Conteúdo publicitário
Conteúdo publicitário

Por outras conversas de elevador

Nota da editora: Olá, aqui é a Luciana. Hoje abri este espaço para a Ana Luísa Westphalen te contar uma história. Senta que lá vem… “O […]

Por outras conversas de elevador

Nota da editora: Olá, aqui é a Luciana. Hoje abri este espaço para a Ana Luísa Westphalen te contar uma história. Senta que lá vem…

“O Palmeiras é ruim, o Corinthians é o verdadeiro campeão.” Com essa mentira infundada meu filho foi recebido pelo vizinho, na nossa primeira semana de prédio novo. Minutos depois, superada a rixa inicial, os dois moleques de 5 anos já corriam juntos pelas escadas de emergência, como velhos conhecidos.

Palmeirense que sou, considerei esse um péssimo começo, mas não tinha mais como me afastar dos inimigos. Logo instaurou-se um ritual que seria repetido diariamente. As portas do 201 e do 203 se abrem e o 20° andar vira um território unificado. Léo junta-se aos irmãos alvinegros Nico e Kaká (a líder, de 8 anos). Completa a quadrilha meu cachorro, Marcos (homenagem a um santo protetor das traves). Todo dia é isso. E adoramos!

Impressionante o poder das amizades de prédio. Pouco tempo depois, estávamos todos reunidos no apartamento vizinho comemorando minha mudança de emprego. Quando você diz a alguém que vai trabalhar na Empiricus, ouve sempre as mesmas perguntas. “E aí, o trabalho dos caras é sério mesmo?” … “Quando é que vamos ver você no YouTube?” … “Por que mandam e-mails tão longos? Alguém lê aquilo até o fim?”

Mas faltou a frase mais clássica, que ficou para depois do toque de recolher da criançada (aquela contagem regressiva ameaçadora que só quem é pai ou mãe sabe fazer). Meu vizinho me chamou de canto e falou: “Ó lá, hein, Ana… quando souber de alguma dica quente por lá, fala pra gente!”. Fiquei com aquilo na cabeça.

Comecei na Empiricus há seis meses e o que não tem faltado é ideia boa de investimento, ainda mais quando sua rotina é estar em contato com os melhores gestores do Brasil. Mas tem um projeto em especial que me ganhou logo de cara, foi inclusive meu primeiro passo no mundo dos investimentos: a SuperPrevidência.

 

Leitura recomendada

Luciana Seabra mostra como lucrou (e ajudou os leitores a lucrarem) muito com ações sem precisar comprar ações. Ela ensina os assinantes da sua séria a investirem da mesma forma que os maiores investidores profissionais do mercado financeiro. E tudo depende de uma simples atitude, que pode te mostrar esse novo mundo de rentabilidade em menos de 24 horas. Veja aqui o recado que ela gravou.
 

Quem é que não tem medo de ter uma velhice decadente? Quem não tem um conhecido ou familiar condenado a depender dos outros até o fim da vida porque não se planejou financeiramente? Isso, para mim, é o pior dos destinos.

“Viu… vocês têm plano de previdência?”, perguntei aos meus vizinhos outro dia. Foi só o tempo de uma consulta aos extratos do Bradesco para que o casal desse adeus ao universo dos fundos que não rendem nada. Pediram a portabilidade para o FoF SuperPrevidência da Vitreo.

Não é louco que conversemos sobre tudo com os amigos e parentes – passando pela delicada tríade futebol, política e religião – e que falemos tão pouco sobre como nos preparamos para o nosso futuro?

Torço muito para que o papo em outros elevadores por aí também mude de “E o seu time, hein?”, para “Já entrou no app da Vitreo e viu como está rendendo nossa previdência?”. Ou “Legal que a Luciana e o Jojo estão aprimorando a carteira, né? Vai ficar show”.

Mantida a rivalidade saudável, agora temos um plano em comum; compartilhamos um projeto para curtir uma velhice feliz. Quem sabe quando essa hora chegar tenhamos mais tempo para desfrutar da piscina e da academia do condomínio?

A essa altura, a turminha estará solta no mundo, mas certamente trocará provocações sempre que tiver “Palmeiras-Corinthians, Corinthians-Palmeiras”, como diria o saudoso Roberto Avallone.

Muito legal isso de mudar o papo de elevador. Mas defendo que algumas tradições sejam mantidas. Tipo, em dia de derby, melhor cada um no seu apartamento.

SEU FUNDO

Hoje vamos sair do eixo Rio-São Paulo e falar sobre uma gestora mineira, a AF Invest, conterrânea da Luciana. A casa é um braço do grupo Araújo Fontes, fundado em 1990 para assessorar empresas de médio porte em processos de fusões e aquisições e renegociação de dívidas, entre outros serviços estratégicos.

Apesar de pouco conhecida na Faria Lima, a AF Invest tem dez anos de história, está em todas as plataformas de distribuição e é responsável por gerir um patrimônio de 4,5 bilhões de reais.

Entre os produtos disponíveis para o varejo, estão três fundos: um de ações e dois de crédito privado, que chamam a atenção pelo retorno consistente ao longo da última década. O gestor principal é Pedro Sternick, que tem 18 anos de experiência na área de crédito.

Todo mineiro que eu conheço é desconfiado, o que me leva a crer que eles são as pessoas certas na missão de selecionar ativos seguros para compor uma carteira de crédito privado. No fim das contas, o trabalho de um gestor da categoria é escolher para qual empresa e empreendimento emprestar dinheiro.

Brincadeiras e regionalismos à parte, crédito privado é a categoria com a qual somos mais criteriosos aqui na série Os Melhores Fundos de Investimento.

Agora que conhecemos os gestores, o próximo passo é fazer uma avaliação completa dos produtos, sob parâmetros quantitativo e qualitativos, além de gastar sola de sapato conversando sobre a casa com pessoas de peso no mercado.

Quer conhecer quais fundos de crédito privado já passaram por nossa peneira e entraram para a lista de produtos indicados? Vem cá.


Você está perdendo uma chance de ganhar dinheiro

Quer saber, em primeira mão, quais são as melhores oportunidades de investimento do momento? Libere aqui para receber as nossas notificações e não perca nenhuma chance.