E o bloco “Enquanto você chora, eu aproveito as oportunidades” toma conta das ruas da cidade

E vem bloco de fora por aí

20090713101167_brasilinvest 

Prezado Leitor,

A atividade de incorporação tem características interessantes e diferentes da maioria de outros segmentos da economia. Uma delas é o longo ciclo para o término de um produto. É muito comum um período de três a cinco anos para realizar o ciclo completo de um empreendimento – compra do terreno, aprovação do projeto, venda, construção e finalmente a entrega.

Neste período, o mundo pode mudar. Linhas de financiamento que antes estavam disponíveis podem desaparecer. Os custos sobem e os gerentes do empreendimento vão embora da empresa. Descobre-se que faltavam itens no projeto que não foram colocados no orçamento. Os clientes podem perder o emprego, diminuir a renda e ter de devolver os imóveis.

Esse enorme ciclo é um grande desafio. Há casos em que o incorporador pode estar pagando para entregar um produto. Se você juntar isso com alguns clientes fazendo devoluções, forma-se um cenário em que não só o custo é maior do que as receitas, mas uma parte considerável destas está travada por falta de venda.

Se o incorporador tem um ou dois empreendimentos nesta situação, não há muito problema. Mas quando são muitos empreendimentos, a situação pode complicar. Uma empresa que tenha um futuro brilhante pela frente pode ter dificuldades no curto prazo pelas más decisões tomadas três, quatro ou cinco anos atrás.

E é um bloco estrangeiro!

Neste contexto, não me espanta a matéria na revista Exame, do início de fevereiro, sobre a iniciativa de investidores estrangeiros estarem aproveitando o momento para comprar ou participar de empreendimentos imobiliários, obtendo descontos expressivos de incorporadores com problemas.

Também não se espantaram com a notícia os assinantes desta série de Imóveis que já conheciam tais oportunidades desde o relatório de novembro passado. Esses leitores sabem onde estão e quanto esperar de desconto em bons negócios imobiliários.

Que tal seguir as premissas de um dos melhores passistas (gestores) brasileiros, Luis Stuhlberger? —-> Exclusivo para assinantes da série Imóveis

unnamed

 E como interpretar as notas de evolução do índice Fipe-Zap? —-> Exclusivo para assinantes da série Imóveis

unnamed

Até semana que vem.

Um Abraço,

Marcio Fenelon

Conteúdo relacionado