Fora da média

00:07 - Da China para o mundo

Inflação ao consumidor continua desacelerando rápido na China: rodou a apenas +1,3% ao ano em outubro, contra +1,6% em setembro.

E eu com isso?

Deflação ao produtor é ainda mais preocupante (-5,9%), marcando o 44º mês consecutivo de queda.

Veja, então, que não estou falando de outubro de 2015, mas sim de uma tendência claramente firmada.

O que acontece com a China agora – e, em parte, com o Brasil – começou lá em 2007.

01:13 - Do mundo para os emergentes

A grande crise financeira que eclodiu nos EUA em 2007 pode ser dividida em três partes.

Primeiramente, é claro, experimentamos o contágio via subprime americano, que culminou na quebra da Lehman.

Poucos anos depois, tensões análogas de sobre-endividamento se irradiaram sobre a Zona do Euro, tomando a Grécia como epicentro.

E agora é a vez dos mercados emergentes.

Como descemos até este terceiro degrau?

Quem explica é Jim Rickards, estrategista global da Agora Inc, agora traduzido ao português pela Empiricus.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

02:23 - Brazil, referência global

Nem EUA nem Europa conseguiram resolver efetivamente seus problemas. O paliativo encontrado se deu no corte das taxas de juros e nos programas de afrouxamento quantitativo, ainda majoritariamente em voga.

É como se EUA e Europa tivessem optado por desalavancar seus balanços às custas da alavancagem dos mercados emergentes, incentivada à época pelo forte crescimento de tais mercados (sobretudo da China).

As métricas de dívida dos emergentes aumentaram exponencialmente nos últimos anos… sem que o crescimento do PIB acompanhasse esse endividamento.

No caso brasileiro, o fenômeno é particularmente emblemático.

Nosso PIB não só deixou de crescer, como passou a recuar ao ritmo de -3% a.a.

E enquanto a China tem deflação, retomamos uma superinflação de dois dígitos.

Provou-se determinante a contribuição trágica do Governo Dilma dentro de um cenário internacional já desafiador.

03:22 - Nosso falcão é pombo

A solução mais sustentável pede a desalavancagem de nosso balanço tupiniquim, que depende principalmente de economias feitas pelo setor público.

Por isso, Joaquim Levy briga dia a dia pelo tal do ajuste fiscal, à sombra de Meirelles.

Um outro caminho – à la Rui Falcão – estabelece que devemos estimular o PIB sem ajuste fiscal, bombando o crédito ao consumo e captando empréstimos internacionais.

Esse “outro caminho”, tenebroso, configura o maior risco à economia brasileira neste momento.

Aquilo que apelidamos de O Terceiro Mandato de Dilma – por ora mantido afastado sob limites tênues.

04:25 - Congratulações

Mas hoje é dia de aniversário daqueles que, em vista a tantas ameaças, ousam apostar na Virada de Mão.

Abordemos, portanto, coisas mais agradáveis

Convido você a aproveitar a promoção especial do Aniversário de seis anos da Empiricus.

Em comemoração à marca, estamos oferecendo assinaturas em dobro, somente nesta terça-feira.

Obrigado a todos pelo apoio até aqui.

Retribuiremos por meio de análises independentes, que resultem em recomendações valiosas para o seu patrimônio.

Não posso garantir que sempre daremos dicas acima da média, mas estou certo de que elas serão fora da média.

Links Recomendados

Sua confiança é que nos fez completar esses 6 anos

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: When two become one (exclusivo PRO)
.: O 3T15 de Seguridade (exclusivo PRO)
.: Refeição endividada (exclusivo PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado