Meu voto para presidente

A independência do Banco Central não tira comida da mesa dos brasileiros. A inflação, sim — principalmente dos mais pobres.

Meu voto para presidente

00:09 - Campanha eleitoral

Estratégia de defesa escolhida por Dilma e Lula – de atacar Sérgio Moro – é irracional e perigosa.

Foi a última cartada que restou? Vale tudo para segurar o Poder? Pois bem, voltamos ao PT em modo campanha eleitoral.

O juiz Moro tem mais apoio popular do que a soma de todos os políticos brasileiros, elevada à quinta potência.

Está claro que sua conduta processual tem sido exemplar, do início ao fim da Lava-Jato.

Assim como está claro que a independência do Banco Central não tira comida da mesa dos brasileiros.

Já a inflação causada por um BC subordinado ao Governo Dilma está efetivamente tirando 10% ao ano de comida da mesa de todos os brasileiros, principalmente dos mais pobres.

Está gostando desse artigo?Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos

01:20 - Aperte “Volpon" e confirme

Este Governo trágico está prestes a cair, mas nos deixará uma herança onerosa até 2018.

Sobre a inflação, o diretor do Banco Central Tony Volpon (um dos poucos “insubordinados”, no melhor sentido do termo) explicou por que tem votado por aumento da Selic.

Resumidamente:

(i) Ao nível recorde de IPCA atual, reduzir a inflação tende a ser benéfico ao crescimento do PIB, e não o contrário.

(ii) Se deixarmos a inflação folgada, existe o risco dela estacionar em uma zona de conforto bem acima da meta de 4,5% ao ano (lembra dela?).

(iii) Reversão da alta do dólar promovida pelo Fed abre uma janela única de oportunidade para domarmos o dragão inflacionário.

(iv) É a forma mais sadia e rápida de derrubar a Selic posteriormente.

Manifesto publicamente meu voto: Volpon para presidente do BC.

02:28 - Gringos na frente

Bloomberg mostra que gringos foram os grandes responsáveis pelo fluxo positivo para Bolsa brasileira na primeira quinzena de março.

m5m180316

Muitos gestores e analistas locais rotulavam esses gringos como ingênuos, ou até idiotas.

Subestimavam a crise política pois a observavam de longe, sem o devido discernimento…

Acontece que esses gringos – ingênuos ou idiotas – acordaram comprados ontem, e foram os principais beneficiados pelo Rali do Impeachment.

Eles entendem perfeitamente o conceito universal de Lulômetro, que não demanda tradução.

03:26 - Entretenimento

Reproduzo aqui o email de Durval K., espectador de carteirinha do Grana Preta.

“Primeiramente, gostaria de agradecer pelo programa Grana Preta, que foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida … Essa mistura de descontração, brincadeiras do Rodolfo e do Felipe aliados à informação de qualidade é show de bola … Aguardo sempre ansiosamente todas as quintas-feiras para um novo Grana Preta!!!”.

Quando eu e Felipe inventamos de gravar um programa semanal, não tínhamos pretensão alguma a não ser a de nos divertirmos.

Edição a edição, o Grana Preta tem ganhado audiência. E nos divertimos cada vez mais.

Lamento, porém, que tenha sido a melhor coisa que aconteceu na vida do Durval.

04:31 - Não precisamos casar virgens

Primeiramente, obrigado aos elogios. Críticas também são muito bem-vindas.

Segundamente, Durval tem uma dúvida bastante perspicaz.

“Qual é a lógica de se comprar um título tesouro IPCA com vencimento em 2050? Não sei nem se vou estar vivo até lá! Seria meramente especulativo? Comprar justamente pra ganhar em cima da variação do título e não esperar o vencimento?”.

Sim, recomendamos títulos públicos para carregar até o vencimento. Mas não estamos engessados nesse sentido.

Se o mercado vira a nosso favor, podemos perfeitamente realizar a posição antes do vencimento, com lucros potencialmente enormes.

Já se vira a nosso desfavor, carregar até o vencimento não será um problema.

Gosto dessa assimetria para investir em Renda Fixa.

E não acho que o especulativo seja “meramente”.

Links Recomendados

.: Espresso Financista: Negociações em torno do impeachment direcionam os mercados
.: Uma estratégia para lucrar em 12 meses com baixíssimo risco e alto potencial de retorno
.: Conta corrente sem tarifa, conhece?

Conteúdo exclusivo para quem é PRO

.: Dólar acima de zero (exclusivo PRO)
.: Uma ação coxinha (exclusivo PRO)
.: Uma ação de risco elevado (exclusivo PRO)

Por R$ 12,90 ao mês você tem acesso a todo o conteúdo.

Adquira o conteúdo completo

Conteúdo relacionado