M5M_Apagar de luzes

O reflexo é de mercados desenvolvidos em dia relativamente morno, com bolsa americana se sustentando muito próxima da máxima histórica...

M5M_Apagar de luzes

00:11 - Exagerou

Algumas vozes já ponderam que o mercado pode estar exagerando na dose nos prognósticos quanto a Trump. “É mesmo?”

Absorvida a sinalização mais estridente do que o esperado por parte do Fed, dólar volta a cair contra euro e treasuries interrompem seis dias de queda, ajustando taxas.

Nos emergentes, se dissemina a mensagem de que o fim do “interregno benigno” de que tanto vem falando nosso BC já estava incorporado às expectativas. E o jogo segue.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:02 - Apagar de luzes

O reflexo é de mercados desenvolvidos em dia relativamente morno, com bolsa americana se sustentando muito próxima da máxima histórica — segundo Yellen, “valuations normais”.

Na Europa, algum destaque para o noticiário corporativo de fusões e aquisições.

Por aqui, otimismo com ênfase em nomes do mercado doméstico, com noticiário relativamente fraco ante o apagar de luzes da atividade legislativa.

Para 2016, já deu.

02:17 - Da porta para fora

Foi de pouco caso a reação predominante às medidas microeconômicas anunciadas pelo governo na tarde de ontem. Acostumados com os planos econômicos mirabolantes fortemente baseados em investimento público e nos subsídios setoriais que coalham a história econômica brasileira, os “formadores de opinião” de sempre — alguns dos quais achavam as políticas da Dilma o estado da arte — ficaram tristonhos.

O foco é no longo prazo. “Longo prazo? Mas a gente precisa de crescimento hoje!”

Desde que eu entrei para o mercado, escuto de representantes da indústria a mesma coisa: “somos ultracompetitivos da porta da fábrica para dentro; o problema é da porta para fora”. Excelente: é isso que a equipe econômica sinaliza atacar. Sem subsídios a perder de vista; sem martelar o câmbio para ajudar amigo; sem transposição do Rio Amazonas até Santa Catarina.

03:08 - Balão de oxigênio

Meirelles afiançou que economia começará a dar sinais de recuperação no primeiro trimestre: se apóia na faxina promovida no âmbito fiscal e no afrouxamento da política monetária como alavancas para retomada da confiança.

Nesse ínterim, oferece ao empresariado regularização de débitos tributários em condições camaradas a renegociação de empréstimos junto ao BNDES — mas nada de taxas subsidiadas.

A mensagem: tome aqui um balão de oxigênio e trate de colocar a casa em ordem para voltar a trabalhar.

04:00 - E se der tudo errado?

A despeito de avanços no front econômico, sabemos que o cenário político é nebuloso e pode se tornar ainda pior mais à frente.

Dentre os riscos, desdobramentos da abertura da caixa de Pandora de Odebrecht e o julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE.

É saudável, portanto, ter em mente a possibilidade de tudo dar errado — e preparar-se também para uma eventual segunda queda.

Prevenir é sempre melhor do que remediar.

Links Recomendados

.: Três conflitos embalados no seu fundo
.: Carta de despedida de Felipe Miranda

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: CIEL: Entendendo o novo cenário (PRO)
.: SEER: Disciplina jesuíta (PRO)
.: Novos tempos (PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado