Carta ao meu banco

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer pela disposição em investir em um fundo o dinheiro que fica parado na minha conta-corrente. Essas aplicações nunca foram muito rentáveis, mas melhor ganhar um dinheirinho do que nada. nada. Recentemente, entretanto, esse balanço tornou-se desigual demais para mim.

Compartilhe:
Carta ao meu banco

Caro executivo e cara executiva do banco,

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer pela disposição em investir em um fundo o dinheiro que fica parado na minha conta-corrente. É um baita de um serviço, bastante cômodo.

Essas aplicações nunca foram muito rentáveis para mim, com taxas de administração que ultrapassam – em alguns casos por larga margem – os 2%. Mantive, entretanto, pelo conforto: melhor ganhar um dinheirinho do que nada.

Recentemente, entretanto, esse balanço tornou-se desigual demais. Como já diria Gregory Mankiw (meu primeiro contato com a Economia ainda na aula de introdução), o comércio não é como uma competição esportiva, em que um lado ganha e o outro perde. Ele pode ser bom para todos. Eu acredito nisso.

Diante da redução na meta para a Selic, que serve de referência para os juros de toda a economia, promovida pelo Banco Central nos últimos 12 meses – estou certa de que seus economistas acompanharam esse movimento –, os fundos automáticos, mais do que nunca, se tornaram bons somente para o banco.

Vejamos o BB Automático, apenas como um exemplo. Minha irmã deixou 10 mil reais parados na conta corrente do Banco do Brasil no começo do ano passado. O dinheiro caiu automaticamente no tal do fundo. Ao fim do primeiro trimestre, ela tinha ganhado 161,20 reais líquidos. Menos do que a poupança, mas pelo menos barrou a inflação.

Os mesmos 10 mil reais esquecidos na conta-corrente no primeiro trimestre deste ano renderiam para a minha irmã 52,70 reais, quase a metade. Dessa vez, a inflação do período, mesmo baixa, de 0,7%, comeu tudo. Ou seja, mesmo com o fundo automático, minha irmã perdeu poder de compra no período.

Ganhar da inflação não é suficiente, mas é o mínimo que espero de um fundo automático.

Enquanto a situação econômica mudou – os juros caíram e, com eles, o rendimento do fundo –, o BB continuou ganhando exatamente os mesmos 3,7% de taxa de administração ao ano. Ou seja, 92,50 reais no primeiro trimestre de 2017 e também no mesmo período deste ano.

Então vejamos o que aconteceu nesse um ano:

– a meta para os juros caiu de 14 para 6,5% ao ano;

– o retorno depois de impostos caiu de 531,20 reais para 422,70; – a fatia da minha irmã caiu de 161,20 reais para 52,70;

– a sua fatia ficou fixa em 92,50 reais!

O bolo todo encolheu, a fatia da minha irmã encolheu e a sua continuou igual. Pior: ficou maior do que a da minha irmã, que é a dona do dinheiro investido.

Não soa discrepante isso?

Cota Murcha

Para ser justa, o BB não está sozinho nessa. Veja o fundo automático do Banrisul, com taxa de 5,5% ao ano, e o Safra Prático Aplicação Automática, com 4,75%. Os dois perdendo para a poupança e a inflação – e com patrimônio que ultrapassa meio bilhão de reais.

Caros executivos do Banrisul e do Safra, também confio em vocês para baixar ao menos um pouco essas taxas. A situação ficou desequilibrada demais desde a queda dos juros.

Cota Cheia

Aos que defendem que é impossível ter taxa baixa em um fundo com tíquete baixo e grande giro de cotistas, mirem-se no exemplo do BTG.

O fundo de caixa da gestora tem taxa de 0,2% ao ano. Sim, sem nenhum número antes da vírgula. E, desde a semana passada, reduziu a aplicação mínima de 3 mil reais para 1 mil reais. O fundo já ultrapassa 1 bilhão de reais de patrimônio.

O senhor quer conhecer outros exemplos de fundos baratos com saque rápido para a reserva de emergência? Então venha aqui comigo.

Apelo

Dado que um bom negócio é o que é bom para todos, e que quero continuar contando com o fundo automático para o dinheiro que dorme parado em conta-corrente ao menos para superar a inflação, escrevo essa carta com um apelo para que o senhor (ou a senhora) considere uma redução de taxa de administração.

Grata,

Luciana Seabra

P.S.: Se você faz uso de um fundo automático e concorda com esta carta, encaminhe para a ouvidoria do seu banco ou compartilhe nas redes sociais. Juntos somos mais fortes.