M5M_Batedores de cabeça, uni-vos!

Aumente o volume: hoje está liberado o headbanging no escritório, ninguém olhará você estranho - só cuidado para não bater de cara no monitor.

M5M_Batedores de cabeça, uni-vos!

00:00 - Batedores de cabeça, uni-vos!

Hoje é dia de rock, bebê. Dia de se acabar ouvindo Led Zeppelin, Black Sabbath, AC/DC e tantos outros monstros sagrados. Aumente o volume: hoje está liberado o headbanging no escritório, ninguém olhará você estranho – só cuidado para não bater de cara no monitor.

00:12 - Truco! Seis! Nove! Doze!

Insatisfações com o governo Temer no seio do PMDB culminaram na candidatura de Marcelo Castro à Presidência da Câmara.

Castro foi ministro de Dilma, votou contra o impeachment e deverá amealhar votos de parlamentares do PT.

Imprensa em coro, consternada, fala que o jogo ficou embaralhado. Ó, céus; ó, vida.

Concordamos em discordar, pois vemos o copo meio cheio: disputas de ideias são sempre boas, e o resultado revelará muito mais a respeito da capacidade de articulação do governo do que na ausência de um candidato de última hora com as características de Castro. Gostamos do drama e da tensão, da dissonância e da consonância – por isso somos quem somos e fazemos o que fazemos.

E mais: o fato de haver dissidência interna no PMDB é ótima notícia. Ruim seria constatar que estamos lidando com um partido que apoiou monoliticamente o PT até meses atrás.

A rodada será interessante. De repente, ao embaralhar de novo as cartas, alguém ficou com o zap na mão.

É hoje, às 16h.

(Aliás, eleição na Câmara é bom momento para ouvir The Number of The Beast)

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:05 - Cuidando do coração

No começo de minha carreira, brigava muito com o pessoal da análise técnica. O universo bem-comportado dos livros de finanças, combinado com a natural arrogância da juventude, me levavam a olhar para aquilo tudo como uma curiosidade um tanto primitiva.

Cheguei a trabalhar com grafistas que, já calejados do mercado, lembravam-se dos tempos em que faziam as análises em papel.

Levei muitos anos para perceber o óbvio: se análise técnica fosse uma forma sofisticada de superstição, jamais teria sabido dessas histórias: esses titãs teriam quebrado e saído do mercado antes mesmo de eu nascer.

Trata-se, no final das contas, de monitorar o mercado como se monitora um doente numa UTI. Cada sinal merece consideração e, quando tomados em conjunto, podem antecipar mudanças de tendência.

É o eletrocardiograma da Bolsa.

Neste Trader PRO, ensinamos o investidor a interpretar cada pulsação do mercado e implementar estratégias que visam maximizar ganhos e limitar perdas. Para quem tem vocação para operar o mercado em curto prazo, é prato cheio.

02:15 - Tanto barulho para nada

Palavras de um gestor londrino: “Este é o ambiente mais estranho que vi em trinta anos (…). Pensava que o Brexit seria o bater de asas de borboleta que criaria um furacão… mas talvez não.”

Todos pensando no Abenomics 2.0. James Bullard, do Fed de St. Louis, inferindo que o impacto do Brexit sobre os EUA tende a… zero. Chances de elevação de juros nos EUA ainda este ano esmaecendo rapidamente. Theresa May assume hoje e mercados já olham com excelentes olhos para potenciais candidatos a integrar sua equipe. Em Bruxelas, ânimos com relação ao Reino Unido abrem espaço para negociar acordos com maturidade. Libra voltando a valorizar, depois de um natural tombo. Mercados emergentes no maior nível em oito meses.

Me arrisco a dizer que já podemos, sim, arranjar outro problema pelo qual sofrer.

03:06 - Ele disse que consertá-lo-ia, e assim o fez

Não durou 24 horas a tentativa de enxertar R$ 2,4 bi em emendas parlamentares como condição para aprovar a LDO, bem como o aceno à volta da CPMF.

Ontem mesmo, o governo tratou de articular para acabar com a brincadeira. O texto que vai à votação na Comissão de Orçamento, hoje à tarde, é bem mais comportado.

Depois de tantas acusações de pulso fraco – não de todo infundadas, tendo em vista as idas e vindas que presenciamos desde a formação do ministério – o governo marcou um belo gol em coordenação política.

Agradecemos. Tanto como contribuintes quanto como analistas de mercado: toda sinalização de responsabilidade fiscal e conciliação entre Planalto, Esplanada e Congresso é bem-vinda e candidata a fazer preço.

Temos uma reputação a reconstruir.

04:09 - Quando Goldfajn fala, o mundo se ilumina

Estou para Ilan Goldfajn como Marilena Chauí estava para Lula anos atrás.

Ilan reiterou ao Financial Times a intenção do governo em propor uma emenda constitucional garantindo a autonomia do BC. Defendeu a flutuação total do câmbio e a zeragem do programa de swaps. Não só reafirmou que há condições de fazer a inflação convergir à meta ano que vem, como acenou com redução da mesma mais à frente.

Tudo música para meus ouvidos. E para o mercado. Não por acaso temos gente de peso lá fora olhando (e comprando!) Brasil. Não por acaso, o risco-país voltou a menos de 300 pontos (depois de bater 530 em setembro passado).

Para contrastar… hoje, enquanto vinha para o escritório, ouvi no rádio uma chamada para algum evento cultural. Ao final, a assinatura do Governo Federal, patrocinador.

“Brasil: Pátria Educadora”.

Tétrico. Sinistro. Lembrei das previsões do Mantega, do discurso anacrônico quanto a BC, das peripécias com o BNDES. Horror! Horror!

Quanta diferença.

Links Recomendados

.: Disputa pelo comando da Câmara já tem 14 candidatos
.: Qual é a diferença entre área útil, privativa, comum, total, locável e BOMA?
.: Você está pronto para o TSUMONEY?

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Antes da Câmara, abrimos nossa Câmera (exclusivo PRO)
.: PETR: Quod erat demonstrandum (exclusivo PRO)
.: Siderurgia: Heavy Metal (exclusivo PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado