M5M_A febre cedeu (por enquanto?)

Não sou o único alemão doente que mostra sinais de convalescência hoje.

M5M_A febre cedeu (por enquanto?)

00:02 - Sinais de convalescência

Já se vão quatro dias que mal saio de casa, acometido por alguma virose genérica. Pelo menos agora, transcorridos dois dias de antibiótico, a febre cedeu e o ânimo começa a voltar.

Não sou o único alemão doente que mostra sinais de convalescência hoje. Mercados europeus reagem positivamente a declarações do CEO do Deutsche Bank, que afastou por enquanto a necessidade de um aumento de capital. O fato de ter anunciado a venda de sua unidade de seguros no Reino Unido, por 1,2 bilhão de dólares, certamente também ajuda.

Que o banco não precisa de recursos por enquanto, todos sabemos. A questão toda gira em torno dos litígios nos EUA, que ainda não encontraram desfecho e, provavelmente, pairarão sobre a instituição como a espada de Dâmocles por algum tempo.

A propósito, a venda da operação de seguros gerará uma perda para o Deutsche, que a vendeu por valor inferior ao que informava em seu balanço. Quanta vontade de vender, hein? Até parece que queria apenas sinalizar que tem de onde tirar dinheiro – longe de mim insinuar isso…

Eu me sinto melhor. Espero não ser aquela melhoradinha após a qual se volta a piorar. Melhor seguir acompanhando os sinais vitais.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:09 - De novo isso?

Se o ritmo de criação de vagas de emprego nos EUA visto nos últimos meses se mantiver, juros por lá podem ter de subir mais rápido do que o planejado.

Palavras de – pasme – Janet Yellen.

Talvez seja a declaração mais clara da chairwoman do Fed em muito tempo. Não por acaso, bolsas americanas reagem negativamente ao discurso.

É sério que a cantilena dos juros americanos vai voltar?

02:13 - Contra a maré

A despeito do mau humor nos Estados Unidos, nossa bolsa luta contra a maré para se manter em terreno positivo.

Contribuem para isso, basicamente, ações ligadas a commodities. Vale se beneficia de rumores de vendas de ativo se concretizando no curto prazo e de uma melhora de percepção sobre a demanda chinesa por minério; Petro reage positivamente ao beneplácito do governo a seu plano plurianual, bem como a expectativa de votação na Câmara, na próxima semana, de alterações no marco regulatório do Pré-Sal. Suzano reage ao anúncio de aumento de preços para China.

Grande destaque do noticiário local é o acordo entre líderes partidários em prol da PEC do teto de gastos, com votação prevista para 10 ou 11 de outubro – bem a tempo de ser celebrada junto com a festa da padroeira do Brasil.

03:17 - Renda fixa não é fixa - e isso é bom

Ontem recebi um e-mail de um leitor com o título “Quero ganhos acima da renda fixa”. Conheço bem a mensagem aí implícita: o imaginário coletivo é de que renda fixa é um negócio que rende pouco.

A ideia de que os retornos são baixos é absolutamente equivocada. Não somente porque as taxas oferecidas no Brasil são estratosféricas quando comparadas ao restante do mundo, mas principalmente porque, contrariando o imaginário popular, renda fixa não é fixa.

Aprendi isso na prática alguns anos atrás. Passado o auge da crise do subprime, os títulos brasileiros estavam oferecendo taxas indecentemente altas. Com a melhora da percepção sobre o Brasil (lembra da capa da Economist?), taxas fecharam e fiz, em questão de poucos meses, ganhos de tal magnitude que faria qualquer investidor de ações sorrir de orelha a orelha.

A Marília vem avisando, reiteradamente, que as condições atuais são propícias a um novo ciclo de ganhos dessa mesma magnitude. Não é todo dia que aparece coisa assim.

E pode ter certeza, se você perguntar a seu gerente de banco sobre o SuperTítulo de Renda Fixa, ele vai lhe oferecer um título de capitalização (ou coisa pior).

04:10 - GFSA: IPO de Tenda vai para a frente?

Após Viver (VIVR3) entrar em recuperação judicial, PDG (PDGR3) cai forte hoje, na esteira de rumores de que estaria se preparando para seguir o mesmo caminho.

Ao que parece, nem mesmo a recente reestruturação de dívida – que nos parecia, em um primeiro momento, afastar riscos mais imediatos à companhia – foi suficiente para compensar o mau momento do setor, que sofre com ritmo fraco de vendas e volume indecentemente alto de distratos.

A pergunta é: será em meio a esse cenário que Gafisa (GFSA3) colocará Tenda de volta na bolsa? Tenho lá minhas dúvidas.

Links Recomendados

.: O que os olhos não veem… explode no seu bolso
.: Você vai comprar sua primeira ação em até 48h

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: BRKM: O controlador agradece (PRO)
.: CPFE: Fundos embarcam na oferta (PRO)
.: USIM: Par, eu ganho; ímpar, você perde (PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado