M5M_O futuro manda a conta

Um de meus professores de graduação sempre repetia: faça isso, faça aquilo, pois "o futuro manda a conta”.

M5M_O futuro manda a conta

00:12 - O Giácomo tinha razão

Um de meus professores de graduação sempre repetia: faça isso, faça aquilo, pois “o futuro manda a conta”. Era um constante chamado à responsabilidade com relação ao porvir, e mesmo eu, que não era grande frequentador do diretório acadêmico — cerveja ruim e sinuca nunca foram minha praia —, achava aquilo um saco.

Hoje, com as costas um pouquinho mais curvadas e alguns fios de cabelo branco surgindo, estou pronto para reconhecer: Giácomo, tu tinhas razão.

Quem teria tirado grande proveito dessas palavras é a União Europeia. Após anos de estímulos e lições de casa deixadas de lado, o bloco parece ter cada vez menos a comemorar.

E, talvez, a conta esteja chegando.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:23 - O barman tocou o sino: o bar vai fechar

Minhas preces foram ouvidas: deixamos Yellen de lado, pelo menos por enquanto. Com os dados do Livro Bege (ontem) e do ISM de serviços (anteontem) atuando como uma pá de cal sobre as especulações quanto à alta de juros nos EUA já em Setembro, as perspectivas econômicas para a Europa vão se firmando como novo foco de preocupação.

A senha foi a decisão do Banco Central Europeu de não mexer em nada nos estímulos postos. O mercado, como sempre, queria mais — e, de preferência, sinalizações de que os programas com encerramento previsto em março próximo seriam estendidos.

Com o mercado perigosamente alcoolizado, Draghi reluta em servir outra rodada.

02:00 - Susto na fila do caixa

Aí vem a hora de pagar a bebedeira. Na fila, os ébrios se desesperam: uns têm no bolso muito menos dinheiro do que imaginavam, enquanto outros sequer sabem onde suas carteiras foram parar. Tem até gente de quatro procurando a comanda no chão… Quem se embebedou como se não houvesse amanhã agora percebe que, na verdade, há.

Mercados em baixa, aqui e lá fora, antecipando a ressaca que ameaça chegar. Câmbio repercute aumento da percepção de risco, desvalorizando — e beneficiando exportadoras.

Petróleo em alta na esteira de estoques menores nos EUA, mas a despeito da falta de sinais concretos de contenção da produção mundial. Sem sustentação, portanto, penso eu.

Noticiário local ofuscado, em parte por ser mais do mesmo: preocupações — em parte exageradas, na minha opinião — com a governabilidade de Temer. Também a proposta de orçamento, que atribui certo peso a receitas extraordinárias para fazer a conta fechar, é colocada sob suspeita. Articulação política segue difícil, com mais do mesmo.

03:10 - Preparemo-nos (como sempre)

A conta inevitavelmente viria, e para ela nos preparamos selecionando ativos rigorosamente e buscando uma alocação racional de portfólio.

Coloque minhas palavras na perspectiva correta: mesmo com um aumento da aversão a risco, sigo pensando que fatores internos fazem do Brasil um bom lugar para se estar nesse momento, e que isso se traduzirá em um desfecho vitorioso para nós na disputa pelos recursos destinados a mercados emergentes.

E com valuations ainda atrativos — lembremo-nos, ao olhar para o P/L da bolsa, que o L segue deprimido… — há oportunidades para todos os gostos.

É sábio, especialmente, alocar parte dos recursos em ativos geradores de renda. Entre empresas e fundos imobiliários, persistem boas oportunidades com yields extremamente atrativos para os quais você deveria olhar.

04:01 - Contra a cultura da taxa

Uma boa notícia: a XP rompeu com uma incômoda tradição das corretoras e eliminou as taxas de custódia e de TEDs que cobrava de seus clientes. O benefício, antes restrito a investidores com um mínimo de 300 mil reais em recursos, agora se estende a todos os clientes da casa.

Bom principalmente para quem investe com cabeça no longo prazo. Minha ojeriza a essas cobranças é tal que já cheguei ao ponto de transferir ações para a custódia fungível para evitar a taxa da corretora. Já TED… eu não pago nem para meu próprio banco! Pagar para a corretora, me desculpem, é um desaforo.

Ainda menos gosto da ideia de condicionar a isenção a volumes mensais de operação: péssimo incentivo para fazer o cliente operar mais.

Aplaudo a iniciativa, portanto. A pergunta é: quem terá coragem de acompanhar a XP nessa?

Links Recomendados

.: Imóveis ou ações, qual é melhor?

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Brasil Pharma: vão-se os anéis, ficam...
.: Caixa Seguridade à caminho: atenção ao discurso
.: GRU Airport: melhor ser controlador

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado