Vamos acabar com os escritórios?

Empresas procuram alternativas que eliminam a necessidade do espaço

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
Vamos acabar com os escritórios?

Nota da editora: Chegamos à terceira aula do curso “ Imóveis para leigos – os primeiros passos para compradores e investidores.”As aulas gravadas estão disponíveis para todos os assinantes do Valor Imobiliário e podem ser acessadas em sua página de assinaturas.

 

Caro leitor,

Na semana passada, nos propusemos a iniciar uma discussão sobre as ameaças de ruptura  dos vários segmentos de negócio imobiliário. Discutimos possíveis efeitos do comércio eletrônico sobre a demanda por lojas físicas e galpões de logística.

Hoje, o alvo é o segmento de escritórios.

Manter um escritório é muito caro. Em Hong Kong, o aluguel de 1 metro quadrado custa em média R$ 600 mensais. Levando-se em conta que cada funcionário precisa de 11 metros quadrados, temos um custo de R$ 6.600 por funcionário!

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

Nas regiões mais caras do Brasil, falamos de preços médios de até R$ 275 por metro quadrado, o que levaria a um alto custo, de incríveis R$ 3.025 mensais por funcionário, somente com aluguel.

Com um custo tão alto, será que as empresas pensam em alternativas que acabem com a necessidade de escritórios?

Presença virtual

Já existem softwares que podem ser instalados em laptops que permitem um monitoramento de um funcionário que trabalhe de casa (ou do Starbucks). O empregador pode monitorar horários e tarefas realizadas.

Há também ferramentas populares de comunicação via vídeo, como o Skype e o  Hangout do Google, que possibilitam a conexão imediata a qualquer um que tenha um smartphone ou computador.

Há pouco tempo, essa mesma conexão só era possível com uma linha de comunicação dedicada, uma sala especial e equipamentos caríssimos. Era a famosa sala de conferência virtual. Muito chique, mas ultrapassada.

É inegável, porém, que esse modelo de comunicação fica longe do ideal para equipes que estão envolvidas em atividades mais complexas e precisam de interação constante. Se você precisa marcar um Skype ou mandar um e-mail para resolver pequenas questões frequentemente, a presença virtual é contraproducente.

Imagine uma mesa de operações no mercado financeiro em que os operadores precisam trocar informações a cada minuto, por exemplo. Ou nos casos em que diretores de uma empresa que trabalham numa sala aberta, na qual ficam trocando ideias sobre negócios que estão sendo desenvolvidos o dia inteiro.

Além dessa necessidade de comunicação imediata, existe um valor nas interações espontâneas que acontecem no cafezinho, nos corredores, nas salas de reunião ou no bebedouro. Muitas ideias e negócios ocorrem nesses momentos. Por último, existe a questão de maturidade e disciplina de funcionários que trabalham fora do escritório e podem se perder no gerenciamento de tempo, perdendo o foco e dando prioridade para questões caseiras, sem que o chefe tenha ideia do que está acontecendo.

Skype e Hangout definitivamente não são a resposta para uma interação de escritório de alta produtividade. Uma tecnologia desenvolvida pela DoubleRobotics, entretanto, indica um novo caminho, porém, bem estranho.

São pequenos robôs com câmeras e tablet acoplados que se locomovem por controle remoto, trazendo uma presença física para o funcionário que está trabalhando remotamente. Possibilita aquela conversa casual, transporta o funcionário para uma presença física em tempo integral e facilita a comunicação.

Embora melhor, essa solução parece incompleta. A tecnologia ainda coloca o escritório no  centro da interação. É mais uma solução para a exceção do que uma substituição do escritório. Há a necessidade de um espaço de encontro e parece difícil conciliar centenas de robôs trabalhando em um mesmo espaço.

É um avanço em relação a Skype e Hangout, e certamente reduz marginalmente a demanda por espaços de escritórios, porém, não é a tecnologia que acaba com os escritórios.

O mercado freelance

A segunda tendência que contribui para a redução da demanda de espaço em escritórios é o mercado freelance . São pessoas que recebem contratos para realizar determinada tarefa, sem manter vínculo empregatício. Com o encerramento da tarefa, acaba o relacionamento com o contratante.

A economia freelance tem crescido no mundo inteiro, porém, ainda parece estar muito restrita a negócios ligados à internet, área que naturalmente mais se encaixa. Uma pesquisa feita pela Prolancer indica que 36% de seus clientes são designers gráficos e 29%, programadores web. Ainda é um mercado de nicho. Uma mudança cultural mais profunda, espalhando esse tipo de prática para outros setores está longe de acontecer no Brasil.

 Compartilhamento

Você não tem direito a uma mesa fixa se trabalhar em uma empresa do Grupo Semco, de Ricardo Semler. E você encontra a mesma situação em algumas unidades da Unilever, General Eletric, Votorantim Cimentos e Jones Lang LaSalle. Acontece que os funcionários dessas empresas viajam muito, estão constantemente visitando clientes e fornecedores ou trabalham alguns dias da semana em suas casas, deixando mesas vazias por muito tempo. E espaço vazio é muito caro.

Essas empresas resolveram que ninguém teria mesa fixa. Cada um recebe um armário para guardar suas coisas e tem de procurar uma mesa no começo do dia. Assim,  a necessidade de espaço é reduzida em 20% ou 30%. Acredite, é um bom dinheiro no fim do mês. De todas as tendências, essa me parece a mais real e factível de todas e que irá efetivamente impactar a necessidade de espaço no mercado brasileiro.

Não me surpreenderia ver movimentos de consolidação de escritórios de empresas usando esse artifício.O azar será daquele funcionário que sempre aparece no escritório e pode ficar muito chateado em ter de levantar acampamento todo fim de dia. Para as empresas, parece ser um preço pequeno a se pagar ; porém, esse é mais um modelo que não mata escritórios, apenas diminui a necessidade de espaço.

Não vamos acabar com os escritórios

Não há no radar nenhum tipo de tecnologia ou mudança cultural que nos leve a acreditar que a necessidade de escritórios acabará no futuro. As interações pessoais ainda têm muito valor e as empresas estão pensando apenas em maximização de utilização de espaços e não de sua eliminação por completo.

Investidores em escritórios podem respirar aliviados.

 

Abraço,

Conteúdo recomendado