Sua primeira planilha financeira

Utilize essa planilha financeira para organizar seus gastos e começar a investir o dinheiro que sobra na conta

Compartilhe:
Sua primeira planilha financeira

Para colocar em prática todas as boas atitudes que defendemos aqui, um grande desafio foi lançado entre a equipe. Não podíamos ficar apenas no “faça o que eu digo”.

Então, foi sugerido para uma das colaboradoras que começasse a fazer sua planilha financeira. E que fizesse uma espécie de diário, relatando seus desafios.

Formada em Linguística, ela é responsável pela revisão dos nossos textos e não tinha grande contato com o universo da Economia antes de vir trabalhar na Empiricus. Agora, está devorando livros de economia nas suas horas livres para nos ajudar na missão de traduzir o “economês” para uma linguagem descomplicada.

Hoje, você também receberá o desafio de seguir os primeiros passos da nossa revisora e assumir um compromisso sério com sua planilha pessoal de rendas e despesas. Já está disponível um modelo de planilha para você fazer o download e começar a organizar seu dinheiro.

Por que ter uma planilha financeira para o controle de gastos?

Depois de estar familiarizado com suas próprias finanças, ou seja, com todos os gastos mensais de curto e longo prazos que possui, você será capaz de saber o quanto pode economizar e investir mensalmente. Saber disso já é motivação suficiente para aceitar e cumprir esse desafio com sucesso.

Mas se ainda tem aquele mês em que simplesmente você não consegue pagar todas suas contas, já está na hora de mudar isso! Em vez de pagar altos juros do cartão de crédito e multas pelo atraso de pagamentos, você vai poder assumir um compromisso com você e com o seu futuro por investir esse dinheiro.

Porém, antes de se tornar um investidor que angaria grandes lucros, é preciso que tenha consciência das suas finanças. E, nesse ponto, a planilha é uma das ferramentas que pode ajudá-lo.

Para cumprir esse desafio, você só vai precisar fazer duas coisas:

  • Dedicar um pouquinho de tempo para preencher as informações;
  • Reunir TODOS os seus gastos.

O tempo a ser dedicado para o preenchimento e a administração dos dados não precisa ser extenso. A ideia não é cansar, mas sim não se perder entre um gasto e outro. Apenas 30 minutos por semana é tempo suficiente.

Por que devo usar uma planilha, e não um aplicativo?

Embora existam muitos aplicativos voltados ao controle de gastos, eles não são tão completos e exigem assinatura da versão paga para fornecer mais funcionalidades.

O arquivo que criamos é simples, completo, gratuito e você não precisa ter conhecimentos avançados em Excel. Ele é intuitivo. Basta preencher os campos.

Se você for uma pessoa que gosta e entende mais de tecnologia, também é possível salvar o arquivo na nuvem, acessá-lo e atualizá-lo em tempo real de onde estiver.

Vamos ao depoimento da nossa revisora:

Me formei recentemente, comecei a morar sozinha e a ter gastos que nunca tive. Achei que ia enlouquecer com tantas contas, boletos e obrigações. Por isso minhas atitudes em relação ao dinheiro começaram a mudar.

Comecei a notar os preços dos meus consumos e, mais importante, vi que não quero depender do governo para ganhar uma mísera aposentadoria. Então, comecei a me preocupar, de fato, com o meu futuro, com o rumo que estou dando para o meu dinheiro.

Estou apenas começando minha vida no mercado de trabalho e, como pagadora de contas, não quero ser desajuizada com minha renda. Agora, aprendi que atitudes financeiras positivas tendem a gerar lucros inacreditáveis no futuro.

Minhas finanças

Não sou nenhuma especialista em dinheiro. Mas consigo administrar muito bem minhas contas, cartões, o carro e a casa.

Sempre acreditei que conhecimento básico de finanças pessoais não deve ser objeto apenas de economistas e estudiosos do assunto. Qualquer pessoa, independente da profissão que tem, precisa conhecer esses princípios necessários à administração da vida financeira.

Controlando o meu dinheiro

Me mudei para São Paulo para trabalhar na Empiricus. Me vi rodeada de economistas, consultores financeiros, administradores e tantos outros especialistas em dinheiro. Foi inevitável! Aquela coisa ficava na minha cabeça: “você tem que fazer sua planilha financeira… você precisa começar a pensar no seu futuro… cadê seu controle de gastos?”.

Em uma reunião de pauta pediram que eu fizesse minha planilha financeira. Achei que seria um bicho de sete cabeças, mas já aviso que não é. No começo pode não ser tão fácil, mas quando você pratica todo dia é como escovar os dentes, sabemos como fazer.

Resolvi lutar contra o sentimento de postergar esse desafio. Reuni todas as minhas contas mensais, boletos, faturas, e preenchi TUDO o que eu pude no arquivo. Desde aquela passadinha no supermercado até as contas mais altas.

Resultados do planejamento de gastos

Não fiquei milionária por causa da planilha. Esse não é o ponto. Mas mudei minha forma de administrar meu dinheiro. Comecei a reparar no preço dos produtos no supermercado, nos quilômetros rodados por semana, no gasto com combustível e na graninha deixada no happy hour.

Passei a ter noção do que era salário líquido, salário bruto e como o governo cobra impostos do trabalhador (que, convenhamos, é um absurdo!). Aprendi que não importa o quanto eu contribua para o INSS, nunca receberei uma aposentadoria que me proporcione uma velhice tranquila e justa.

E, finalmente, por visualizar meus gastos em um gráfico, pude ver claramente a parte da minha renda que era jogada pelo ralo, era gastada com futilidades. Comecei a poupar e a ver onde eu poderia mudar o meu estilo de vida de modo a poupar mais ainda.

Por exemplo, em vez de ir ao supermercado, eu comprava frios na padaria. A diferença do preço é absurda! Eu lavava o carro a cada 15 dias, mas conclui que se eu tomasse cuidado para não sujar, poderia diminuir o número de lavagens.

À primeira vista, podem parecer coisas bobas, mas com os poucos R$ 30 que eu deixava ir para o ralo todo mês, eu já pude investir no Tesouro Direito. 

Alimentando a planilha financeira

É importante reservar um horário para organizar as finanças. Eu, por exemplo, quando chego em casa gosto de tomar um café e dar o “break” do dia. Agora, em um dos dias da semana uso esse tempo para passar meus gastos a limpo. Mas não fico sem atualizá-los por mais de uma semana, porque posso esquecer algum gasto no meio do caminho.

Sua planilha deve ser coerente com o seu estilo de vida. Eu comecei por despesas domésticas, que são minhas maiores preocupações, depois o carro e outras despesas. Por final, presentes, cosméticos e viagens.

Quando você começar a notar avanços no seu modo de pensar sobre o dinheiro e a ver diferenças nos resultados dos seus gráficos, dê um passo à frente: pense nos seus investimentos e aposentadoria. Essa é a fase na qual estou!

Agora é a sua vez de controlar as finanças

O exemplo da nossa querida amiga revisora mostra que se você dedicar um tempo para o controle do seu dinheiro, logo poderá se transformar em um investidor, o que vai lhe permitir diversas realizações.

Investir é como uma bola de neve: quanto mais dinheiro você investe mais lucro você pode ter.

De qualquer forma, não é sábio sacrificar suas necessidades, seu bem-estar. É por isso que analisar os gastos mensais em uma planilha o ajudará a visualizar o dinheiro que está sendo utilizado em coisas desnecessárias e que poderia ser investido.

Sendo assim, peço que você comece a fazer sua planilha financeira. Sabemos que existe um abismo entre a intenção e a realização. Mas jamais desista de cuidar do seu dinheiro por falta de informação ou de orientações claras.

E continue acompanhando as nossas newsletters gratuitas. Sempre damos as recomendações mais simples, diretas e precisas para suas finanças pessoais e seus investimentos.