A delação do fim do mundo e os nossos investimentos

A delação do fim do mundo e os nossos investimentos

“E aí, Caio, preparado para hoje à noite?Opa, se estou! Já abri uma cerveja aqui na espera.

Será que o time se sai bem hoje? Jogo difícil, fora de casa…

Ahhhh, você está falando do jogo, né?

Olha, para ser sincero, nem parei para pensar. Estou contando os minutos para o Jornal Nacional de daqui a pouco. A Globo News está bacana. Tem até a Andrea Saddi hoje, mas nada se compara ao jornalzão do Bonner.”

 

Caro leitor,

Transcrevi acima um trecho de uma conversa telefônica com um amigo corintiano, na noite desta quarta-feira.

O nosso papo rolava enquanto eu dava refresh da página de O Antagonista e no meu aplicativo do Twitter.

Os primeiros vídeos da delação da Odebrecht estavam sendo disponibilizados e o impacto das gravações potencializava os conteúdos já divulgados desde o dia anterior.

Para desespero do Reinaldo Azevedo, a delação do fim do mundo simplesmente dizima o establishment político do País.

Agora começamos a ter noção das pútridas relações entre empresas poderosas e políticos desonestos, com perdão do pleonasmo.

Está claro que as estrutura viciadas vão muito além da ORCRIM arquitetada por Lula e seu Partido dos Trabalhadores.

Deixo as causas e explicações disso para historiadores e cientistas políticos, mas o fato é que hoje o rei está nu e roubaram até as suas roupas.

É simplesmente incrível como um grupo de jovens consegue transformar um País – estou falando aqui da turma da Força Tarefa da Lava Jato.

Competentes e dedicados, procuradores, policiais e, claro, o juiz Sergio Moro vêm conseguindo driblar todos os obstáculos e realmente reescrever a história do Brasil.

Como brasileiro, e pai de brasileirinhos, deixo aqui a minha mais profunda admiração para esses notáveis cidadãos.

E por que estou escrevendo sobre política agora?

Faço isso agora, pois estou convencido que são semanas como esta que determinam os rumos do País e, consequentemente, o sucesso de nossos investimentos.

Ao contrário do que pensam alguns açodados especialistas, considero aumentadas as chances de reformas no curto prazo.

Isso pode ocorrer até pelas razões erradas, como uma barganha em troca de lista fechada para a próxima eleição parlamentar.

Mas, aqui, claramente os fins justificariam os meios.

E, dentro de um horizonte mais longo, abre-se também o caminho para um futuro presidente identificado com valores propícios à construção de um país mais moderno e desenvolvido.

Como consequência, vejo como reforçada a tese da Quarta Onda, divulgada desde o começo do ano pelo Pedro Cerize.

Ou seja, bom para nós, investidores individuais.

No curto prazo, tudo é ruído, e o fluxo de notícias contribui para isso.

Cabe a nós separarmos devidamente o joio, e encontrarmos o trigo que nos alimentará por anos a fio.

Deixo vocês agora com os outros destaques da semana.

Boa leitura e muito obrigado,

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Gol contra
O craque da Seleção Brasileira Müller conta como perdeu todo o dinheiro que ganhou nos seus dias de glória. “A visão que eu tinha dentro de campo eu não tive para administrar o meu dinheiro”, diz. O ex-jogador de futebol revela como ‘quebrou’, chegando a viver de favor na casa de amigos. Ouça a entrevista com o campeão do mundo e conheça as recomendações para que você tenha, ao contrário do Müller, uma aposentadoria tranquila.
Saiba mais.

A voz da experiência
A vivência no mercado é um fator importante para quem investe em ações. “Tornam-se milionários aqueles que têm paciência de assistir a situações semelhantes, de novo e de novo, várias e várias vezes”, afirma Rodolfo Amstalden, editor da newsletter Grana Preta. Entenda como uma peça de teatro em Nova York o ajudou a chegar a esta conclusão.
Saiba mais.

Você contra os bancos
Investidores mostram a cara e contam como ganharam na bolsa com a estratégia Gamma Revenge. Essa metodologia permite que você tenha sua revanche pessoal contra os bancos, que costumam cobrar juros altos e taxas abusivas. O analista Bruce Barbosa explica em detalhes o racional dessa operação.
Saiba mais.

Segurança
Você acha que o Fundo Garantidor de Crédito cobre todos os investimentos que você possui no banco? Não é bem assim… Na Bonds & Buys desta semana, a consultora Beatriz Cutait lembra dos limites desta espécie de seguro a investidores de produtos bancários. Ela faz questão de ressaltar que nem todos os títulos são cobertos por esse fundo.
Saiba mais.

Risco zero
A garantia é de Ana Paula Vescovi, secretária do Tesouro Nacional, ligado ao Banco Central: “O Tesouro Direto tem risco zero”. Ela afirma com conhecimento de causa. Afinal, ela é a responsável pela venda dos títulos públicos federais. A analista Marília Fontes demonstra que, além da segurança 100 por cento, investir no Tesouro Direto foi mais lucrativo do que comprar ações nos últimos 10 anos. Veja os números.
Saiba mais.

Lâmpada Mágica
Ser cotista do Verde é um sonho para muitos, inclusive para a consultora Luciana Seabra, editora do A Hora dos Fundos. O portfólio, gerido por Luis Stuhlberger, rende 14.242 por cento desde que foi criado, em 1997 – uma lavada no CDI, que, no mesmo período, acumula 1.779 por cento. O enorme sucesso fez surgir uma série de produtos inspirados no Verde original. Descubra se vale a pena investir neles.
Saiba mais.

O segredo da Transilvânia para alívio da próstata
Você deve conhecer a Transilvânia por causa do Conde Drácula, famoso personagem que viveu em um castelo por lá. Mas há um outro motivo que deveria deixar essa região famosa no mundo inteiro – e que não tem nada de ficção: os homens de lá têm a próstata mais saudável do mundo. Sabe por quê? Ao contrário de todo o mundo, eles comem uma fruta com as sementes. Neste relatório, você saberá que sementes são essas e como elas podem diminuir sua próstata.
Saiba mais.

Novos tempos
MP3, Netflix, Uber… O analista Alexandre Mastrocinque, do Extreme Investment Ideas, aponta avanços tecnológicos para provar que é loucura olhar o mundo como era antes. Ele diz que sempre é preciso estar preparado para mudanças. “Não adianta brigar com novos modelos”, afirma. Entenda seus argumentos.
Saiba mais.

Armas contra a recessão
A série Grandes Encontros recebe Antonio Joaquim Oliveira, CEO da Duratex. Os analistas Carlos Herrera e Ariane Gil, do Empiricus Insider, conduzem a entrevista. O executivo fala, entre outros temas, do desafio de dirigir uma companhia que atua em dois segmentos tão distintos, painéis de madeira e louças e metais sanitários, durante a crise econômica. Confira na TV Empiricus.
Saiba mais.

40 milhões de dólares para Lula
As confissões de Marcelo Odebrecht na Lava Jato são avassaladoras. O Antagonista traz, entre outros conteúdos, a gravação em que ele revela a Sérgio Moro que o ex-presidente Lula pediu 40 milhões de dólares (sim, dólares) em troca de um financiamento bilionário de obras de interesse da companhia em Angola. O pedido ocorreu por intermédio do ex-ministro Paulo Bernardo. Ouça.
Saiba mais.

Conteúdo relacionado