M5M_Fuja da crise… de identidade

Contrariando as expectativas do consenso, não só o apocalipse não aconteceu como o S&P encontrou espaço para renovar máxima histórica.

M5M_Fuja da crise… de identidade

00:07 - Crise de identidade

Na manhã de segunda-feira, o mercado trabalhava com o cenário de que Hillary venceria — e isso seria bom. Uma eventual vitória republicana era percebida como improvável e, principalmente, um enorme risco para os Estados Unidos e para as economias globais.

Aí deu Trump. Todos se prepararam para choro e ranger de dentes.

Contrariando as expectativas do consenso, não só o apocalipse não aconteceu como o S&P encontrou espaço para renovar máxima histórica.

É o tipo de choque que deveria levar muita gente a uma profunda crise de identidade.

E, ao que parece, levou mesmo.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:13 - Ideias frágeis

O mercado passou, num passe de mágica, a lançar mão da eleição republicana como justificativa para toda e qualquer tese para justificar a continuidade do bull market:

“Os investimentos em infraestrutura nos EUA vão impulsionar a demanda por commodities!”

“As incertezas geradas pela eleição de Trump vão fazer o Banco Central Europeu estender os estímulos monetários!”

“O crescimento mundial vai aumentar por conta dos Estados Unidos!”

A facilidade com que o consenso virou demonstra bem a fragilidade de suas ideias. As de antes e as de depois.

02:08 - Do que REALMENTE ter medo

Os mercados estavam com medo e, ao verem que as implicações que esperavam para o evento que temiam não se concretizaram, ficaram assim:

Esse comportamento abre espaço para um tipo de medo ante o qual, com o perdão da redundância, é preciso ter medo.

É o medo de ficar de fora. O medo de ser o pato que não embarcou naquela onda que, passado 1 ano, parecerá o movimento mais óbvio do mundo.

É diante de situações assim que acaba-se por tomar risco demais.

Imagine-se gestor de um fundo neste momento. Se você estava com exposição underweight (abaixo da média) em um determinado setor que teve performance acima do mercado, você ficou para trás.

Qual é a tentação? Ficar overweight (acima da média) e torcer para que o movimento continue. Assim você recuperaria o atraso e, talvez, até conseguisse entregar algum retorno a mais do qual se gabaria depois.

O problema é que, quanto mais o indivíduo erra, mais propenso a tomar cada vez mais risco ele fica. Desnecessário dizer que isso acaba mal, não é mesmo?

03:12 - Tudo mudou? Nada mudou.

No começo da semana eu insisti que, diante da incerteza que representava a eleição nos Estados Unidos, você deveria resistir ao “zerar ou dobrar”.

Naquele momento, evidentemente, a vontade geral da nação era zerar. Insisti para que você simplesmente continuasse aderente ao seu plano, respeitando sua alocação estratégica.

E agora, tudo mudou? Nada mudou.

Siga cético. E não deixe com que o ruído — seja ele positivo ou negativo — desvie sua atenção das teses de investimento nas quais você acredita.

E sente na mão.

04:03 - Cultura corporativa

Itaú anunciou ontem que Roberto Setúbal deixará a presidência executiva em breve, em função do limite de idade previsto no estatuto da instituição.

Bob sobe para o conselho, e a vida segue no maior banco do país sem maiores solavancos.

É sempre bom ver uma grande empresa, com cultura corporativa forte e quadros qualificados, na qual não se mudam regras do jogo com a bola rolando para acomodar necessidades momentâneas.

Captou a mensagem?

Links Recomendados

.: A plataforma dos desesperados
.: Dois meses para você embarcar em um Rali de Final de Ano sem precedentes na Bolsa

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: BBDC: O tempo dirá (PRO)
.: ECOR: Bons números no 3T16 (PRO)
.: Isso é concreto (PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado