos imobiliários.

O pisca-pisca da “telinha” faz aumentar a pressão arterial dele – enquanto a minha sobe quando vejo sangue. Cada um no seu ofício. Meu pai trata dos pacientes, e eu trato de tentar entender um pouco sobre o mercado imobiliário e passar as melhores recomendações para você.

Pai: Por que investir em fundos imobiliários?
Eu: Você investe em imóveis com quantias menores que R$ 1 mil. Pode vender somente uma fração do que tem, ou seja, não precisa “rachar” uma casa no meio. Os investimentos têm isenção fiscal (IR). Possuem liquidez. Zero burocracia – relacionamento com inquilino, cartório e corretor nem pensar. E há ativos dos mais diversos tipos: shoppings, hotéis, lajes corporativas, galpões logísticos, papéis (LCI, CRI, LIG). E a lista continua.

Pai: Hospitais?
Eu: Isso mesmo, você vira dono de uma fração daquele imóvel. No fim das contas, quem vai te pagar indiretamente são os pacientes e os convênios médicos.

Pai: Mas tem risco?
Eu: Sim, como qualquer outro investimento. Tem risco de mercado, de crédito, de vacância. Esses são os principais.

Pai: Mas e o retorno, é bom?
Eu: Ah, impossível prever o futuro. Mas, historicamente, foi fantástico. Se pegarmos o Ifix (uma espécie de Ibovespa dos fundos imobiliários) em termos líquidos (depois do Imposto de Renda), notamos que ele supera o CDI, o próprio Ibovespa e a NTN-B desde a sua criação em 2010. De lá para cá, acredito que até hoje só perdeu para os bitcoins.

Pai: E para 2018, qual é a expectativa?
Eu: Com os juros baixos e a retomada do crescimento econômico, acredito que esse mercado continue indo bem. Muito espaço vago novo será locado, impulsionado pelo movimento “flight to quality”; o valor dos aluguéis para de cair e, em alguns casos, até volta a subir. E o rendimento, na média, ainda está bem acima da NTN-B 2024.

Pai: Eita, isso é bom demais. Como eu faço para investir?
Eu: É bem simples. É só abrir conta em uma corretora. Porém, como o senhor é o meu pai, não podemos operar fundos imobiliários, já que seguimos um código de ética bastante rígido da Empiricus.

Pai: Hum, que pena.
Eu: Também acho!

O diálogo com o meu pai sempre foi muito franco e fazia tempo que não conversávamos sobre o mercado financeiro. Aliás, uma confissão: tendo ido pouco para Marília – fica aqui o meu pedido de desculpas a meu pai, a minha mãe e meu irmão!

No último dia do ano, o Ibovespa registrou mais uma alta e fechou aos 76.400 pontos. Hoje, o índice futuro opera com leve alta de 0,5%, o dólar cai 1% e o DI futuro apresenta leve queda.

As bolsas americanas operam perto da estabilidade, enquanto na Europa os mercados financeiros registram perdas.

A agenda doméstica traz o IPC-S e a balança comercial. Durante a semana sai o IBC-Br. Lá fora, a semana será mais intensa com a divulgação de importantes indicadores econômicos.

Com a inflação bem controlada, o mercado mantém-se otimista com o corte de 0,25 ponto na taxa Selic para a próxima reunião do Copom.

O ambiente político promete mais emoções neste ano, e janeiro começa a todo vapor! No dia 24, Lula poderá se tornar inelegível se confirmada a condenação pelo juiz Sérgio Moro – aguardamos ansiosamente por esse desfecho.