O brilho de Paulo Guedes ou (quando a madrinha ofusca a noiva)

O verde é o “novo” branco! Para mim, isso é uma surpresa, porque penso, há tempos, que o nude é o “novo” branco ou “pretinho […]

O brilho de Paulo Guedes ou (quando a madrinha ofusca a noiva)

O verde é o “novo” branco! Para mim, isso é uma surpresa, porque penso, há tempos, que o nude é o “novo” branco ou “pretinho básico”, um verdadeiro curinga no guarda-roupa feminino. Mas li num site sobre noivas e madrinhas de casamento que o verde é o máximo. Neutraliza as cores da decoração da igreja e até da comemoração com os convidados. O verde evita também que as madrinhas ofusquem a noiva. Esta sim, a dona da festa! Na hora do “Sim, eu aceito!” o noivo pode até passar despercebido. Parece exagero? Não é, não! Tudo é uma questão de brilho. E você há de concordar comigo que casar é uma decisão séria e até muito difícil para aqueles que almejam o “Felizes para sempre!”.

Casar dá trabalho e ainda custa caro.

E as escolhas? São escolhas sem fim… primeiro o noivo escolhe a noiva ou vice-versa, depois a noiva escolhe a igreja e as alianças, ambos escolhem madrinhas e padrinhos. Recomenda-se (nunca!) ter grande número de casais no altar para não ter empurra-empurra na hora da foto. Mas como toda regra tem exceção, eu já assisti a casamento com sete pares de madrinhas e padrinhos de cada lado!

A foto? Um borrão. Nem a noiva escapou.

Eu me lembro de cerimônias de casamento toda vez que o presidente Jair Bolsonaro descreve uma situação. Seja ela de briga ou de reconciliação.

Há três semanas, quando o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), alertou o governo que deixaria a articulação pela reforma da Previdência, Bolsonaro disparou: “Você nunca teve uma namorada? E quando ela quis ir embora o que você fez para ela voltar, não conversou? Estou à disposição para conversar com o Rodrigo Maia, sem problema nenhum”.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

O presidente da Câmara quis morrer.

Outro dia, ao falar do ministro Paulo Guedes (Economia), o presidente disse que o bom relacionamento entre eles foi “amor à primeira vista”. Assim como eu, você deve ter compreendido que Bolsonaro quis dizer que eles têm objetivos comuns. E nós sabemos que essa é uma condição fundamental para que um “casamento” dê certo. Em sentido figurado ou não.

O episódio “tchutchuca” na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, na semana passada, tornou o ministro um “gigante” aos olhos do mercado financeiro. Afinal, Guedes devolveu a provocação de um petista, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR).

Desde então, Paulo Guedes tem sido ovacionado em todos os eventos a que comparece. Ontem, o ministro voltou a brilhar no “Brazil: First 100 Days”, promovido pela XP Investimentos, em Nova York. Há dois dias, 8 mil prefeitos, reunidos na Marcha dos Prefeitos em Brasília, levantariam uma estátua do ministro (se tivessem dinheiro) ao serem informados que terão um quinhão maior na arrecadação de impostos e 70 por cento, já em 2020, dos recursos que a União vier a arrecadar com leilões do pré-sal.

O ministro que me desculpe, mas hoje ele representa a madrinha que vestiu “branco” ou “vermelho” e ofusca a noiva.

Fazer o projeto da reforma da Previdência ser aprovado é missão pessoal de Paulo Guedes, você sabe… E eu não tenho dúvida de que ele vai abraçar a reforma tributária quando chegar a hora. Aos prefeitos, o ministro disse que o governo planeja criar (ainda neste ano), um imposto único com a fusão de três a cinco tributos federais e desonerar a folha de salários.

Intransigente com a economia de 1 trilhão de reais como resultado da reforma previdenciária até poucos dias atrás, o ministro já indica que ela poderá ser menor. Na segunda-feira (8), durante um seminário, ele disse também não ter a pretensão de ser articulador político, função que lhe foi atribuída por Bolsonaro.

Sobre o relacionamento do presidente com o Congresso, Paulo Guedes foi categórico. Disse, no mesmo evento em Brasília, que a lei básica é respeitar para ser respeitado. “E vale para os dois lados (…) Se o presidente não respeitar a política, a política não vai respeitá-lo. Temos de saber que somos uma coordenação, uma inteligência descentralizada e temos de ter cooperação.”

Também nesta semana, o ministro foi alvo de comentários após a publicação, no Blog do Juca Kfouri, que ele teria dito em reunião com seis presidentes de Tribunais de Contas Estaduais que “Lula não roubou um tostão. E seu patrimônio prova isso. Ele não teve quem o avisasse do que acontecia em torno do seu governo. Acabou vítima do jeito de fazer política no Brasil. Serve como exemplo”, disse o ministro, que foi interpretado como um defensor de Lula para arrepios de colegas de ministério.

O ministro é o integrante de maior brilho no governo. Mas é improvável que o presidente ou seus filhos permitam que ele se torne maior que Bolsonaro. Qualquer avanço nesse sentido colocará uma espada na cabeça de Paulo Guedes, o fiador da política econômica do governo (que tem apenas cem dias), e elevará a volatilidade dos ativos financeiros.

Fique ligado!

O presidente Jair Bolsonaro recebe nesta manhã, em Brasília, 400 convidados para celebrar os primeiros cem dias do seu governo. Embora o encontro lembre uma das reuniões do “Conselhão” (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social) criado pelo ex-presidente Lula, Bolsonaro vai mesmo é comemorar a data.

Contudo, o vai e vem de políticos e empresários deve catalisar a atenção do mercado financeiro que não perde a oportunidade de monitorar as articulações do governo em torno da reforma da Previdência.

A agenda de indicadores é fraca nesta quinta-feira. Um motivo a mais para que o mercado fique de olho em Bolsonaro que participará de almoço, no Rio, com conselheiros evangélicos.

O ministro Paulo Guedes (Economia) tem agenda em Washington.

O Ibovespa Futuro opera em queda na abertura dos negócios. O dólar sobe em direção a 3,84 reais.


Você está perdendo uma chance de ganhar dinheiro

Quer saber, em primeira mão, quais são as melhores oportunidades de investimento do momento? Libere aqui para receber as nossas notificações e não perca nenhuma chance.