Quero você trabalhando comigo

Nem parece, mas bitcoin está a 8% de atingir o preço máximo no Brasil, R$ 70 mil.
Quero você trabalhando comigo

BITCOIN PRÓXIMO A SUA MÁXIMA, MAS AINDA LONGE DO SEU POTENCIAL

Nem parece, mas bitcoin está a 8% de atingir o preço máximo no Brasil, R$ 70 mil.

No ritmo que estamos vendo a apreciação do ativo, acho que até o final de agosto atingiremos essa marca.

Muito provavelmente, a manchete já está preparada nos portais de notícias.

“Bitcoin ultrapassa máxima de R$ 70 mil e especialistas apontam risco de bolha”

“Samy Dana diz que bitcoin pode ser bom investimento, mas pede parcimônia”

Espero que de tanto me acompanhar por aqui você não tenha esperado até agora para alocar nessa classe de ativos.

Desejo que tenha ouvido o chamado abaixo quando o escrevi.

 “Mas, olhando pelo seu lado, que ainda segue firme e forte absorvendo conhecimento em cripto, esse realmente pode ser o fundo do poço.

[...]

Mas não estou dizendo para você dar ‘all-in’; longe de mim. A regra de investir aquilo que você topa perder vai valer ainda em 2019.

O que quero dizer é que parece que tempos melhores virão – ou pelo menos não serão tão ruins quanto em 2018.” 

Essas palavras foram escritas no início de 2019, período que apenas em retrospecto podemos tratar como início do nosso bull market atual.

Acredito que estamos sim no meio de um ciclo de alta, o ano de 2020 se parece muito mais com 2016 do que com 2017.

Digo isso porque, vendo o preço atual do bitcoin e o tamanho do mercado, percebo que a euforia era muito maior nesses mesmos patamares em 2017.

Muito provavelmente porque tivemos o rali de tudo (ou bear market do dinheiro), os ganhos de cripto não chamaram tanto a atenção quanto no primeiro ano do frenesi.

No entanto, reafirmo que estamos em um rali que promete ser diferente do que foi o de 2017.

Se Carlota Perez, estudiosa dos ciclos de tecnologia, estiver certa, o ciclo de crescimento desta vez vai ter muito capital institucional envolvido, e essa tese já dá as suas caras.

O fato mais marcante:

Paul Tudor Jones, lendário investidor bilionário, já alocou 2% do seu fundo em bitcoin.

O fato mais recente:

Hoje, a MicroStrategy, empresa listada na Nasdaq, anunciou que comprou US$ 250 milhões em bitcoin como parte da alocação do seu caixa.

“Nosso investimento em bitcoin é parte de nossa nova estratégia de alocação de capital, que busca maximizar o valor de longo prazo para nossos acionistas”, disse o CEO da empresa, Michael J. Saylor.

Com o capital institucional nessa classe de ativos, vamos atingir um tamanho de mercado superior a US$ 1 trilhão, o que significa um crescimento de 3 vezes o mercado atual.

É por estar vendo essa oportunidade que estou contratando uma pessoa para o meu time, pois vejo um potencial enorme ainda neste ciclo de alta.

Sei que você está por aí vagando em algum emprego no setor financeiro de que não gosta tanto e está louco para dar esse salto de fé no mercado de criptoativos.

Deixe-me falar do que vislumbro para esse mercado ainda neste ciclo para ver se convenço você a se inscrever na vaga.

Abaixo estão o desempenho dos dois produtos que assino na casa, o Crypto Legacy e o Exponential Coins, que se encontram nesta página.

Comparado com fundos locais, pelos quais guardo uma admiração sem tamanho, BLP Asset e Hashdex, tenho o orgulho de dizer que estamos na frente.

Olhando os fundos da Bitwise, empresa proponente do ETF de bitcoin e gigante do mercado cripto, também posso afirmar que estamos na frente dos fundos  Bitwise 10 Large Cap Crypto e Bitwise 100 Total Market Crypto Index, tanto no ano quanto nos últimos 12 meses.

Pode comparar ambas as carteiras (Legacy e Exponential) com várias outras que você vai encontrar fundos que superamos e outros que não superamos, mas, no final do dia, ainda temos um portfólio competitiva.

Basta ver a pesquisa divulgada pela PwC no início deste ano, na qual ela mostra que a mediana dos fundos de cripto conseguiu um rendimento de 30%, enquanto o Exponential Coins atingiu a marca de 51% de ganho no mesmo período.

No entanto, sinceramente, acho esses ganhos pequenos perto do que ainda entregarei aos meus leitores até a consolidação do mercado.

O tamanho a que essa classe de ativos pode chegar é algo entre US$ 40 trilhões e US$ 100 trilhões.

Se você não me achou um completo louco (ou idiota), eu tenho uma oportunidade para você.

Tenho uma vaga para compor o meu time que analisa o mercado cripto todos os dias.

Se você se acha capaz de me ajudar a continuar entregando bons resultados, ou melhores, aos leitores da Empiricus, se inscreva neste link.

Forte abraço,
André Franco