Amor a 100 reais

Muito se evita colocar a relação entre um homem e uma mulher e o dinheiro na mesma frase (fora do contexto da promiscuidade, digo). Mas, sim, o dinheiro faz parte do amor. Pode espernear, mas é a verdade.

Compartilhe:
Amor a 100 reais

“Rabih e Kirsten vão se casar, sofrer, se preocupar muitas vezes com dinheiro, primeiro terão uma menina, depois um menino, um deles trairá o outro, haverá períodos de tédio, às vezes vão querer matar um ao outro e, em algumas oportunidades, se matar. Essa será a verdadeira história de amor.” – Alain de Botton, em “O Curso do Amor”

Muito se evita colocar a relação entre um homem e uma mulher e o dinheiro na mesma frase (fora do contexto da promiscuidade, digo). Mas, sim, o dinheiro faz parte do amor. Pode espernear, mas é a verdade.

Eu, que talvez por trabalhar com investimentos seja escolhida com frequência como confessionário, posso dizer a você: se o tema dinheiro tem sido evitado na sua casa, é bem provável que seu parceiro (ou parceira) esteja desabafando sobre ele com outra pessoa.

Minha mãe parou de trabalhar para cuidar de mim e dos meus irmãos. Quer saber se ela gostou de ter aberto mão de sua independência financeira? Olhe para mim debruçada sobre o trabalho até meia-noite e encontre a resposta.

Tenho para mim a regra da Cleide Bartholi no livro “Até que o Dinheiro nos Separe”. A partir de consultas com jovens entre 25 e 35 anos, ela concluiu que o regime que mais funciona é aquele em que cada um tem o seu dinheiro, com o qual pode fazer o que bem entender, e, para os gastos em comum, vale a regra da proporcionalidade: se eu ganho o dobro, pago dois terços das contas.

Conheço quem leve a regra ao pé da letra: se a conta do gás deu 30 reais, um paga o boleto e o outro transfere 10 reais. Pelas confissões que eu ouço, posso dizer que mesquinharia também fere o amor: que tal quem ganha menos pagar o gás e o outro, a Net?

O psicanalista Contardo Calligaris, que já se casou oito vezes e tem uma das visões mais esclarecidas que conheço sobre o casamento, já confessou em uma entrevista que para ele, sim, amor e dinheiro têm tudo a ver. “Eu mesmo assumo que não conseguiria ficar casado com uma mulher que ganhasse mais do que eu”, disse. Juro amor eterno ao homem que conseguir.

Claramente, rola muita maturidade quando as duas esferas se combinam, não é mesmo?

Agora, peço que feche os olhos e imagine vocês dois velhinhos: ele com aquela mania chata de respirar muito rápido e você arrastando o chinelo pela casa só para irritá-lo. INSS? A julgar pelo caminho da reforma da Previdência, será objeto de museu.

Sobrará tempo, faltará dinheiro. Viagem? Cinema? Vinhozinho? Não vai dar.

Aí vocês se lembrarão deste dia em que eu disse que abril é o melhor mês para você começar uma previdência – e você não deu a mínima.

Por que a pressa? Porque as seguradoras entraram no modo competição – aquele em que definitivamente não há amor – e estão com condições especiais de contratação. Vou dar dois exemplos claros, um para você que ama o banco e um para você que não tem mais esse tipo de apego.

Uma das melhores gestoras do país acaba de abrir um fundo multimercado de previdência que investe até no exterior. E você pode contratá-la com apenas 100 reais por mês, na Icatu, somente em abril.

Se alguém disse a você que previdência privada é ruim e você tem usado isso como desculpa para não abrir uma, digo que de fato é ruim. De forma geral. Do total em previdência, 95 por cento estão investidos em renda fixa, sem a diversificação recomendável para um investimento de longo prazo.

Há, porém, belas exceções. As regras têm avançado muito e, de três anos para cá, nasceram planos de previdência que investem em diferentes tipos de ativos, geridos por gente muito boa.

Prometi outro motivo para você abrir uma previdência em abril. Essa é para você que é casado ou casada com o banco. O Itaú não vai cobrar taxa de carregamento do cliente Personnalité que contratar uma previdência somente em abril. A prateleira tem produtos ruins, mas tem bons também para quem vai atrás.

A taxa de carregamento é o custo mais nocivo do mundo da previdência, porque incide sobre cada aporte na largada. Você investe mil reais e, antes mesmo de dar qualquer retorno, a seguradora leva de você 20, 30, 50 reais. Isso a cada investimento! E além da taxa de administração. Aqui definitivamente não há amor pela sua construção de patrimônio.

Convencido? Quer saber em que fundo exatamente investir? Estudar e escolher os melhores produtos do mercado é meu trabalho. Posso ajudar você aqui.

Seu fundo

Tenho recebido a sugestão de investimento no fundo de ações Tarpon GT. Gostaria que falasse sobre ele. – Flavio N.

Flavio, a gestora Tarpon é mais conhecida pelo investimento concentrado em poucas empresas, das quais participa do dia a dia. O Tarpon GT é o filhote mais novo da casa, com um perfil mais parecido com os demais fundos de ações do mercado. O produto tem como regra, inclusive, não investir nos ativos que estão na carteira do outro fundo.

Hoje fiz diferente e, atendendo a pedidos, gravei um bate-papo com o gestor do fundo, Rafael Maisonnave. Confira abaixo:

Mais dinheiro, por favor

Sim, eu acredito no amor – aquele sentimento que bate no aconchego do hotel no meio do mato, nas gargalhadas entre um drink e outro, na poltrona do avião rumo a um lugar qualquer. Não me julgue.