Conteúdo publicitário
Conteúdo publicitário

Iguais, só que diferentes

Bolsas subindo com Fed dovish, mas preferimos pensar que foi por causa dos vetos mantidos pelo Congresso brasileiro. Joaquim Levy se empolgou por ter barrado […]

00:06 - O movimento é bem sexy

Bolsas subindo com Fed dovish, mas preferimos pensar que foi por causa dos vetos mantidos pelo Congresso brasileiro.

Joaquim Levy se empolgou por ter barrado a pauta-bomba.

Aversão a perdas é mais importante do que propensão aos ganhos.

Acontece que essa vitória acabou subindo à cabeça do Governo, que já aproveitou para incluir a CPMF na proposta orçamentária de 2016.

Barrar pauta-bomba é uma coisa, aprovar imposto-bomba é outra bem mais complexa.

01:15 - Fazenda do mesmo saco

Podemos mesmo condenar a empolgação de Levy, depois de ele ter encarado tantas derrotas sucessivas?

A vida de ministro da Fazenda não é fácil, pois o economista é um bicho estranho em meio aos políticos (ou, mais provavelmente, vice-versa).

A política entende a economia, mas o contrário não se aplica com frequência.

Em seus Diários da Presidência, FHC analisava a postura de Pedro Malan ao início do mandato.

“Acho que faltou jogo de cintura ao Pedro para lidar com o senador, que é líder do maior partido! Esse pessoal pensa que dá para lidar com políticos somente mostrando o certo e o errado, sem que discutam os interesses deles”.

“Esse pessoal”, no caso, são os economistas como Levy e Malan.

02:23 - Pingue-pongue

Levy deu apoio moral e financeiro para Alckmin lançar hoje seu novo plano de concessão.

R$ 13,4 bilhões em rodovias, aeroportos, ônibus e metrô.

Na outra ponta, em entrevista à Folha, Armínio Fraga estimulou Dilma a lançar também mais concessões federais: “a ideia é boa e, em tese, tem chances de sair”.

Como tudo é urgente, ajuda se focarmos naquelas raras ideias que interessam tanto à situação quanto à oposição.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

03:22 - O tempo e o vento

A conjuntura política, aos poucos, vai parecendo menos pior.

Já o cenário econômico continua piorando; não tanto por novos erros, mas sim porque os velhos erros foram gravíssimos, e demoram a se manifestar.

Hoje soubemos que, em outubro, o desemprego alcançou 7,9%. Para se ter ideia, em outubro do ano passado, o nível de desocupação estava em 4,7%. É um salto impressionante.

Agora fica claro que nossa projeção – feita em junho de 2014 – de 10% de desemprego é absolutamente crível.

Dentre todas as projeções “pessimistas” que fizemos (câmbio, IPCA, Selic) essa do desemprego é a que mais queríamos ter superestimado, pois seus efeitos são os mais amplos e impactantes sobre o bem-estar da nação.

04:26 - Não seria tão simples

Afinal, por que o BC não gasta seus US$ 370 bi de reservas internacionais e resolve a crise?

A pergunta é explorada em reportagem de O Financista.

A resposta, ao meu ver, passa pelo entendimento dos swaps cambiais.

Ao Banco Central, não basta sanar a exposição pública, ou mesmo total, a passivos em dólares.

Crises recentes nos alertam que a exposição privada, per se, é tão ou mais crítica.

Em suma: exposição conta, mas mix da exposição também conta muito.

Por meio dos swaps, o BC vem conseguindo amenizar os riscos de um setor privado que estava fortemente comprado em reais e vendido em dólares.

Sem os swaps – que só existem por causa dos US$ 370 bi de reservas – o custo desse hedge para o setor privado seria tenebroso, podendo engatilhar ataques especulativos contra a moeda local.

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: US$ 1 bi de dívida por mês (exclusivo PRO)
.: Imposto inflacionário (exclusivo PRO)
.: Do freio para o acelerador (exclusivo PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo