M5M_Como fazer amigos e influenciar pessoas

O ofício que escolhi para minha vida consiste em oferecer aos clientes minha melhor a mais honesta opinião sobre temas que impactam seus patrimônios. Isso implica em, volta-e-meia, desagradar uns e outros, aqui e ali.

M5M_Como fazer amigos e influenciar pessoas

00:06 - Veritas filia temporis

“Não sou mais seu amigo!” Fazia tempo que não ouvia isso. Pelo menos uns 20 anos, chuto eu.

Na época eu me importava. Ontem cheguei em casa e procurei “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”, clássico livro de Dale Carnegie. As páginas da minha edição já estão amarelinhas e denotam bem o tempo decorrido desde que a adquiri. Era início de adolescência, quando o desejo de aceitação ainda se sobrepujava às tendências um tanto indomáveis da minha personalidade. À época, aprendi bastante e colhi alguns frutos das técnicas nele ensinada. O tempo mostrou, entretanto, que a perda de autenticidade decorrente daquilo tudo simplesmente não compensava a colheita.

O ofício que escolhi para minha vida consiste em oferecer aos clientes minha melhor a mais honesta opinião sobre temas que impactam seus patrimônios. Isso implica em, volta-e-meia, desagradar uns e outros, aqui e ali. Gostaria que não fosse assim, mas fazer o que? É um pequeno preço a pagar diante da sensação de dever cumprido.

Perdi alguns amigos ontem, mas talvez acabe por fazer outros. A verdade é filha do tempo.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:18 - Em compasso de espera

Nos EUA, mercados tímidos na espera de Yellen amanhã, com volumes baixos e todos ensaiando sua melhor cara de pôquer. Às vésperas da conferência em Jackson Hole, apostas de elevação de juros em Setembro saltaram de 18 para 30 por cento. Particularmente, continuo não botando fé. Bolsas europeias realizam ganhos na esteira de indicadores de sentimento ruins na Alemanha. Na Ásia o destaque é China, onde preocupações com os excessos do mercado imobiliário e possíveis ações governamentais para coibi-los voltam à pauta.

Por aqui, todos os olhos na TV Senado para o grand finale do impeachment. A princípio, discussões devem invadir a próxima semana, mas a cada hora a previsão de quando teremos o veredito final muda. Por enquanto, terça-feira ainda parece o dia D de Dilma. Enquanto isso, timidamente, o governo interino segue em meio a vitórias e crescentes questionamentos. Se, por um lado, conseguiu a aprovação da Desvinculação de Receitas da União no Senado, em votação-relâmpago ontem à noite, por outro tem de lidar com crescentes insatisfações da base aliada.

Mas isso, francamente, é assunto para a semana que vem.

02:14 - O Contragolpe é um sucesso: muito obrigado!

Fizemos, na manhã de hoje, nosso primeiro Live Event. Com o julgamento de Dilma entrando em sua reta final, não poderia haver data mais propícia para falarmos sobre o Contragolpe.

Ficamos felicíssimos com a audiência e com a repercussão positiva, tanto nas redes sociais quanto nos nossos telefones. O reconhecimento de vocês é a maior recompensa para nosso trabalho.

Conversei há pouco com o pessoal da Central de Atendimento. O pessoal está em um esforço redobrado, a despeito de algum congestionamento nas linhas, para atender a todos o mais rápido possível. Caso você queira aproveitar a oferta exclusiva de hoje, por favor persista. O telefone é 4003-5120.

03:02 - Questão de perspectiva

Os mesmos líderes sindicais que, semanas atrás, se mostravam contra o programa de demissão voluntária que era costurado pela Mercedes para adequar sua força de trabalho de em São Bernardo, passaram a ver a proposta como excelente alternativa. Acordaram para o fato de que, caso não cedessem, simplesmente não teriam como barrar a demissão de 1,4 mil na virada do mês.

Já dissemos que não tem jeito. A situação do setor é ruim e a oferta precisa se ajustar. Pelo menos parece que os sindicatos entenderam, finalmente, que não dá para aumentar salário real sem contrapartida em produtividade para sempre, e já assentem com reajustes em linha com a inflação para os próximos anos.

Bom para todo mundo, mas ainda melhor para empresas que, por conta de características particulares, vivem momentos dissonantes com o restante da indústria. Enquanto trabalhadores de montadoras estão em casa e diversos autopartistas estão operando com jornada reduzida, Fras-Le (FRAS3) roda sua principal fábrica com utilização de capacidade nas alturas, fruto de sua exposição a exportações e forte presença no mercado de reposição. Com boa alavancagem operacional, pressão de custo de mão-de-obra equacionada e mercados em tendência de recuperação, o caminho para melhores resultados nos parece bem pavimentado. Gostamos de FRAS3, que negocia a 14 vezes lucros e EV/EBITDA de 5,2.

04:15 - Uma merecida homenagem

O mercado tem alguns tabus. Algumas operações já fizeram tantas vítimas que o simples ato de propô-las já é um ato de bravura.

Presenciei, nas últimas semanas, um desses atos. Meu colega Sergio Oba ficou short em CSNA3 dia 11/07. Reiterou a recomendação na segunda, dia 22/08. Foram dias de tensão, inclusive com severas críticas no mercado. Alguns clientes chegaram a perder a linha no momento em que o resultado da operação estava no campo negativo.

Sergio fechou o call hoje, com ganho de cerca de 11 por cento, contra tudo e (quase) todos. Aplausos.

Captura de Tela 2016-08-25 às 15.46.14

Nosso Serious Trader não brinca em serviço.

Links Recomendados

.: Um segredo para minimizar a vacância de seus imóveis

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: O que achamos de Fibria?
.: Le-lis le-livrou-se de (mais) um problema
.: "Os mano" ou "as mina"?

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado