Sobre a nossa vigília, que é minha e sua

Enquanto você acorda, estou indo dormir. Logo mais, quando você for dormir, estarei acordando. Então bom dia para você que é arrojado. Mas, se for […]

Sobre a nossa vigília, que é minha e sua




Enquanto você acorda, estou indo dormir. Logo mais, quando você for dormir, estarei acordando.

Então bom dia para você que é arrojado. Mas, se for conservador, pode ser meu amigo também.

Na linguagem tosca do “suitability” (cama de Procusto), o investidor arrojado é aquele credenciado a escolher dentre todas as classes de ativos. Mais versátil, portanto.

Chamam por aí nosso marketing de arrojado. Devo presumir, por identidade, que se trata de um marketing versátil. Destacamos ambições individuais e também sociais. Uma coisa não exclui as outras.

Prova disso está na Nova Previdência, enfim saindo do forno, que deixará você mais rico (Ibov esticou para +2,27% ontem) e fará todos nós, como nação, mais ricos também.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

Publicitaremos a Nova Previdência assim como publicitamos a Oportunidade da Década. Natural que seja assim, pois elas são complementares, tal como eu (Empiricus) e você (leitor).

Estamos sentados lado a lado, vivendo nesta mesma casa, situada em uma ruazinha ortogonal, que corta a Faria Lima ao meio. Há algumas dessas vielas aqui no Itaim, geralmente despercebidas pelos engravatados de patinete acelerado.

Em tal casa, é como se você, leitor, estivesse acordado durante o dia e eu, Empiricus, permanecesse de olhos abertos durante a noite.

Dessa forma, o alcance de nossa consciência financeira é total, repartido igualmente em metade e metade.

Tudo aquilo que eu enxergo de errado durante a noite, conto a você aqui, no Day One.

Tudo aquilo que você enxerga de errado ao longo dia, conta para mim no e-mail testimonial@empiricus.com.br.

Assim vamos montando nosso réquiem – um grande trabalho para trazer paz ao espírito dos mortos e curar suas feridas.

Esses mortos, no caso, são cada real que perdemos ou que deixamos de ganhar, não pelas agruras de um investimento em si, que são sempre “cost of the business”, mas, sim, pela incompetência ou sacanagem de algum financista que teima em atrapalhar nosso sono, “cost of the bad business”.

Quando eu lhe digo bom dia, você me diz boa noite. Vamos juntos nessa vigília. E coitado daquele que quiser adentrar nossa casa sem ser convidado.