M5M_Pra balançar isso aqui é bomba

Num momento desses, pra balançar isso aqui tem que ser bom-ba. E de fato temos algumas, para cujas possibilidades de detonação temos que ficar atentos.

Compartilhe:
Enviar link para o meu e-mail
M5M_Pra balançar isso aqui é bomba

00:15 - O movimento é sensual

Agora sim: a partir da próxima segunda-feira, horário de negociação regular da nossa Bolsa passa a ser das 10 às 17 horas.

O mercado europeu já havia começado bem o dia impulsionado pela recuperação no preço do petróleo, que ajudava a impulsionar ações de empresas de energia por lá.

O grande evento do dia, porém, viria do outro lado do Atlântico: com relatório de emprego apresentando números melhores que o esperado no primeiro mês completo de governo Trump, gringos foram às compras e asseguraram alta para 9 em cada 10 ações do S&P500 nesta sessão. Mundo afora, o movimento dos mercados é sensual.

A alegria contagiante se estende a mercados emergentes em geral e, especificamente em Pindorama, IPCA abaixo do esperado dá fôlego adicional. Juros têm forte queda e Bolsa opera em alta, com destaque para nomes domésticos. Na outra ponta, exportadoras amargam perdas acompanhando a queda do dólar.

01:10 - O movimento é sexy

Há dezessete anos, o grande hit do Carnaval brasileiro era “Bomba”, dos Braga Boys. Aquela foi a última vez que, com uma mão na cabeça e outra na cintura, brasileiros viram um IPCA tão baixo em um mês de fevereiro.

Até hoje: os 0,33 por cento divulgados ficaram abaixo até mesmo da previsão mais otimista do mercado. A surpresa levou a virtualmente 100 por cento a probabilidade, implícita nas taxas de mercado, de um corte de 100 pontos na Selic na próxima reunião do Copom, em abril.

DI futuro até embaixo — embaixo, embaixo…
Ações locais até em cima — em cima, em cima…

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

02:03 - Pra balançar isso aqui é bomba

Num momento desses, pra balançar isso aqui tem que ser bom-ba. E de fato temos algumas, para cujas possibilidades de detonação temos que ficar atentos.

Uma está na mão de Rodrigo Janot, que promete soltá-la no STF no começo desta próxima semana. Sobrará pedra sobre pedra após virem a público os pedidos de abertura de inquéritos?

A outra está com Herman Benjamin, do TSE, que faz hoje à tarde acareação de alguns célebres depoentes — dentre os quais Marcelo Odebrecht — no processo que pode balançar o Planalto.

A terceira, no Congresso: governo segue se digladiando com parlamentares buscando fazer avançar a Reforma da Previdência, para a qual reconhece que ainda não tem votos suficientes à aprovação.

Ninguém disse que seria fácil, não é mesmo?

03:17 - Devagarinho até em cima

Dado mais esperado da semana na gringa, o relatório de emprego do primeiro mês inteiro de governo Trump superou as expectativas. Leitura do mercado é de que era a gota d’água para que Yellen & Cia deliberem por elevação de juros já na próxima quarta.

Com um adicional: a forte geração de vagas convive com crescimento bem-comportado de salários. Traduzindo, a pressão inflacionária do mercado de trabalho aquecido segue bem administrável — o que enfraquece a tese de que os três aumentos de juros no ano podem virar quatro: juros americanos vão devagarinho até em cima.

Quem não foi nada devagar até aqui foi a Bolsa americana: S&P500 já acumula alta de 5,6 por cento no ano. Desde a divulgação do resultado das eleições, retorno total é de 10 por cento.

04:24 - Devagarinho até embaixo

Ao otimismo do público investidor em geral se contrapõe a postura cautelosa dos executivos das companhias e demais insiders, cujos volumes de compra de ações é o mais baixo desde 1988.

Talvez estejam esperando uma oportunidade para comprar devagarinho lá embaixo.

Links Recomendados

.: Belas, recatadas e sovinas
.: Pacote salva-ORCRIM
.: 4 ações que você deve comprar agora

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Sobre o pré
.: Prestando Contas
.: A propósito...

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo recomendado