Carnaval, Copa e Eleições

Que lugar tem ocupado o Carnaval 2018, a Copa e eleições no seu foco para este ano?

Compartilhe:
Carnaval, Copa e Eleições

É aquela velha máxima: “No Brasil, o ano só começa depois do Carnaval”.

O próprio Felipe brincou com isso no seu Day One da Quarta-feira de Cinzas. Perguntava se a quarta já contaria como o primeiro dia do ano ou se 2018 só começaria na quinta-feira mesmo.

O fato é que o Carnaval é um feriado mal posicionado no calendário. Vou desagradar a muitos e muitas agora, mas eu mexeria nas datas, antecipando nossa grande festa popular para meados de janeiro. Antes que você reclame, já esclareço que sei que a marcação do Carnaval está ligada ao calendário cristão (que também define a Páscoa). E esta, por sua vez, acontece no primeiro domingo após a primeira lua cheia depois do Equinócio de Outono (thanks, Wikipédia). Mas sendo o Brasil um Estado laico, acredito que uma canetada daria um jeito de resolver isso.

Brinco aqui com a ideia de Carnaval para exemplificar como os tais conceitos coletivos atrapalham a condução de nossas vidas como indivíduos e, para trazer ao propósito das newsletters da Empiricus, como investidores individuais. Explico…

Já teria ficado obeso se tivesse ganho um picolé a cada vez que ouvi dizer que 2018 será complicado, pois é um ano com Copa do Mundo e eleições. Esses dois eventos espaçados no ano, combinados com o Carnaval, seriam suficientes, na opinião de muitos, para neutralizar qualquer iniciativa de concretizar algo de relevante. Afinal, o Brasil “para” durante a Copa do Mundo – isso sem contar a desacelerada que dá nos meses que a antecedem. E, uma vez encerrada a Copa, entra em cena a corrida presidencial. Como fazemos para tomar qualquer decisão quando tudo pode mudar com um novo presidente em 2019?

Errado!

Amo futebol. Agora, a não ser que sua ocupação esteja diretamente ligada a essa modalidade esportiva, ou a atividades relacionadas com o evento (comércio, serviços, etc.), adiar qualquer tipo de decisão por conta de um torneio não faz o menor sentido. Pelo contrário, enquanto os outros estão distraídos com a festa, boas oportunidades podem surgir.

Sobre as eleições deste ano, a exclusão do ex-presidente Lula do pleito, por conta da Lei da Ficha Limpa, dissipou consideravelmente a sua relevância para o seu (e o meu) futuro.

O espectro do petista e sua indesejada eleição projetavam uma gigantesca ameaça à estabilidade econômica do Brasil. De fato, em um país destroçado por políticas irresponsáveis (a Venezuela é o exemplo mais próximo e atual), há poucas chances de sucesso financeiro individual, a não ser daqueles ligados diretamente ao poder. Com Lula fora e com a esquerda esfacelada, abre-se caminho para um presidente de centro-direita, com ideias alinhadas às reformas e à estabilidade econômica.

Ah, mas e o radicalismo de Jair Bolsonaro? Deixando suas opiniões sobre costumes de lado, o próprio Bolsonaro já deu sinais claros de que deixará a economia por conta do seu eventual ministro da Fazenda, o professor Paulo Guedes. Ou seja, riscos controlados.

Dessa forma, as eleições passam a ter um caráter tão relevante quanto a Copa do Mundo. Veremos personagens pitorescos, teremos drama, confrontos e muitas emoções. Mas ao final, do jeito que o cenário está se arranjando, o seu futuro financeiro não deve sofrer grande impacto com o resultado. E isso é ótimo.

 
Governos em geral, e o nosso em particular, são exímios destruidores de valor, organismos que transferem riqueza dos que produzem para os que a destroem. Quem espera algo mais ou é ideologicamente de esquerda e/ou pertence a grupos de interesse que se aproveitam da máquina pública.

Tudo indica, pelo perfil da nossa base de leitores, que você pertence ao grupo dos que produzem riqueza. Portanto, o foco para este ano – e isso já deveria ter sido feito desde o dia 1° de janeiro –, deve estar sempre nas suas iniciativas individuais, incluindo aqui os seus investimentos. Carnaval, Copa e eleições devem ocupar o devido lugar na sua vida, na caixinha “Entretenimento”.

P.S.: E você, já baixou o app da Empiricus?